Skip to main content

Cidade dos 15 minutos

As cidades tendem a ser concebidas de modo a que as comodidades e a maioria dos serviços estejam a uma distância de 15 minutos a pé ou de bicicleta, criando uma nova abordagem de vizinhança.

O que está em causa é "viver a nível local".

O conceito de cidade dos "15 minutos" - desenvolvido principalmente para reduzir as emissões de carbono através da diminuição da utilização de automóveis e do tempo de deslocação motorizada - é um modelo de planeamento urbano descentralizado, em que cada bairro local contém todas as funções sociais básicas para viver e trabalhar. Muitas pessoas defendem que o conceito de criação de bairros localizados, nos quais os residentes podem obter tudo o que necessitam num espaço de 15 minutos a pé, de bicicleta ou de transportes públicos, acabará por melhorar a qualidade de vida. Estes espaços implicam bairros polivalentes em vez de zonas específicas para trabalhar, viver e divertir-se, reduzindo a necessidade de deslocações desnecessárias, reforçando o sentido de comunidade e melhorando a sustentabilidade e a habitabilidade.

Atualmente, a maioria das cidades tem bairros "operacionais", com áreas separadas utilizadas predominantemente para negócios ou entretenimento; e o planeamento urbano fragmentado resulta numa expansão, com as pessoas a terem de percorrer longas distâncias através da cidade para chegarem ao seu destino. Em contraste, as cidades compactas do futuro, ou "hiperlocalização", dão prioridade a estratégias de infra-estruturas urbanas que visam trazer todos os elementos para viver e trabalhar para as comunidades locais.

A cidade de "15 minutos" é uma iteração da ideia de "unidades de vizinhança" desenvolvida pelo urbanista americano Clarence Perry durante a década de 1920. A teoria do "novo urbanismo", um conceito de planeamento urbano e design que promove as cidades com mobilidade pedonal, ganhou posteriormente popularidade nos EUA na década de 1980. Versões semelhantes de "células urbanas" ou bairros de 30 e 20 minutos também surgiram por todo o mundo na última década.

O modelo de re-zoneamento ganhará mais força no futuro, impulsionado durante a pandemia da COVID-19 por novas formas de trabalho que exigem menos transportes. Sendo as alterações climáticas uma das principais preocupações mundiais, a C40, na sua Agenda dos Autarcas da C40 para uma Recuperação Verde e Justa 1 , recomendou este modelo para as cidades de todo o mundo, argumentando que a sua abordagem pedonal contribui para a redução das emissões de gases com efeito de estufa e apoia a sustentabilidade ambiental. Mais concretamente, a "cidade dos 15 minutos" foi popularizada em 2019, por Paris, e é uma iniciativa emblemática do atual programa para a cidade.

O objetivo é disponibilizar serviços essenciais, diferentes tipos de habitação e mais espaços verdes a uma distância de 15 minutos a pé ou de bicicleta. Algumas cidades, como Paris e Nova Iorque, que estão relativamente mais maduras no que respeita a este conceito, lançaram orçamentos participativos para promover o envolvimento local como parte da sua estratégia de transformação da cidade. As cidades que se centram no novo urbanismo e em conceitos flexíveis, como Bogotá, Seattle e Milão, estão a dar prioridade ao investimento em infra-estruturas para peões e ciclistas. Embora esta abordagem possa não ser inteiramente aplicável a todas as cidades - por exemplo, é provavelmente mais adequada para uma grande metrópole do que para cidades mais pequenas - o trabalho à distância e a digitalização dos serviços aumentaram o ímpeto para aplicar o princípio do planeamento de bairro, independentemente da dimensão da cidade.

"Gostaria de viver numa cidade autossustentável. Como urbanista, concentro-me na importância do planeamento dos bairros e a cidade de 15 minutos oferece-nos essa autossustentabilidade."

-Maimunah Mohd Sharif, Directora Executiva da UN-Habitat

Melhoria da proteção do ambiente e da sustentabilidade: A estratégia da cidade de "15 minutos" centrou-se no desenvolvimento orientado para o trânsito, que promove um desenvolvimento mais denso e de utilização mista em torno dos serviços de transportes públicos e da pedonização, acelerando uma mudança em grande escala da dependência dos veículos motorizados privados. O aumento da partilha de viagens e a utilização de modos de deslocação não motorizados ajudam a reduzir as emissões de carbono dos automóveis.

