Skip to main content

Ecossistemas de inovação digital

As cidades tendem a atrair talentos, a permitir a criatividade e a incentivar o pensamento disruptivo, desenvolvendo-se através de uma abordagem de modelo de inovação e de uma combinação de elementos físicos e digitais.

Tradicionalmente, as empresas e os parques industriais estavam concentrados nos subúrbios da cidade, mas as empresas em fase de arranque e os nómadas digitais estão agora a trazer a inovação e as ideias para os centros. À medida que o número de habitantes aumenta nas zonas urbanas, as cidades competem por investimento, trabalhadores qualificados (talento) e proeminência cultural, o que está a transformar as regiões urbanas em centros de inovação, tirando partido dos dados. Estudos sobre o investimento em capital de risco (VC) nos Estados Unidos ilustram esta tendência: a inovação desloca-se dos subúrbios para o centro das cidades,1  o que o Banco Mundial define como "o conjunto de intervenientes, ativos e respetivas interações em ambientes urbanos que resultam em inovação e empreendedorismo de base tecnológica (em particular TIC)".2

Poderá encontrar algumas cidades com um departamento de inovação ou tecnologia e indivíduos a trabalhar num silo, tentando inovar a partir daí. Não é a isso que nos referimos. As cidades adotarão uma abordagem multidimensional de inovação, o chamado quadro da hélice quíntupla da inovação (de interações entre a universidade, a indústria, o governo, o público e o ambiente).3 E, por sua vez, os governos municipais atuarão como plataformas que permitem as ligações, as políticas, os locais e as infraestruturas certas para fazer florescer o ecossistema, resolvendo os desafios mais proeminentes da cidade, trazendo mudanças para a cidade, para as indústrias e para o mundo.

As cidades serão laboratórios vivos para a transformação digital e centros de experimentação, utilizando dados para desenvolver projetos-piloto que podem ser escalados. Por exemplo, Barcelona foi descrita como: "um grande laboratório para o seu talento criativo, as suas comunidades residentes e os seus centros de conhecimento".4 Ao colocar a atração de talentos no centro da sua estratégia, uma cidade desenvolve-se visando ser o anfitrião mais atrativo (de pessoas, empresas e centros de investigação), de modo a facilitar o desenvolvimento do ecossistema. A Câmara Municipal tem de desenvolver as competências adequadas, a recolha e a utilização de dados, e modernizar o seu modelo de governação para promover a colaboração e incentivar a inovação aberta. O aumento do nível de adoção de inovações digitais em sectores económicos altamente prioritários gera um impacto positivo na competitividade local, abrindo novas fontes de emprego e crescimento económico, decorrentes da criação de novas empresas e tipos de emprego.5  Na cidade de Nova Iorque, o sector tecnológico cresceu a um ritmo mais rápido do que outros sectores, tornando-se uma nova fonte de emprego direto e indireto. Do mesmo modo, Banguecoque tem acrescentado mais de 3.000 empregos diretos por ano à sua indústria de TIC.6

O trabalho remoto aumentou a lista de cidades que podem adotar esta posição estratégica. Segundo a teoria da "ascensão do resto" apresentada por Richard Florida em 2019,7 a mudança da atração de empresas para a atração de talentos permite às cidades mais pequenas prosperar num mundo pós-pandémico, utilizando os dados como fonte de competitividade no ambiente de inovação digital. É também um momento para pequenos hubs remotos.

"Os dados, por si só, não fazem nada, mas se as cidades conseguirem criar ambientes em que as pessoas queiram viver e trabalhar, e se tiverem uma infraestrutura de dados que possa ser utilizada pelos empresários de melhor forma do que as cidades concorrentes, provavelmente sairão vencedoras".

— Kent Larson, Diretor da CityScience no MIT Media Lab

No fim de contas, este modelo só florescerá se for acompanhado de uma abordagem de co-criação. As cidades beneficiarão muito: não só economicamente - mantendo e gerando crescimento - mas também capacitando os indivíduos para se tornarem capazes de solucionar problemas, prontos a encontrar as melhores soluções para os desafios comuns e a impulsionar a mudança no sector público.

