Skip to main content

Descarbonizar a cadeia de valor do aço: Forjar novos caminhos em conjunto

Uma perspetiva do sector

A descarbonização tornou-se um imperativo global e uma prioridade para os governos, as empresas e a sociedade no geral. Este relatório analisa a forma como a descarbonização do aço pode ser acelerada através da ativação da cadeia de valor, e como a colaboração desempenha um papel fundamental para que tal aconteça. Para além disso, identifica alguns dos principais obstáculos e propõe potenciais soluções para os ultrapassar, de modo a atingir emissões de carbono net-zero.

Rumo a um mundo com baixas emissões de carbono: O caminho do aço

O aço é atualmente um recurso vital, utilizado em todas as indústrias-chave e no desenvolvimento da economia global. Tem uma das pegadas de emissões de dióxido de carbono (CO2) mais elevadas, sendo responsável por cerca de 10% destas. Devido à longa vida útil dos activos de produção de aço, aos elevados custos da sua substituição e aos exigentes requisitos energéticos de descarbonização, o aço é considerado um dos seis "sectores difíceis de eliminar".

O Acordo de Paris de 2015 sobre as alterações climáticas estabeleceu objectivos para grandes transições nas principais áreas da produção de energia e alimentos, do consumo e do fornecimento de materiais. Muitas empresas em toda a cadeia de valor do aço estão a reduzir as suas emissões scope 1 e 2 através da implementação de tecnologias eficientes do ponto de vista energético, da eletrificação de processos e da utilização de alternativas com zero emissões de carbono. Para que a descarbonização setorial seja alcançada, o maior impacto é obtido quando as empresas se comprometem a reduzir as suas emissões scope 3, que são emissões indirectas associadas à sua cadeia de valor. Isto aplica-se tanto a montante (aquisição de materiais, activos, serviços, etc.) como a jusante (incluindo transportes, eliminação e processamento de resíduos). Para combater as emissões scope 3, as empresas de toda a cadeia de valor do aço dependem mutuamente umas das outras para estabelecer objectivos firmes de redução das emissões.

Um fator crítico de sucesso: Descarbonizar a produção de aço

Na cadeia de valor do aço1 , o fabrico de ferro e aço através de um alto-forno e de um forno básico a oxigénio representa cerca de 95% do total das emissões de gases com efeito de estufa, sendo a restante proporção de emissões proveniente da extração mineira (4%) e da logística (1%). A produção mundial de aço está relativamente concentrada, o que representa uma oportunidade única para os maiores produtores criarem um impacto de grande alcance ao descarbonizarem as suas operações. Como afirmou uma empresa de construção: "85% das emissões totais da nossa empresa são emissões de scope 3, das quais a maior parte provém da produção de aço". Por conseguinte, se os produtores de aço tomarem medidas para descarbonizar, contribuirão para os objectivos climáticos das empresas em toda a cadeia de valor.

Existem quatro vias principais para reduzir a pegada de carbono da produção de aço primário e, se implementadas com êxito, cada uma delas poderia reduzir as emissões em pelo menos 60%. A descarbonização do sector implica a superação de vários desafios - sendo os mais significativos a falta de fornecimento de energia verde a preços acessíveis, políticas ambientais subdesenvolvidas e a necessidade de inovação tecnológica para processar minérios de ferro de qualidade variável. Este documento sugere estratégias e soluções claras para ultrapassar estas barreiras, com um potencial de grande alcance para fazer avançar a transição energética e estimular a economia verde. Com a colaboração de todo o sector, inovação e ambição, estas estratégias reduzirão significativamente as emissões líquidas do aço.

1 Excluindo algumas aplicações de acabamento de aço e de mercado final.

Existe uma enorme apetência em toda a cadeia de valor do aço para descarbonizar. As vias tecnológicas são claras, trata-se agora de sincronizar estratégias e investimentos

-Vincent Oomes, Partner, Monitor Deloitte

Um apelo à ação

Para que a mudança se concretize, uma coisa é certa: nenhuma empresa pode descarbonizar-se sozinha. Para o fazer com sucesso, os principais stakeholders na cadeia de valor da produção mineira e siderúrgica devem trabalhar conjuntamente com os mercados finais, como as indústrias automóvel e da construção. Será necessária uma coligação com parceiros de toda a cadeia de valor, além do apoio das instituições financeiras e dos governos, para desencadear uma ação coletiva, suscitar um diálogo global e local, impulsionar o aumento do investimento público e privado e obter resultados tangíveis.

