Salte para o conteúdo principal

Planeamento ecológico dos espaços públicos

As cidades tendem a ser planeadas e concebidas para as pessoas, com ruas "verdes", novos corredores e espaços públicos como centros da vida social.

As zonas urbanas caracterizam-se tradicionalmente por uma elevada densidade populacional e por uma construção pesada para apoiar as comodidades modernas, como transportes e edifícios comerciais. Atualmente, enfrentam uma uma pressão crescente da expansão populacional, dos recursos limitados e do impacto crescente das alterações climáticas. Um dos indicadores para medir o ODS 11 é a área de espaços públicos e verdes de uma cidade.

Embora a norma mínima aceite seja de 45% (30% para as ruas e 15% para os espaços verdes), as cidades não a cumprem. Em média, apenas 15% dos terrenos são atribuídos a ruas, mesmo nas zonas planeadas das novas cidades. Nas zonas não planeadas, é de apenas 2%.
Esta falta de espaço natural cria um ambiente de vida urbano pouco saudável. 1

As cidades deveriam estar a conduzir uma agenda de descarbonização. Tornar-se hipocarbónica e alterar a forma como são planeadas é o primeiro passo para mitigar as emissões de carbono e alcançar a resiliência dos ecossistemas. Ao mesmo tempo, devem garantir que o planeamento urbano é capaz de responder às pressões do clima na agenda de adaptação. Os espaços públicos verdes implicam:

  • Um maior número de árvores nas cidades - A "Treepedia" do Senseable City Lab (MIT), que mede a cobertura de árvores nas cidades, coloca Singapura no topo do seu "Green View Index" com 29% de cobertura, seguida de perto por Sydney (26%) e Vancouver (26%) 2 3 4
  • Criação de mais e maiores parques públicos e soluções assentes na natureza no ambiente urbano - como margens de rios, áreas florestais e árvores nas ruas - promovendo uma ligação mais próxima à natureza, mesmo em cidades com elevada densidade populacional
  • Um aumento das instalações para peões e ciclistas, em vez de zonas de estacionamento e projetos centrados no automóvel, com espaço para crianças e adultos desfrutarem de atividades ao ar livre e promoverem um sentimento de segurança e proteção. (De acordo com um estudo da C40, uma rede de megacidades mundiais empenhada em combater as alterações climáticas, o investimento numa mudança para o transporte coletivo e o desenvolvimento de corredores para peões e ciclistas pode reduzir as emissões de carbono nas cidades em 5 a 15 por cento).

As cidades de todo o mundo estão a reconhecer os benefícios de uma abordagem ecológica ao planeamento urbano, uma vez que esta tem o potencial de baixar as temperaturas urbanas, atenuar a poluição atmosférica e criar resiliência ambiental. O Conselho da Agenda Global para o Futuro das Cidades (World Economic Forum) incluiu o aumento da cobertura verde na sua lista das dez principais iniciativas de planeamento urbano. 7

"A plantação de vegetação é, antes de mais, uma forma de mitigar a subida da temperatura ambiente exterior para um nível elevado. Mas não é só isso. Uma cidade verde e próxima da natureza também oferece maior habitabilidade."

-Kok Yam Tan, Secretário Adjunto do Gabinete da Nação Inteligente e Governo Digital, Singapura

Melhoria da qualidade de vida: A C40 mostra que o ar poluído causa quase 4,5 milhões de mortes prematuras por ano e afeta especialmente as crianças com doenças como asma. As zonas florestais urbanas, quando corretamente concebidas, podem ajudar a melhorar a qualidade do ar, demonstrando a necessidade de distribuir as árvores pelas zonas urbanas para evitar reforçar as desigualdades em termos de saúde.8 9. A cidade de Tengah, em Singapura, oferece um bom exemplo de como o planeamento urbano pode proporcionar padrões de vida mais saudáveis através da construção de infraestruturas subterrâneas.