O aumento global das receitas e das oportunidades de emprego - crescimento económico local e competitividade: A correlação positiva entre o crescimento do sector das TIC e a criação de emprego foi observada nas cidades. Por exemplo, Medellin gera mais de 82 milhões de euros por ano com o Business Process Outsourcing (BPO) e tem atraído várias multinacionais para estabelecerem centros de BPO na cidade.8 O Porto é outro exemplo de valor económico criado através de uma abordagem de ecosistema inovadora.

Custos de inovação mais baixos e níveis de sucesso mais elevados: As novas tecnologias reduziram o custo da inovação. Com uma cidade a fornecer uma plataforma para a inovação, todos podem beneficiar da proximidade e da interação intensa, tornando mais fácil e mais barata a criação de valor. Por exemplo, tecnologias como o 5G, a cloud e as redes sociais tornaram mais fácil inovar, com menos recursos.

Valor para a comunidade e melhores serviços através da inovação: Os cérebros criativos combinados com os avanços tecnológicos são a receita para a inovação. O facto de a cidade albergar tudo isto resulta em melhores serviços públicos digitais e num melhor local para viver. Além disso, a co-criação pode reduzir os custos da prestação de serviços, nalguns casos até 60%.9 Por exemplo, o "the Studio" em Dublin envolveu funcionários e outros stakeholders interessados na inovação de métodos para melhorar a eficiência do trabalho.10 Num dos casos, um funcionário público que liderava uma equipa de trabalhadores que mantinham as sarjetas e os esgotos limpos desenvolveu um novo design para os esgotos da cidade: este novo design exigia menos tempo para limpar e, por isso, permitia que os trabalhadores melhorassem a sua eficiência. A cidade patenteou a inovação. Este exemplo realça os múltiplos níveis de criação de valor - desde a eficiência no trabalho até ao registo de patentes comerciais.

Impacto para além das fronteiras municipais e aceleração da inovação e do progresso nas cidades emergentes: Ao servirem de laboratórios vivos e centros de experimentação, as cidades não só criam valor a nível local, como também o podem expandir rapidamente para um nível regional, nacional ou mesmo global. A sede de fazer as coisas de forma diferente para se manterem a par, como salientou Marcus Elkatsha do MIT Media Lab, permite que as cidades emergentes, especialmente do Sul Global, beneficiem de novas tecnologias e abordagens inovadoras ao desenvolvimento urbano, como, por exemplo, a cadeia de blocos para títulos e registos de propriedade.

Capacidade para atrair talentos, conhecimentos especializados e abrir redes de talentos: Quer atraindo empresas e concentrando-se na facilidade de fazer negócios, quer oferecendo uma melhor qualidade de vida, as cidades podem atrair os melhores talentos e criar o ambiente adequado para prosperar.

Promova processos ágeis e evite uma cultura de aversão ao risco: A agilidade é outro aspeto dos ecossistemas de inovação urbana. Um parâmetro para avaliar o nível de inovação de uma cidade é a sua capacidade de reunir as pessoas para capitalizar novos talentos e tecnologias utilizando pequenas equipas multifuncionais para dar prioridade aos projetos e apresentar rapidamente resultados. A criação de equipas ágeis é um catalisador para o sucesso neste modelo. Por exemplo, a cidade de San José utiliza práticas scrum no seu Gabinete de Inovação Cívica & Digital Strategy para dar prioridade ao trabalho que precisa fazer. A técnica scrum torna mais fácil aumentar a responsabilidade, manter-se alinhado enquanto trabalha de forma autónoma e utilizar a iteração para promover a melhoria contínua.

Acrescente as competências necessárias e ganhe consciência das oportunidades que as novas tecnologias oferecem:Integrar talentos tecnológicos para fazer face às mudanças tecnológicas é uma das principais prioridades das administrações municipais.

Assegure o domínio dos dados e as normas de interoperabilidade: Para extrair o máximo valor do ecossistema, as cidades devem gerir corretamente os dados e criar normas de interoperabilidade, permitindo um intercâmbio de dados fácil e sem descontinuidades entre stakeholders, parceiros e mesmo entre cidades e nações.