Maior conveniência e sentido de comunidade: Um artigo publicado no Financial Times refere como as cidades dos "15 minutos" reduzem as deslocações desnecessárias e promovem o envolvimento da comunidade local. Também proporcionam espaços públicos abertos ao ar livre (como as "Streateries" em Georgetown), reduzem o congestionamento do tráfego e melhoram a habitabilidade dos bairros. A satisfação das necessidades essenciais é mais rápida, tornando a vida nas cidades mais conveniente e menos stressante.2

Abrir caminho para a habitação a preços acessíveis: O desenvolvimento imobiliário no passado levou frequentemente à deslocação dos antigos residentes e à gentrificação da zona. No entanto, com os bairros polivalentes e a proximidade entre a casa e o local de trabalho, haverá um ajustamento dos preços da habitação, tornando as zonas mais acessíveis para viver.

Melhoria da resiliência através de bairros polivalentes: a criação de espaços comerciais para incentivar as compras locais e a igualdade nas estruturas de habitação e nas oportunidades profissionais, juntamente com uma forte aceitação comunitária de diferentes culturas, atuam como pilares para uma vida resiliente.

À medida que as cidades trabalham para recuperar da pandemia da COVID-19, o conceito de cidade dos "15 minutos" pode ser um princípio organizador do desenvolvimento urbano. Oferece um modelo socialmente concentrado, mas altamente funcional, para um novo estilo de vida urbano inclusivo que pode ser aceite em grande escala, especialmente porque os confinamentos associados à pandemia forçaram as pessoas a reorientar os seus estilos de vida para "escolherem o local" e redescobrir o seu bairro.

Nem todas as cidades estão prontas para adotar um conceito de cidade flexível. No entanto, todas devem ter em consideração certos princípios destacados na Agenda dos Autarcas da C40 para estabelecer uma cidade flexível forte.

Os princípiosfundamentais3 de um conceito de cidade flexível (como um bairro de 15 minutos) incluem

  • Assegure o acesso fácil a serviços básicos, incluindo mercearias, alimentos frescos e cuidados de saúde em todos os bairros.
  • Construa um bairro multicultural que inclua diferentes tipos de habitação e níveis de acessibilidade, com a conveniência para todos de viver perto do local de trabalho.
  • Dispor de espaços verdes abundantes para garantir o acesso de todos ao ambiente natural e ao ar puro e fresco.
  • Criar escritórios de menor dimensão e espaços de venda a retalho, de hotelaria e de co-working, para que mais pessoas possam trabalhar mais perto de casa ou num ambiente virtual.
  • Crie corredores para peões e ciclistas para facilitar o transporte "suave" e reduzir a conveniência de viajar de carro (estradas de sentido único em Barcelona e a eliminação de lugares de estacionamento em Amesterdão são apenas dois exemplos).

Correlacione os objetivos de sustentabilidade com as iniciativas de planeamento urbano: desenvolva uma infraestrutura de mobilidade em cada bairro que vise emissões de carbono baixas/zero através de modos de deslocação ativos, como andar a pé e de bicicleta.

Assegure o apoio da comunidade: Nalgumas cidades, uma abordagem de "cidade compacta" exigirá mudanças profundas e custos elevados, o que necessitará de um apoio e envolvimento substanciais da comunidade. Embora seja normalmente vista como uma abordagem do topo para a base do planeamento urbano, a conceção de uma cidade de 15 minutos depende, para o seu sucesso, da aprovação dos cidadãos, que têm de ser sensibilizados para os benefícios e abraçar a mudança. Na Universidade de Georgetown, referem a necessidade de uma nova estrutura de governança a que chamam "Place Management Organization".

Descentralize os serviços essenciais: Construa comunidades mais pequenas com soluções à sua escala, em especial para serviços que, de outro modo, gerariam um elevado volume de tráfego, como os cuidados de saúde, a educação e o comércio a retalho de produtos alimentares. Por exemplo, em 2019, como parte do seu Green New Deal, Los Angeles anunciou a sua intenção de construir uma infraestrutura comunitária descentralizada, em que todos os residentes com baixos rendimentos vivam a menos de 800 metros de alimentos frescos. Durante os confinamentos provocados pela COVID, muitas cidades experimentaram a descentralização dos serviços de base comunitária. Em Lagos, na Nigéria, as escolas fechadas foram convertidas em mercados mais pequenos, para que os residentes tivessem acesso a alimentos e medicamentos perto das suas casas. Estas medidas de descentralização ajudam a reduzir as deslocações de longa distância e a evitar grandes aglomerações de pessoas nos mercados centrais.4

Lance programas para promover a habitação a preços acessíveis em todos os bairros: As cidades podem conseguir isto ao estabelecerem requisitos obrigatórios de habitação a preços acessíveis para qualquer novo desenvolvimento ou implementando conceitos como o zonamento de inclusão (em vez do zonamento segregado). Além disso, podem ser concedidos incentivos ou bónus de densidade aos urbanistas e constructores, para encorajar a criação de comunidades acessíveis e inclusivas. Joanesburgo, em 2020, surgiu como um exemplo de aplicação do conceito de habitação inclusiva, com um quadro para aumentar a habitação a preços acessíveis e resolver a falta de mistura social em termos de raça e rendimento em toda a cidade.5