Saúde física e mental melhorada: As diretrizes da OMS sugerem que os espaços verdes podem ajudar a melhorar a saúde mental. Um estudo realizado em Londres revelou que, para cada aumento de uma unidade na densidade de árvores por quilómetro de rua, o número de prescrições de antidepressivos diminuía 1,18 por cada 1000 habitantes. 10 11 Noque respeita à saúde física, a investigação da OMS estima que entre 23% e 25% das doenças globais poderiam ser evitadas através da gestão da cobertura verde. Vários estudos sugerem que os espaços verdes reduzem as taxas de mortalidade prematura.12 13 14

Melhoria da resiliência e da igualdade, como parte de uma estratégia de adaptação: A desflorestação colocou algumas regiões muito mais em risco face às consequências das alterações climáticas. A plantação de árvores contribui para a proteção contra deslizamentos de terras e inundações recorrentes, reforçando assim a resiliência de uma cidade. A eliminação das diferenças na área arborizada e nos espaços verdes entre as zonas de uma cidade reduz as desigualdades, uma vez que permite que todos beneficiem de uma melhor saúde e bem-estar. A ausência de espaços verdes, normalmente nas zonas de baixos rendimentos de uma cidade, cria bairros mais quentes e uma maior exposição aos riscos climáticos. Uma investigação da Universidade de Stanford revelou que, em Sabah (no Bornéu malaio), um surto de malária coincidiu com uma redução da cobertura verde. O estudo concluiu que um aumento de 10% na perda de floresta levou a um aumento de 3% nos casos de malária. 15

Redução das emissões para se aproximar dos objectivos de sustentabilidade e clima do Acordo de Paris: Os espaços verdes ajudam a progredir no sentido do objetivo ambiental de descarbonização. Por exemplo, a colocação estratégica de árvores nas cidades pode ajudar a arrefecer o ar entre dois e oito graus Celsius, reduzindo assim o efeito de "ilha de calor" urbana e a necessidade de ar condicionado em 30 porcento16.

Compreenda os aceleradores da sustentabilidade e os objectivos sociais: Para ajudar a cumprir os objectivos ambientais, os espaços verdes devem ser concebidos tendo em conta tanto a situação ecológica existente como o objetivo final a atingir. Este "estudo de impacto" é crucial para planear o percurso desde o ponto de partida até ao objetivo final, abrangendo a dinâmica cultural e social da cidade.17 A avaliação dos riscos deve fazer parte deste processo: por exemplo, algumas cidades não dispõem de informação sobre as zonas mais propensas a inundações. 18

Promover um planeamento urbano equitativo, justo e integrado: Em comparação com os centros das cidades, os subúrbios são frequentemente negligenciados no desenvolvimento de áreas para passeios e espaços verdes. Por exemplo, um estudo realizado em Melbourne concluiu que, por cada dez quilómetros de distância do centro da cidade, a cobertura arbórea diminuía mais de 2%. Além disso, é importante que a criação de novos corredores e espaços verdes ocorra sem deslocar os residentes com baixos rendimentos de longa duração de uma zona. A título de exemplo, a recuperação do Prospect Park, em Nova Iorque, aumentou os preços dos imóveis e atraiu novos residentes ricos, o que expulsou da zona os residentes mais pobres, em especial da comunidade negra .20 É necessária uma perspetiva integrada, também porque os corredores para peões e ciclistas devem ser acompanhados de uma estratégia de mobilidade actualizada, com incentivos adequados à redução da utilização do automóvel particular.

Não subestime o poder do envolvimento da comunidade: O envolvimento da comunidade é crucial para obter a adesão da população local ao planeamento urbano verde e habitável. A cidade do Porto está a criar corredores saudáveis em Campanhã no âmbito da sua iniciativa Urbinact, que é apoiada por iniciativas de envolvimento da comunidade.
A participação ativa da comunidade é também essencial para garantir o envolvimento local nos projetos de renovação e manutenção.

Assegurar os fundos e o financiamento: A limitação dos recursos orçamentais pode dificultar a atribuição de prioridade à cobertura verde. Por conseguinte, as cidades podem considerar métodos de financiamento inovadores para os espaços verdes. Por exemplo, Atlanta utilizou obrigações de impacto para desenvolver o seu bairro Proctor Creek. Washington, DC utilizou obrigações semelhantes para financiar o desenvolvimento do pessoal. 21 Outros instrumentos financeiros tradicionais também podem ser utilizados.