Adopte uma nova forma de gestão e liderança: Os pólos de inovação digital exigem um modelo de governação diferente, que implica: considerar o ecossistema como uma comunidade; procurar formas novas e inovadoras de contratação (como processos colaborativos para co-criar serviços urbanos); criar um ambiente aberto em que o sector privado tenha um papel importante; e desenvolver parcerias público-privadas, como coligações dinâmicas para testar eaprender11.

Espoo, Finlândia

Espoo está entre os precursores europeus da inovação e do desenvolvimento sustentável de cidades inteligentes. Sede do principal centro de inovação e tecnologia dos países nórdicos, fortes institutos de investigação, PMEs e de sedes de empresas globais, Espoo é um ecossistema de inovação na Finlândia. Acolhe um centro ativo de start-ups e algumas das mais valiosas empresas finlandesas, bem como a Universidade Aalto e o VTT Technical Research Centre of Finland - dois importantes intervenientes no panorama da inovação.

Espoo alberga também a maior densidade de talentos internacionais e o nível de educação mais elevado de todas as cidades finlandesas, com52%12 dos residentes com mais de 24 anos a possuírem um diploma universitário. Sendo uma cidade verdadeiramente diversificada, acolhe mais de 150 nacionalidades e 680 empresas internacionais. Em 2020, 50 000 dos seus residentes eram falantes de línguasestrangeiras13, e prevê-se que este número aumente para cerca de 30% da população até 2035. Esta é uma das razões pelas quais Espoo se tornou a primeira cidade da Finlândia a utilizar o inglês como uma das suas línguas deserviço14.

Em 2018, Espoo recebeu o prémio de Intelligent Community of the Year15 do Intelligent Community Forum (ICF). "O objetivo não é ser a cidade mais sustentável ou a cidade mais inteligente, o objetivo é ser a comunidade mais sustentável ou mais inteligente", afirmou o Presidente da Câmara.

O desenvolvimento de uma economia digital em Espoo aumentou a capacidade de geração de riqueza da cidade. Este facto, por sua vez, levou à criação de melhores serviços públicos para os residentes da cidade. Em 2020, Espoo recebeu o título de Capital Finlandesa daInovação16 e ficou entre os seis primeiros nos prémios da European Capital of Innovation (iCapital)17 da Comissão Europeia.

Sendo a segunda maior cidade da Finlândia e a que regista o crescimento mais rápido, com cerca de 300.000 habitantes, Espoo também está longe de ser tradicional. Caracterizada pela ausência de um centro único, Espoo tem uma estrutura de cidade em rede com cinco centros urbanos, todos equipados com um ótimo acesso a serviços e à natureza nas proximidades.

Os serviços de Espoo são construídos com base numa mistura de experimentação e co-criação, através de uma abordagem "City-as-a-Service " 18 . A cidade incentiva todas as partes interessadas nos serviços municipais - empresas, instituições de conhecimento, associações e residentes - a darem o seu feedback, a fim de aperfeiçoar os serviços públicos existentes e promover a criação de novos serviços em conjunto. Este esforço foi marcado pelo slogan "Make with Espoo "19 , em que a cidade procura posicionar-se como um local onde o desenvolvimento é impulsionado, em primeiro lugar e acima de tudo, pelo melhor interesse do cliente: os seus residentes.20 Tal como o Presidente da Câmara afirmou, "O nosso primeiro valor é a orientação para o cliente e para o residente. Precisamos de ter uma boa colaboração com os nossos residentes, as nossas empresas, as nossas universidades e os nossos centros de investigação. A colaboração é fundamental para ter este tipo de ecossistema de inovação ou ecossistema de start-ups."

Nova Iorque, EUA

Em julho de 2010, o Presidente da Câmara, Bloomberg, e Katherine Oliver (Comissária do Gabinete do Presidente da Câmara) lançaram a NYC Digital, uma agência que se ocupará do desenvolvimento de uma estratégia digital em toda a cidade. Simultaneamente, o presidente da câmara iniciou esforços para incentivar as empresas tecnológicas a abrir escritórios na cidade, oferecendo isenções fiscais.

