Salte para o conteúdo principal

Financing the green energy transition

Descubra de que forma o financiamento pode alimentar a inovação e ajudar a impulsionar a transição para a energia verde, poupando simultaneamente ao mundo 50 mil milhões de dólares americanos na sua jornada para a neutralidade carbónica.

Quando falamos da transformação para enfrentar as alterações climáticas, a intenção é clara, os objetivos estão definidos e a tecnologia está a acelerar. A peça em falta na transição para a energia verde é o financiamento.

Melhores soluções financeiras para melhorar o nosso mundo

 

As principais soluções de descarbonização — incluindo o desenvolvimento de energias renováveis em grande escala, a eletrificação das utilizações finais, de natureza circular, a utilização de hidrogénio verde em setores difíceis de descarbonizar e as melhorias da eficiência energética — são, em geral, altamente intensivas em termos de capital e requerem um investimento significativo. No entanto, os níveis de financiamento permanecem abaixo do necessário para ajudar a cumprir os objetivos de neutralidade carbónica até 2050.

Faça download do estudo

 

O financiamento pode alimentar e impulsionar uma transição energética justa, mas é provável que a corrida para alcançar a neutralidade das emissões de gases com efeito estufa até 2050 exija um investimento global anual no setor da energia que varia entre 5 de 7 mil milhões de dólares americanos — embora atualmente sejam investidos menos de 2 mil milhões de dólares americanos por ano.

A análise económica da Deloitte vai além do financiamento para ajudar a fornecer uma perspetiva geral holística, empregando análises e modelos para considerar o cenário tecnológico, o ambiente político e uma visão matricial dos desafios do financiamento, identificando e detalhando o que é necessário para permitir que o capital flua e de que forma o financiamento pode alimentar a inovação e impulsionar uma transição energética justa.

Faça download do resumo alargado

A incapacidade de colmatar o défice de financiamento poderá ter um custo elevado — especialmente para o hemisfério Sul

 

As estruturas de financiamento podem acarretar custos adicionais para os investimentos ecológicos com base nos riscos decorrentes dos obstáculos políticos, de mercado e de transformação para uma geografia e um projeto específicos.

  • Uma vez que as instituições financeiras esperam um maior retorno para compensar o risco, quanto mais arriscado for o projeto, mais elevado será o custo do capital.
  • Os custos de financiamento, decorrentes do custo do capital, podem representar até metade dos investimentos necessários para alimentar a transição.
  • As economias em desenvolvimento que deveriam receber uma parte significativa dos investimentos (70%) enfrentam frequentemente maiores riscos de investimento e os projetos nestas áreas tendem a ser menos financiáveis, ou seja, os seus perfis de risco-retorno provavelmente não cumprem os critérios dos investidores para mobilizar capital suficiente, aumentando os custos.

Existem três áreas principais para reduzir o prémio de financiamento verde:

 

Reduzir os riscos dos projetos verdes

Reduzir os riscos dos projetos verdes através de políticas climáticas, mecanismos de garantia, fiabilidade dos contratos de compra mínima garantida («offtake») e desenvolvimento dos mercados de capitais nacionais.

Colmatar a diferença
de custos entre os produtos de origem fóssil com elevada intensidade de emissão de GEE

 

Colmatar a diferença de custos entre os produtos de origem fóssil com elevada intensidade de emissão de gases com efeito de estufa (GEE) e os seus equivalentes ecológicos através da investigação e desenvolvimento, de regimes de apoio ao investimento inicial, da adição de prémios de exploração aos sistemas de energias renováveis e da penalização dos ativos com elevada intensidade de emissão de GEE.

 

Reduzir a utilização de combustíveis fósseis

Colmatar o fosso entre os custos dos produtos com elevada intensidade de gases com efeito de estufa (GEE) de origem fóssil e os seus equivalentes ecológicos, através da investigação e desenvolvimento, de regimes de apoio ao investimento inicial, da adição de prémios de exploração aos sistemas de energias renováveis e da penalização dos ativos com elevada intensidade de GEE.

 

O desbloqueio dos fluxos financeiros e a redução do custo do capital devem ir além dos investidores e dos financiadores

 

É necessário um ecossistema para ajudar a forjar o caminho para uma transição justa, eficiente em termos de custos e bem-sucedida — os governos e as entidades reguladoras locais e nacionais podem reduzir os riscos que ameaçam a viabilidade bancária dos investimentos ecológicos e sustentáveis, os investidores em condições preferenciais podem maximizar o potencial do financiamento misto para mobilizar capital privado, e as sociedades e os investidores podem lidar com investimentos iniciais hoje, colhendo os benefícios mais tarde.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

Se quiser ajudar a melhorar o site Deloitte.com, por favor preencha um formulário Inquérito de 3 minutos