Freetown, Serra Leoa

Freetown é uma das cidades mais populosas do mundo, caracterizada por um crescimento rápido, mas desigual. Por exemplo, 38% da expansão da cidade teve lugar em zonas de risco médio ou elevado. Esta expansão perigosa teve como resultado o crescimento de bairros de lata em zonas propensas a inundações e a degradação ambiental. O Presidente da Câmara salientou que a construção em zonas sujeitas a inundações é agravada por um planeamento urbano incompreensível e pela escassez de habitação a preços acessíveis. Além disso, a cidade não dispõe de mandato para tomar decisões em matéria de planeamento urbano.

Em janeiro de 2019, a Presidente da Câmara, Yvonne Aki-Sawyerr, lançou o plano "Transform Freetown", uma visão de três anos para o desenvolvimento da cidade, a fim de abordar os desafios socioeconómicos e as vulnerabilidades ambientais de Freetown. O plano engloba quatro grupos e 11 sectores prioritários. Os grupos são: resiliência, desenvolvimento humano, uma cidade saudável e mobilidade urbana. O governo lançou várias iniciativas no âmbito do plano para abordar uma série de questões, desde a gestão de resíduos e a habitação, até à melhoria do planeamento urbano e à luta contra a degradação ambiental. Entre outras, a Presidente da Câmara destacou a construção (pela primeira vez) de uma estação de tratamento de águas residuais; a construção de um aterro sanitário; a introdução da reciclagem; e a formação e o financiamento de ginecologistas, pediatras e obstetras qualificados, "o que será um fator de mudança porque ajudará a reduzir o número de pessoas que morrem à nascença".

A campanha #FreetownTheTreeTown é uma iniciativa destinada a reduzir a erosão e o escoamento superficial e a aumentar a cobertura vegetal da cidade em 50% até 2022, através da plantação de um milhão de árvores. O Presidente da Câmara considera que esta é uma forma de combater o aumento da temperatura do ar associado à desflorestação. "A cidade tem sofrido com inundações, perda de diversidade e má qualidade do ar, e as árvores ajudarão a restaurar essa situação."

Para a primeira fase de implementação da campanha, em 2019, a câmara municipal estabeleceu uma parceria com vários ministérios federais, o Banco Mundial e a Fundação Ambiental para África para plantar e cultivar 500.000 árvores em áreas específicas para combater riscos recorrentes e evitar potenciais catástrofes - como uma série de deslizamentos de terras e inundações em 2017 que deixaram mais de 1000 habitantes mortos ou desaparecidos e tiveram um custo económico de mais de 25,5 milhões de euros (30 milhões de dólares)22 , restaurar os ecossistemas naturais e proteger as infraestruturas de abastecimento de água e saneamento.

Em 2020, a cidade tinha plantado 245.000 mudas e cultivado 15 espécies diferentes de árvores em vários locais. Continuará a plantá-las em casas, escolas, espaços públicos e zonas de escritórios. Seguido de uma avaliação da copa das árvores através de machine learning, o crescimento das árvores será acompanhado através de uma app local, a Treetracker, e a sobrevivência das árvores será assegurada através da contratação de administradores comunitários e da emissão de tokens de impacto como recompensa por um bom cuidado. A iniciativa criou 553 empregos "verdes" nas comunidades de plantação de árvores para garantir a sustentabilidade da estratégia a longo prazo. " Estes trabalhadores estão sediados nas comunidades, são responsáveis por zonas específicas de plantação de árvores, por áreas de captação de árvores e regam-nas. Mas há um elemento de emprego aqui, também incorporado na natureza das árvores que são plantadas. Optámos por árvores económicas: é possível colher mangas, cajus, frutos, ervas de moringa, que têm um valor comercial. A comunidade ou o agregado familiar beneficiarão com isso".