A cidade iniciou um programa de acções que incluía: apoiar espaços de co-trabalho e de colaboração alinhados com redes de mentores e incubadoras; estimular os empresários a atraírem capital de risco para as empresas em fase de arranque; convidar institutos de engenharia a apoiarem programas educativos na cidade e a reforçarem as competências através de formação; e organizar concursos para envolver a comunidade (com base nos problemas da cidade). Estas acções foram levadas a cabo em colaboração com cidadãos e empresas do sector privado.

Nova Iorque também envolveu bairros subdesenvolvidos através da formação e da oferta de novas oportunidades de emprego geradas pela rede. Entre os primeiros indivíduos que concluíram este programa, 20 licenciados (cerca de 70% do número total) obtiveram um emprego a tempo inteiro, 15% tornaram-se empresários e os restantes ingressaram em programas de educação formal.

Assim, a cidade conseguiu desenvolver um dos maiores ecossistemas de inovação tecnológica, mesmo com talentos tecnológicos limitados, um desafio que muitas cidades enfrentam.21, 22

Porto, Portugal

Em 2016, a cidade do Porto propôs-se a posicionar-se como uma cidade de inovação e criatividade. Criou o que hoje é conhecido como o Porto Innovation Hub, um agregador de inovação, onde a cidade funciona como um laboratório vivo, reunindo empresas, empreendedores, cidadãos e o Município do Porto para fomentar a resolução de problemas, a melhoria da cidade e a criação de negócios diferenciadores. 23

Colaborando com a Universidade do Porto (que tem sido consistentemente classificada no topo das universidades portuguesas)24, em projetos como o 'Stepping out Innovation'25 , a cidade promoveu a partilha de conhecimentos entre as suas instituições. Outra caraterística do projeto é a "In-House Innovation". Cooperando com os cidadãos e os stakeholders, a cidade procura redesenhar os seus serviços de forma a responder às necessidades dos cidadãos, tornando-se ao mesmo tempo mais económica e acessível. 26

Em 2020, graças ao Porto Innovation Hub, o Porto ganhou o prémio Smart City InnovatorAward27 na Annual Investment Meeting Conference, no Dubai, na categoria Future Cities. Quando questionado sobre quais foram os aspectos mais decisivos para a obtenção desta distinção, Rui Moreira, Presidente da Câmara Municipal do Porto, respondeu que, entre vários factores de sucesso, destacam-se as pessoas do Porto e as suas instituições académicas, as infra-estruturas da cidade e os níveis de segurança invulgarmente elevados que se verificam nas cidades de Portugal. A cidade sentiu que precisava de desenvolver o seu ecossistema antes de este se mudar para outro local.

Embora o Porto seja bem conhecido como um destino turístico, os líderes da cidade têm procurado restabelecer o Porto não só como uma cidade de serviços, mas também como um líder industrial, com o objetivo de parar a fuga de cérebros do talento local e fortalecer a sua economia. Confrontado com empresas que pedem a engenheiros para emigrar, o Presidente da Câmara perguntou: "Se temos o talento, se temos a academia, se temos as pessoas, porque não conseguimos atrair esse tipo de atividade para o Porto? A cidade tem implementado uma estratégia de atração de empresas para investir na cidade, reforçando o seu já bom sistema de saúde, as escolas - tanto privadas como públicas -, a mão de obra qualificada, e convidando essas empresas a virem investir na cidade.

Em 2018, o Porto ganhou o Prémio de Excelência Mundial para a Melhor Cidade da Europa Amiga dasStartups28 por ser um cenário de startups tecnológicas em expansão e um dos poucos municípios da Europa que tinha um programa de startups para incentivar e estimular o empreendedorismo. A Associação Porto Digital, uma parceria entre a cidade do Porto, a Universidade do Porto e o Metro do Porto, também deu os seus frutos. O Porto foi escolhido como cidade mentora no "100 Intelligent Cities Challenge" da Comissão Europeia. 29 Esta decisão resultou do reconhecimento dos esforços de digitalização da cidade e do seu potencial de escalabilidade. A cidade foi também exibida em 2020, conquistando o primeiro lugar no Índice de Pequenas Cidades da Monocle 30 pelas suas ambições ecológicas, o seu ambiente empresarial amigável, a inclusão e a acessibilidade.