Principais conclusões

Através de entrevistas com mais de 100 executivos séniores, representando 57 organizações envolvidas nas principais partes da indústria siderúrgica, identificámos os principais obstáculos à descarbonização do aço e soluções práticas para acelerar a transição do setor para net zero. Os destaques da pesquisa incluem:

  • A indústria siderúrgica é considerada de difícil redução, gerando atualmente cerca de 10% das emissões globais e prevendo-se que a procura aumente ainda mais, 10-35% até 2050, em comparação com 2019. O fabrico de ferro e aço é responsável por 95% das emissões de toda a indústria, desde a extração do minério até ao fabrico do aço.
  • O mercado do aço é relativamente concentrado, o que oferece oportunidades de descarbonização. Se as 20 maiores empresas siderúrgicas descarbonizarem as suas fábricas, as emissões totais potenciais do sector poderão ser reduzidas em até 37%.
  • Para reduzir o risco dos investimentos em descarbonização, as empresas siderúrgicas precisariam de garantias, sob a forma de matéria-prima de minério de ferro com baixo teor de carbono, e de encomendas de aço com baixo teor de carbono por parte dos clientes.
  • Este relatório destaca seis obstáculos fundamentais à descarbonização:
    • Falta de eletricidade verde e de hidrogénio verde em abundância e a preços acessíveis
    • Ausência de incentivos políticos e regulamentares para promover normas globais para o aço com baixo teor de carbono e condições de concorrência equitativas
    • Disponibilidade limitada de minério de ferro de alta qualidade adequado para a rota de descarbonização do forno de arco elétrico de ferro reduzido diretamente (DRI-EAF)
    • Escassez de mão de obra qualificada para apoiar a transição para a descarbonização em toda a cadeia de valor
    • Capital limitado disponível para investir em soluções de descarbonização
    • Incerteza quanto a uma procura suficiente e a longo prazo de aço com baixo teor de carbono e prémios ecológicos
  • Para ultrapassar os obstáculos, as matérias-primas e os processos de produção terão de mudar, conduzindo a transformações na cadeia de valor do aço. Isto poderá levar a uma separação geográfica entre a produção de ferro e de aço, com a produção de ferro a deslocar-se para locais com disponibilidade de hidrogénio verde de baixo custo.
  • São necessárias coligações comerciais bem-sucedidas para ajudar a reduzir o risco de investimentos por parte dos mineiros (para gerar o grau certo de minério de ferro), dos produtores de aço (para avançar a produção de aço com baixo teor de carbono), dos mercados finais (para garantir a compra de aço com baixo teor de carbono), dos fornecedores de energia (para garantir um fornecimento crescente de eletricidade verde e hidrogénio) e incentivar os decisores políticos a incluírem requisitos de baixo teor de carbono nos processos de concursos públicos.

Conectados para um novo futuro energético

A energia é o pulso da nossa vida quotidiana e a forma como a criamos e utilizamos está a evoluir rapidamente. Na Deloitte, compreendemos as oportunidades que o Futuro da Energia traz e a importância de ligar os atores do ecossistema, inovadores, reguladores e líderes de pensamento para criar um novo mundo energético que seja sustentável e abundante. Em colaboração com a Shell e trabalhando em estreita colaboração com muitos líderes da indústria do aço, a Deloitte explora a promessa de descarbonizar a indústria. Acreditamos verdadeiramente que, à medida que os intervenientes no ecossistema se ligam e adotam a mentalidade certa, o impacto positivo que causamos pode ser acelerado.

Este relatório foi produzido em colaboração com a Shell

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

If you would like to help improve Deloitte.com further, please complete a 3-minute survey

Navegue no novo mundo da energia | Explore os últimos conteúdos de eminência

Filter by region:
All
  • All