A cidade também nomeou embaixadores das alterações climáticas, os chefes locais, para sensibilizar a população e evitar a destruição de árvores para combustível na cozinha, uma vez que "82% do combustível utilizado em Freetown para cozinhar é à base de madeira".

O objetivo é garantir uma distribuição equitativa da vegetação em toda a cidade e incluir toda a comunidade no processo, para que Freetown se torne mais resistente a desafios futuros. 23 24 25

Lisboa, Portugal

Com o aumento da utilização de automóveis, as ruas de Lisboa tornaram-se mais congestionadas. Este facto levou a uma redução de espaço para peões e expôs os problemas do desenho urbano que dava prioridade à disponibilização de espaço para carros e outros veículos.

Para fazer face a este desafio, a cidade deu prioridade ao desenvolvimento de corredores pedonais e cicláveis. A cidade está a construir ciclovias na sua artéria central e nas avenidas da zona alta. Está a trabalhar para ter 200 km de ciclovias até ao final de 2021, para que 93% da população tenha acesso a uma ciclovia num raio de 300 metros da sua casa. Está também a criar um total de 27 pontes ciclo-pedonais.26 27

Lisboa também levou a cabo iniciativas para reabilitar as praças comunitárias como espaços públicos verdes. Por exemplo, a Praça do Martim Moniz, historicamente um espaço comercial, foi transformada por uma cobertura de relva e jardins no telhado com o objetivo de "devolver o espaço à cidade". A Praça de Espanha, uma área desorganizada, foi transformada numa zona verde dedicada a passeios a pé e de bicicleta.28 29

Lisboa lançou o projeto "LIFE LUNGS" para implementar uma estratégia municipal de adaptação às alterações climáticas destinada a aumentar a resiliência da cidade através de infra-estruturas verdes. Ao desenvolver mais espaços verdes, tem como objetivo combater o aumento das temperaturas causado pelas ilhas de calor urbanas.30 Apenasdois dias depois de Lisboa ter recebido o título de Capital Verde Europeia em 2020, 4 500 pessoas de toda a cidade e áreas circundantes plantaram 20 000 árvores. A cidade planeia ser 100% neutra em termos de carbono até 2050.31 32

Lisboa está também a ligar as suas áreas verdes ao corredor verde do Vale de Alcântara. Este corredor liga os equipamentos naturais da cidade, incluindo o Parque de Monsanto e o rio Tejo, com ciclovias e passadiços, proporcionando um maior acesso aos espaços verdes.33

Shiraz, Irão

O crescimento da população levou a um excesso de projectos de construção na cidade, a más condições de vida, à poluição e a um elevado consumo de energia. Para fazer face a esta situação, o município iniciou a reflorestação da periferia da cidade no âmbito de uma iniciativa designada por projeto "Cidade Verde", que decorreu entre 2008 e 2018.

O projeto destinava-se a todos os cidadãos da cidade, com especial incidência nos que vivem em zonas de elevado desemprego e criminalidade e também nos turistas que visitam a cidade.

O projeto tinha quatro elementos: desenvolvimento da floresta urbana, parques nos telhados, parques lineares e jardins nos telhados. O governo criou espaços verdes, áreas recreativas, parques lineares ao longo das ruas e parques nos telhados. Também incentivou a plantação em telhados e foram oferecidos descontos na tributação a projectos de construção do sector privado que estavam em conformidade com o plano de desenvolvimento da cidade.

Como resultado, o espaço verde per capita aumentou de 13m2 para 85m2. O projeto também aumentou os recursos hídricos subterrâneos e produziu 325.000 metros cúbicos de oxigénio por dia, melhorando a qualidade do ar na cidade.

2 876 hectares em redor da cidade foram transformados em florestas de oliveiras. O azeite das árvores aumentou o rendimento municipal e reduziu a dependência da cidade das importações de azeite. Outro resultado foi a prevenção da construção "ilegal" e dos espaços ao redor das fronteiras da cidade.