Esta tem sido uma estratégia bem sucedida para a segunda maior cidade de Portugal, com resultados no sector empresarial que incluem "uma taxa de criação de emprego duas vezes superior à dos anos anteriores, start-ups e scale-ups locais com uma taxa de crescimento de 26 por cento e empresas estabelecidas com uma taxa de crescimento de 7,7 por cento entre 2016 e 2018". 31

"Os dados, por si só, não fazem nada... mas se as cidades conseguirem criar ambientes em que as pessoas queiram viver e trabalhar, e se tiverem uma infraestrutura de dados que possa ser utilizada pelos empresários de uma forma melhor do que as cidades concorrentes, provavelmente sairão vencedoras".

— Kent Larson, Diretor da CityScience no MIT Media Lab

Podcasts

Notas finais :

  1. World Bank Blogs: Fostering cities as technology innovation ecosystems: a big opportunity for developing countries. (2014)
  2. World Bank: Boosting Tech Innovation Ecosystems in Cities: A Framework for Growth and Sustainability of Urban Tech Innovation Ecosystems. (2015)
  3. Wikipédia: Quadro da hélice quádrupla e quíntupla de inovação. (2021)
  4. Barcelona Digital City: Digital Innovation. (2021)
  5. World Bank: Boosting Tech innovation ecosystems in cities. (2015)
  6. Ibid.
  7. Bloomberg CityLab: Maps reveal where the creative class is growing. (2019)
  8. World Bank: Boosting Tech Innovation Ecosystems in Cities. (2015)
  9. Leading Cities, World Class Cities Partnership: Co-Creating Cities; Defining co-creation as a means of citizen engagement. (2014)
  10. The Studio, Dublin City Council: About. (2013)
  11. BCG: Transforming the Urban Innovation Ecosystem. (2019)
  12. Eurocities: Espoo; Finland.
  13. Hello Espoo: Why should you live, study and work in Espoo?
  14. Hello Espoo: English as a Language of Service in the City of Espoo. (2021)
  15. Smart Cities World: Espoo named most intelligent community. (2018)
  16. City of Espoo: Espoo is once again the Finnish Capital of Innovation – among the top six in the European Capital of Innovation Awards. (2020)
  17. European Innovation Council, European Commission: The European Capital of Innovation Awards. (2020)
  18. 17 Sustainable Development Goals: Espoo - Building a sustainable future. (2021)
  19. Business Espoo: Co-creation, “Make with Espoo”. (2021)
  20. City of Espoo: Innovative Espoo. (2021)
  21. World Bank: New York City; Transforming a city into a tech innovation leader. (2016)
  22. World Bank: Boosting tech innovation ecosystems in cities. (2015)
  23. Porto Innovation Hub. (2021)
  24. Universidade do Porto: U.Porto volta a liderar universidades portuguesas no QS World Ranking. (2020)
  25. Porto Innovation Hub: Stepping Out Visits. (2020)
  26. Porto Innovation Hub: In-House Innovation. (2020)
  27. Departamento Municipal de Comunicação e Promoção, Câmara Municipal do Porto: Ecossistema de inovação do Porto é distinguido com o prémio "Smart City Innovator" no Dubai. (2020)
  28. Departamento Municipal de Comunicação e Promoção, Câmara Municipal do Porto: Porto ganha o prémio World Excellence Award para Best Startup Friendly City of Europe. (2020)
  29. Municipal Department of Communication and Promotion, Porto City Council: The Intelligent Cities Challenge (ICC) journey will have Porto as a mentor city. (2020)
  30. Monocle: Bright lights, small city; The Forecast 2021 Magazine. (2020)
  31. Departamento Municipal de Comunicação e Promoção, Câmara Municipal do Porto: O emprego e a rotatividade económica nas startups do Porto foi maior nos últimos anos e maior na AMP. (2020)

Pode aceder às ligações para estas fontes, quando disponíveis, na página 148 do estudo Urban Future with a Purpose.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

If you would like to help improve Deloitte.com further, please complete a 3-minute survey