Permitir uma utilização flexível dos espaços urbanos e das propriedades nos bairros: As cidades podem promover uma utilização diversificada dos edifícios e dos espaços públicos para tirar o máximo partido das infra-estruturas e aumentar o envolvimento da comunidade.6

Paris, França

A Presidente da Câmara de Paris, Anne Hidalgo, tem como objetivo descarbonizar a economia da cidade e tornar Paris um lugar mais saudável para os seus cidadãos através do seu programa La Ville Du Quart d'Heure ('a cidade do quarto de hora'). A ideia de uma cidade sem carbono foi um dos fatores que inspirou o lançamento do programa da cidade flexível em Paris. As iniciativas centram-se na redução das emissões de carbono e dão prioridade a peões e ciclistas. O objetivo final é construir comunidades onde todas as necessidades essenciais dos parisienses sejam satisfeitas a menos de 15 minutos das suas casas, a pé, de bicicleta ou de transportes públicos.

A Câmara Municipal comprometeu-se a melhorar a qualidade de vida de todos os seus cidadãos. As áreas prioritárias incluem o acesso fácil a locais de trabalho, lojas, escolas, clínicas e atividades culturais. Esta transformação ecológica baseia-se em quatro pilares: proximidade, diversidade, densidade e ubiquidade - com o objetivo de cumprir as funções sociais básicas de viver, trabalhar, abastecer-se, cuidar, aprender e desfrutar.

A cidade adotou uma abordagem de "hiperproximidade" e de "localidades polivalentes": procura reduzir drasticamente o número de faixas de rodagem para libertar espaço rodoviário para peões e bicicletas e utilizar espaços públicos para fins como escolas diurnas que servem de instalações desportivas e locais para atividades de lazer noturnas. Os planos incluem também a criação de "ruas para crianças" perto das escolas. Outras iniciativas (centradas no comércio local e no envolvimento da comunidade local) melhoram a oferta cultural da cidade através da criação de espaços para espetáculos nas praças, atualmente dominadas por automóveis, e da construção de cabines em toda a região com funcionários locais que oferecem serviços de coesão comunitária.

Como parte do planeamento dos transportes, o Presidente da Câmara anunciou um financiamento de 350 milhões de euros para a pedonalização, que se centrará na criação de uma ciclovia em todas as ruas da região até 2024 e na eliminação de 60.000 lugares de estacionamento para carros particulares.

A execução bem-sucedida deste trabalho de transformação é evidente num novo jardim público que substitui um parque de estacionamento no quartel de Minimes. No âmbito da mesma iniciativa, os edifícios circundantes foram transformados em 70 apartamentos de habitação social, com um custo de 12,3 milhões de euros. Estes complexos habitacionais incluem espaços comerciais, tais como escritórios, centros de dia, uma clínica e um café com colaboradores no espectro do autismo. A Place de la Bastille também foi transformada no âmbito do plano de 30 milhões de euros da cidade para aumentar a cobertura verde, as zonas pedonais e asciclovias7, 8, 9, 10, 11.

Portland, EUA

No caso de Portland, o foco é colocado no desenvolvimento de estratégias a longo prazo relacionadas com a utilização dos solos num ambiente urbano, visando a habitação a preços acessíveis, os transportes públicos, a desigualdade de rendimentos, a facilidade de deslocação na cidade, o envolvimento e a inclusão social/comunitária.

Em 2009, apenas seis por cento da população de Portland vivia em zonas com uma presença substancial dos três factores de vizinhança de 20 minutos - densidade, distância, destinos.12 Foi desenvolvidoum plano detalhado para expandir as vizinhanças de 20 minutos como parte da sua Estratégia de Ação Climática. O plano incluía o objetivo de, até 2030, 90 por cento dos residentes da cidade poderem deslocar-se a pé ou de bicicleta para satisfazer todas as suas necessidades básicas diárias, fora do trabalho.13

Atualmente, a cidade está a trabalhar em iniciativas como um projeto-piloto de licenças de autorização de estacionamento14 e opções de preços para uma mobilidade equitativa.15

Foi comunicado que o centro da cidade e a maior parte de Central Eastside já possuem um ou mais dos factores de vizinhança de 20 minutos. A cidade planeia continuar a dar prioridade às melhorias para os peões através da construção de passeios e caminhos, para além de eliminar, a médio e longo prazo, as barreiras às deslocações a pé, tais como declives acentuados, auto-estradas e ligações de ruas difíceis.