Na sequência de uma cooperação bem-sucedida entre as autoridades a diferentes níveis, estatal e local, foi proposta uma lei nacional para a execução de projectos semelhantes na província de Fars (abrangendo uma área de 40 000 hectares). Outras cidades assinaram um acordo para seguir o exemplo deShiraz34.

"Devido a mercados disfuncionais de terras e habitação, as pessoas pobres localizam-se nas cidades perto dos empregos, em espaços não construídos. Estas são, na sua maioria, zonas propensas a riscos, como deslizamentos de terras e inundações. As suas vidas estão em risco. É isto que a agenda da resiliência pretende resolver".

-Sameh Wahba, Diretor Global, Urbano, Gestão do Risco de Catástrofes, Resiliência e Prática Global da Terra, Banco Mundial

Entrevistas em vídeo

Podcasts

Notas finais :

  1. UN-Habitat (2013.), Streets as Public Spaces and Drivers of Urban Prosperity, citado em SDSN: Indicators and monitoring framework. (2020)
  2. CNBC: These are the world’s most liveable cities in 2019. (2019)
  3. Senseable City Lab: Exploring the Green Canopy in cities around the world. (2017)
  4. Another Development: Urban planning and the importance of green space in cities. (2020)
  5. C40 Cities: Focused Acceleration: A strategic approach to climate action in cities to 2030. (2017))
  6. C40 Cities: Green and healthy streets. (2020)
  7. Senseable City Lab: Exploring the Green Canopy in cities around the world. (2017)
  8. University of Washington: Green cities: Good health. (2018)
  9. C40 Cities: Green and healthy streets. (2020)
  10. American Planning Association: The benefits of street-scale features for walking and biking. (2015)
  11. Irrigazette: Green space with urban or suburban environment. (2017)
  12. World Resources Institute: Green, Equitable, Inclusive: Redefining Public Spaces. (2020)
  13. Barcelona Institute for Global Health: Why Cities Need Green Space More than Ever?. (2020)
  14. Food and Agriculture Organization of the United Nations: Building greener cities: nine benefits of urban trees. (2016)
  15. National Geographic: Deforestation is leading to more infectious diseases in humans. (2019)
  16. Food and Agriculture Organization of the United Nations: Building greener cities: nine benefits of urban trees. (2016)
  17. World Resources Institute: Green Space: An Underestimated Tool to Create More Equal Cities. (2020)
  18. Bill Gates: How to avoid a climate disaster. Bill Gates. 2021
  19. The Conversation: Fewer trees leave the outer suburbs out in the heat. (2014)
  20. World Resources Institute: Green Space: An Underestimated Tool to Create More Equal Cities. (2020)
  21. Ibid.
  22. World Bank Blogs: The 3 challenges in building urban resilience in Freetown. (2019)
  23. Freetown City Council: Transform Freetown: An overview | 2019 - 2022. (2019)
  24. World Bank: An Obstacle or Opportunity? Building Urban Resilience in Freetown. (2019)
  25. UN Environment Programme: Transforming Sierra Leone's capital. (2020)
  26. USGRDCO: Evolution Is a Choice for Lisbon, the New 2020 Green European Capital. (2020)
  27. European Cyclists’ Federation: MOVE Lisboa: what is on the horizon for cycling in Lisbon? (2020)
  28. The New York Times: A Lisbon Home With a Vertical Garden. (2016)
  29. Failed Architecture: A Warning to Lisbon: The Fight for Meaning in Martim Moniz. (2020)
  30. Climate Adapt: Towards a more resilient Lisbon Urban Green Infrastructure as an adaptation to climate change (LIFE LUNGS). (2020)
  31. European Commission: 2020-Lisbon. (2020)
  32. Euronews: Lisbon kicks-off year as European Green Capital 2020. (2020)
  33. Câmara Municipal de Lisboa: Praça de Espanha, Zona verde e de lazer. (2020)
  34. Urban Sustainability Exchange: Shiraz - The Green City. (2018)

Pode aceder aos links para estas fontes, quando disponíveis, na página 148 do estudo Urban Future with a Purpose.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

Se quiser ajudar a melhorar o site Deloitte.com, por favor preencha um formulário Inquérito de 3 minutos