Salte para o conteúdo principal

Crunch time series for CFOs: Untangling capital allocation

Como simplificar o desafio

A alocação de capital pode ser complexa. A mudança de prioridades, as pressões externas, os compromissos e os interesses das partes interessadas não mostram sinais de abrandamento. Um mundo em mudança significa mais complexidade, não menos. O nosso relatório Crunch time analisa em profundidade a forma como os CFO podem compreender, simplificar e melhorar o processo de afetação de capital da sua organização.

Por que razão estamos agora a falar de alocação de capitais?

Os líderes financeiros estão constantemente a ponderar o retorno dos investimentos que fazem ao longo do tempo, recursos e capital humano do negócio nos seus esforços para maximizar a saúde da organização e o valor para os acionistas. Mas e quanto a analisar os próprios investimentos? Desafios de alocação de capital podem ser complexos e difíceis de desvendar. Eis por que estamos a falar sobre isso agora:

Um mundo em mudança: A COVID-19; o risco de ESG; e os acionistas ativistas estão a obrigar muitos executivos a ter em conta os impactos a longo prazo na estratégia.

As políticas são importantes: À medida que as administrações prosseguem e implementam novas políticas de Tax, estas podem ter um enorme impacto sobre a forma - e a rapidez - como as empresas podem utilizar o capital próprio para investimentos de capital.

Mais do que lucros e perdas: Concentrar-se na alocação de capital significa garantir que a organização pode continuar a criar valor à medida que evolui no âmbito do seu estatuto e das expectativas dos acionistas.

Vantagem competitiva: Uma estratégia eficaz pode reduzir a diferença entre o que um portfolio poderia oferecer e o que realmente oferece.

Como construir o quadro geral (peça por peça)

O que precisa de saber sobre alocação de capital:

Conheça as suas partes interessadas

Ao compreender quem são as suas partes interessadas e o que pretendem (e porquê), os CFO's podem atenuar um grande desafio na atribuição de capital: a parcialidade. Falar abertamente com os seus colaboradores sobre o que pretendem e os comportamentos que estão a utilizar para o conseguir pode aumentar a transparência; isto pode ajudá-lo a conseguir que as partes interessadas contribuam para uma melhor tomada de decisões.

Reconhecer e retificar preconceitos

O bias histórico, o foco restrito, o bias de especialistas e outros podem influenciar uma decisão importante de alocação de capital para melhor ou pior, e existem em todo o lado. Ao corrigir estes e outros enviesamentos, pode dar imparcialidade a decisões que, de outra forma, podem parecer subjetivas.

Meça duas vezes. Faça-o novamente

Os CFO's podem ajudar os seus acionistas a compreender melhor as decisões e a diminuir a sua parcialidade aplicando a métricas. Mas estas nem sempre são feita em números. A utilização de múltiplos critérios para tomar uma decisão de alocação de capital (ou simplesmente olhar para ela de diferentes ângulos) pode esclarecer a estratégia global, o risco e os compromissos e a forma como estes se encaixam na carteira de uma organização.

Crie e siga uma lista de controlo

Objetivos, dados, ferramentas, pessoas e um plano: Necessitará de todos estes elementos para uma estratégia de atribuição de capital eficiente e adequada, independentemente da dimensão do projeto que pretende realizar. Comece com pouco e implemente estas mudanças lentamente. A única linha de tempo que tem é a sua.

E mais uma coisa: faça a pergunta em que mais ninguém quer pensar

Como é que podemos estar errados? Nenhuma decisão de planeamento de capital deve ser tomada sem fazer esta pergunta. Cabe-lhe a si, enquanto líder financeiro, analisar cada decisão financeira de forma holística, o que significa examiná-la do ponto de vista do fracasso.

Como uma organização encontrou o seu caminho

O desafio:

Foi pedido a uma agência governamental dos EUA que reduzisse significativamente o seu consumo de energia. Isso implicava alterar as suas despesas de manutenção, um pilar fundamental da sua estratégia de alocação de capital. Normalmente, as decisões sobre são examinadas com base num critério: quanto é que isto vai custar? Mas e se alguém quisesse uma nova frota de camiões híbridos ou de automóveis elétricos, que tendem a custar mais do que os veículos a gasolina, mas que poderiam proporcionar um benefício em termos de custos no futuro?

A solução:

A agência sabia que precisava de uma forma diferente de olhar para estas decisões, que tinham implicações mais vastas do que a necessidade e o custo. Em primeiro lugar, a sua equipa de finanças decidiu adotar uma métrica que pudesse ser aplicada a cada decisão (neste caso, convertendo CO2 em dólares), o que deu a cada proposta um custo real. A agência deu formação aos seus intervenientes para compreenderem este novo processo e introduziu métricas para a criticidade do projeto, o alinhamento interno e o valor futuro, de modo a que os compromissos pudessem ser medidos.

O resultado:

A agência conseguiu captar dezenas de milhões de dólares em poupanças de custos no primeiro ano, e as poupanças de carbono por projeto proposto aumentaram de uma média de 4 dólares por libra de CO2 para 97 dólares por libra.

It's crunch time

Ao abordar a sua estratégia de alocação de capital, medir o que é importante e construir um plano e uma equipa para o futuro, pode criar uma nova vantagem competitiva para a sua organização - uma vantagem que se mantém atenta ao que o futuro lhe pode reservar, ao mesmo tempo que se baseia no sucesso que está mesmo à sua frente.

Descarregue o guia

A Deloitte pode ajudar

Os nossos Finance Labs exploram a "arte do possível" e definem a sua estratégia de Finance Transformation, dando vida a potenciais casos de utilização, prioridades de roadmap e benefícios futuros. Contacte-nos para saber mais.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

Se quiser ajudar a melhorar o site Deloitte.com, por favor preencha um formulário Inquérito de 3 minutos