A cidade está também a trabalhar no sentido de inverter as práticas de zoneamento de exclusão do passado, construindo mais tipos de casas na mesma localidade e através de um melhor planeamento espacial. Num artigo de 2020, o Presidente da Câmara, Ted Wheeler, declarou "Não vou fingir que as alterações ao código de ordenamento que estamos prestes a adotar retificam todos os danos do passado. Não o fazem". O mesmo artigo também comentou: "Ele disse acreditar que permitindo a entrada de mais tipos de habitação e misturas de rendimentos nos bairros representa um passo crítico em frente."16, 17

Estocolmo, Suécia

Enquanto as cidades de todo o mundo estão a considerar a transformação urbana com base em conceitos de planeamento ao nível do bairro, como as cidades de 15/20 minutos, a Suécia está a procurar uma variação hiperlocal, uma "cidade de um minuto", à escala nacional.18

Em 2020, o organismo nacional de inovação sueco Vinnova e o grupo de reflexão sobre design ArkDes lançaram um plano-piloto. A abordagem centra-se no "espaço fora da sua porta da frente - e o dos seus vizinhos adjacentes e opostos". O projeto "Street Moves" implementa mudanças ao nível de uma única rua, que estão a ser testadas em quatro locais em Estocolmo.

Como resultado desta transformação, os residentes poderão decidir como o espaço da rua é utilizado e atribuído, através de workshops e consultas comunitárias.

O conceito incentiva cada local a ativar blocos individuais utilizando espaços partilhados. Os modelos utilizados na estratégia de transformação inspiram-se nos modelos "parklet" e contribuem para o compromisso da Suécia de se tornar uma cidade neutra em termos de carbono até 2045.

O objetivo não é disponibilizar tudo no espaço de um minuto, mas sim reimaginar os troços de rua imediatamente à porta de casa como "espaços de ligação essenciais para as comunidades" e não apenas "locais para circular e guardar carros." Se for bem-sucedido, a Suécia planeia implementar o programa em todas as ruas do país até 2030.

"As empresas estão a planear ter escritórios satélites locais perto de onde as pessoas vivem, o que reduzirá as deslocações pendulares. É bem possível que acabe por haver muita propriedade subutilizada nas cidades que possa ser convertida em habitação a preços mais acessíveis e, nessas áreas suburbanas, incentivará o desenvolvimento dos activos da cidade: aldeias, uma espécie de micro-cidades. As cidades podem ser uma rede de comunidades mais resilientes e habitáveis. Esta é uma tendência inevitável".

- Kent Larson, Diretor of CityScience Group no MIT MediaLab

Entrevistas em vídeo

Notas finais
  1. C40 Knowledge: Cities, Coronavirus (COVID-19) and a Green Recover; The Case for a Green and Just Recovery. (2020)
  2. Financial Times: Welcome to the 15-minute city. (2020)
  3. C40 Knowledge: How to build back better with a 15 min city. (2020)
  4. Ibid.
  5. Edith Hofer, Stefan Netsch, Katharina Gugerell, Walter Musakwa and Trynos Gumbo: The Inclusive City of Johannesburg and the Challenge of Affordable Housing. (2020)
  6. C40 Knowledge: How to build back better with a 15 min city. (2020)
  7. Bloomberg Businessweek. The 15-Minute City—No Cars Required—Is Urban Planning’s New Utopia. (2020)
  8. Smartcitylab: Governance finance Paris-15-minute-city. (2020)
  9. Bloomberg CityLab: Paris Mayor: It's Time for a '15-Minute City'. (2020)
  10. The Guardian: Paris mayor unveils 15-minute city plan in re-election campaign. (2020)
  11. Financial Times: Welcome to the 15-minute city. (2020)
  12. Bureau of Planning and Sustainability, City of Portland: Status Report: Twenty-minute Neighborhoods. (2009)
  13. Ibid.
  14. City of Portland, Oregon: Apply for a shared-use parking permit (pilot). (2021)
  15. City of Portland, Oregon: Joint Bicycle-Pedestrian Advisory Committee Meeting. (2021)
  16. Portland Business Journal: Portland OKs largest overhaul to zoning code since 1990s. (2020)
  17. Sightline Institute: Portland just passed the best low-density zoning reform in US history. (2020)
  18. Bloomberg CityLab: Make way for the ‘One-Minute City’. (2021)
  19. Environment, Land, Water and Planning; State Government of Victoria: 20-minute neighbourhoods. (2019)
  20. Environment, Land, Water and Planning; State Government of Victoria: 20-minute neighbourhoods, Creating a more liveable Melbourne. (2019)

Pode aceder às ligações para estas fontes, quando disponíveis, na página 148 do estudo Urban Future with a Purpose.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

If you would like to help improve Deloitte.com further, please complete a 3-minute survey

RECOMENDAÇÕES