Skip to main content

Atingir o equilíbrio: Inovação vs. Continuidade do Negócio

The Road to Reshaping Business é uma série de artigos que explora as tendências do setor, os imperativos estratégicos e os passos práticos para os líderes empresariais que procuram incorporar a vantagem contínua nas suas operações. Neste artigo, centramo-nos no dilema que muitas organizações enfrentam - prosseguir projetos de inovação e, ao mesmo tempo, manter a continuidade crítica do negócio.

A maioria das empresas está sob pressão para inovar. Mas a inovação exige muitas vezes a disponibilidade para assumir riscos, fazer investimentos e aceitar a mudança.

Como pode inovar nas funções críticas da empresa e, ao mesmo tempo, manter o mesmo nível de continuidade da atividade normal (BAU) ou "manter as luzes acesas", como também é referido? Os riscos podem ser elevados e os líderes empresariais podem ser responsabilizados.

Aqui está o desafio - com tecnologias novas e disruptivas como a cloud, a IA e a automação a criar e a destruir organizações, juntamente com uma escassez de talento especializado, é difícil acompanhar e muito menos responder ao ritmo de mudança que está a remodelar os negócios atualmente.

Neste artigo, exploramos a dinâmica da inovação empresarial vs. continuidade. As organizações podem fazer as duas coisas? Também discutimos dicas para encontrar o equilíbrio certo, armadilhas comuns e o valor de trabalhar com fornecedores de serviços geridos da próxima geração, também conhecidos como fornecedores de serviços Operate, para maximizar o retorno do investimento (ROI) da inovação.

Evitar armadilhas comuns

Concentração excessiva na continuidade

Uma armadilha comum que muitas organizações enfrentam é ter uma cultura de liderança que é míope, com demasiada concentração na manutenção contínua de sistemas e processos antigos. O fato de não dar prioridade à inovação e de ser lento a adaptar-se pode prejudicar a velocidade de chegada ao mercado, o crescimento, a competitividade e, em última análise, levar à perda de clientes a longo prazo. A nível interno, pode também afetar as suas equipas, criando insatisfação e desgaste dos empregados.

Não saber como e quando inovar

Para definir as prioridades das iniciativas de inovação com o ROI mais adequado e determinar o momento certo para investir, os líderes devem ter uma estratégia de inovação bem definida que se alinhe com a visão global da organização e com os objetivos comerciais. Podem surgir problemas quando estão a ser considerados demasiados investimentos em inovação ao mesmo tempo, especialmente quando não têm o nível adequado de adesão da liderança multifuncional ou de resultados projetados.

Conselhos para encontrar o equilíbrio:

Crie um roteiro claro para a inovação: A primeira coisa a ter em mente ao equilibrar a inovação e as atividades BAU é a necessidade de alinhar a sua estratégia empresarial e desenvolver um roteiro claro para ambas as prioridades. Isto pode ajudar a sua equipa a dar prioridade aos esforços de inovação e a compreender como os objetivos estratégicos contribuem para a continuidade e o sucesso da empresa, sem afetar as atividades diárias de BAU. Definir os problemas específicos que as funções empresariais pretendem resolver, as oportunidades que pretendem explorar e os benefícios específicos a que pretendem aceder pode fazer a diferença no esforço para resolver os problemas certos no momento certo. Além disso, apoiar grandes projetos de inovação em vez de grandes volumes de iniciativas mais pequenas e não ter medo de envolver o know-how de terceiros numa fase inicial da definição do caso de negócio também pode ajudar a conduzir com segurança a agenda certa.

Desenvolva uma cultura orientada para a inovação: Promover uma cultura que reconheça e recompense a inovação pode desempenhar um papel fundamental na obtenção de vantagens competitivas a longo prazo para a sua organização. Uma cultura orientada para a inovação pode ajudar a atrair talentos difíceis de encontrar e motivar as equipas mais amplas a contribuir com mais esforços para os programas de inovação.

Lidere a carga: A última ideia para encontrar o equilíbrio entre inovação e continuidade é o papel fundamental da liderança empresarial. Enquanto líder, deve definir o padrão como defensor tanto da inovação como das atividades BAU - inspirando as equipas a serem os catalisadores da mudança. Deve também procurar formas de adaptar as suas estratégias e prioridades à medida que os objetivos da sua organização mudam ao longo do tempo devido à evolução do panorama empresarial. O facto de um líder ser responsável pelas decisões que toma, juntamente com a abertura e a consciência de quando deve recorrer a competências e equipas especializadas externas, é fundamental para ajudar a impulsionar o sucesso operacional. Os líderes podem colocar a si próprios questões como "que sistemas ou processos BAU posso potencialmente subcontratar para que as minhas equipas possam dedicar mais tempo a um maior valor acrescentado para a empresa?" e "que competências ou capacidades técnicas não temos internamente e não podemos contratar com a rapidez necessária?" como exemplos desta mentalidade racional.

Colaborar com terceiros para o sucesso

Para algumas organizações, trabalhar com um fornecedor de serviços Operate é uma opção viável para as ajudar a responder com agilidade às exigências de inovação e a concretizar as ambições estratégicas em curso, mantendo a continuidade do negócio.

As tecnologias disruptivas (por exemplo, cloud, IA e machine learning) são muitas vezes essenciais para a maioria dos projetos de inovação e para melhorar o BAU existente. Mas adquirir e reter o talento para desenvolver e gerir estas tecnologias está a revelar-se mais difícil do que nunca. O Deloitte Global Outsourcing Survey of 2022 da Deloitte concluiu que 50% dos executivos identificam a aquisição de talentos como um dos principais desafios internos para cumprir as prioridades estratégicas das suas organizações e 56% dos executivos não sentem que as suas organizações tenham os mecanismos certos para reter os funcionários. Os prestadores de serviços Operate mais experientes têm frequentemente acesso a conhecimentos técnicos e a ecossistemas de fornecedores de tecnologia que podem aproveitar estas tecnologias e ajudar a maximizar o seu valor.

Inovar internamente também pode ser dispendioso e de alto risco. Nem sempre produz os resultados previstos quando se inicia o projeto e não conseguir manter a continuidade das operações principais da empresa não é uma opção. O recurso a um prestador de serviços Operate experiente, com um historial de sucesso na execução de projetos complexos semelhantes de inovação e continuidade da atividade, pode ajudar a "reduzir o risco" e a tranquilizar as partes interessadas e as equipas com atitudes apreensivas em relação à inovação e ao desafio do status quo.

Lembre-se de que os projetos de inovação não têm apenas a ver com a implementação das tecnologias mais recentes e, por vezes, pode parecer que se está a concentrar mais numa área do que noutra. Também têm a ver com a promoção de uma cultura de criatividade, colaboração e melhoria contínua. Escolher o prestador de serviços Operate certo, que partilhe a sua visão para a inovação, transforma-o num parceiro estratégico que também partilha o seu compromisso de impulsionar o sucesso a longo prazo da sua empresa.

Pode encontrar mais informações sobre as principais práticas para impulsionar projetos de inovação e continuidade empresarial bem sucedidos no documento 2023 da Harvard Business Review Analytic Services: Next-Generation Managed Services: Journey from Cost to Value". Para saber mais sobre as capacidades do serviço Operate da Deloitte e ler histórias de organizações líderes, visite: Serviços Operate da Deloitte.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

If you would like to help improve Deloitte.com further, please complete a 3-minute survey