Salte para o conteúdo principal

Atravessar o abismo para a convergência

Conseguir um modelo de negócio mais sólido e orientado para a petroquímica

A convergência das indústrias petroquímica e de refinação pode ser uma opção estratégica de sucesso para as refinarias que se debatem com a globalização, a volatilidade dos preços e a incerteza da procura. Mas não é fácil: para serem bem sucedidas, as empresas de refinação pura têm de enfrentar os desafios da criação de um modelo de negócio mais sólido e orientado para a petroquímica.

Novos factores de convergência a jusante

O aumento das vendas de veículos eléctricos, o reforço das normas de eficiência dos combustíveis para os veículos de passageiros e a introdução de normas de eficiência dos combustíveis para os veículos comerciais em muitas economias já estavam a atenuar a procura de produtos refinados. Mais recentemente, as refinarias de produtos puros foram afectadas quando a crise da COVID-19 levou o sector dos transportes a uma quase paralisação. As empresas que investiram em plásticos e resinas descobriram que estes negócios constituíam uma proteção eficaz contra o colapso da procura de combustíveis para transportes. No entanto, a passagem para a petroquímica exige mudanças complexas para as refinarias. Em primeiro lugar, existe uma diferença fundamental entre as actividades de refinação e as actividades petroquímicas: as refinarias vendem para os mercados, mas as empresas petroquímicas vendem para os clientes. Em segundo lugar, a atividade petroquímica inclui frequentemente uma carteira de produtos grande e complexa, em comparação com a refinação.

Antecipar e satisfazer as necessidades dos consumidores é fundamental

Para serem competitivas no negócio petroquímico, as empresas de refinação pura têm de considerar formas de se diferenciarem, tais como, a criação de uma centricidade no cliente, o aperfeiçoamento das estratégias business-to-business (B2B) e business-to-customer (B2C), a desmercadorização dos seus produtos para apelar à evolução das preferências dos clientes e o reconhecimento do crescente ênfase na sustentabilidade. Uma das tendências de consumo mais aceleradas pelos acontecimentos de 2020 tem sido o foco na sustentabilidade e algumas empresas químicas têm sido rápidas a responder. As embalagens recicláveis e os produtos circulares têm sido uma área crescente de atenção do consumidor, com a preocupação de reduzir os resíduos de aterro e conter os resíduos de plástico encontrados nos oceanos. O B2C está a tornar-se um ponto competitivo fundamental, uma vez que os consumidores exigem formas mais convenientes e "sem contacto" de interagir com os fornecedores.

Tecnologias digitais e de captura de carbono que ajudam a moldar o futuro

Já existem muitas capacidades digitais novas, que podem ajudar a criar relações mais íntimas com os clientes e os mercados finais. Estas incluem a utilização de análises avançadas para obter conhecimentos profundos; colaborações com institutos académicos, startups emergentes e empresas tecnológicas; e a criação de modelos de deteção da procura em tempo real com base em IA para aproveitar as previsões do mercado. Além disso, está a ser dada uma atenção crescente ao aproveitamento das emissões de CO2 para criar modelos de negócio totalmente novos, fabricando produtos químicos à base de CO2 através de tecnologias de captura e utilização de carbono (CCU). Estas, juntamente com a tecnologia de captura e sequestro de carbono (CCS), serão cada vez mais utilizadas para reduzir a pegada de carbono das instalações que utilizam matérias-primas à base de combustíveis fósseis.

Para se destacar, são necessárias três áreas-chave de foco

As empresas que vencerem no futuro da indústria petroquímica, tanto os novos operadores como os participantes no mercado já estabelecidos, terão de se concentrar em três áreas para se diferenciarem: planear a procura volátil do mercado final, antecipar as preferências dos consumidores por produtos sustentáveis e de entrega contínua e capitalizar a inovação. A preferência dos consumidores e a inovação tecnológica serão impulsionadas pela necessidade de reconhecer a sustentabilidade na carteira de produtos, incluindo as energias renováveis, os combustíveis renováveis e a captura, sequestro e armazenamento de carbono. A comercialização de novas tecnologias, desde o petróleo bruto aos produtos químicos e à captura de carbono, pode também proporcionar uma vantagem competitiva fundamental às empresas que as souberem aproveitar. No entanto, a menor dimensão do mercado petroquímico em comparação com o atual mercado de produtos refinados irá provavelmente torná-lo ainda mais competitivo, pelo que a capacidade de diferenciar produtos e construir relações com os clientes pode separar os vencedores dos vencidos.

Insights sobre o futuro da energia

Tendo em conta o panorama em mudança do sector do petróleo, gás e produtos químicos, é imperativo que as empresas desenvolvam estratégias inovadoras e alavanquem tecnologias que conduzam a um futuro sustentável. Para ajudar as empresas na transição para um novo futuro energético, desenvolvemos uma coleção de insights que se centram em áreas-chave do sector do petróleo, gás e produtos químicos.

Explore a coleção

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

Se quiser ajudar a melhorar o site Deloitte.com, por favor preencha um formulário Inquérito de 3 minutos