Skip to main content

From Acceptance to Inclusion

As antigas firmas da Deloitte têm uma longa história de promoção da diversidade e da inclusão em todo o mundo. Atualmente, para a Deloitte, a inclusão cultural continua a ser uma prioridade, apesar de se saber que ainda é um trabalho em curso.

A inclusão racial tem sido apenas uma das prioridades culturais da Deloitte. Em 1995, um grupo de seis funcionários LGBT nos EUA pressionou a liderança da Deloitte LLP, resultando na inclusão de pessoas LGBT no registo anual da Comissão de Oportunidades Iguais de Emprego da Deloitte LLP, bem como na criação do grupo de recursos de funcionários GLOBE. Estes esforços ajudaram a Deloitte LLP a alcançar uma pontuação perfeita no Índice de Igualdade Empresarial da Human Rights Campaign em 2006 - uma classificação que tem mantido desde então. Nos últimos anos, os Conselhos de Inclusão juntaram-se ao esforço para aumentar a representação e reforçar a importância da diversidade em todo o mundo.

Para além disso, a Deloitte colocou uma nova ênfase no maior grupo sub-representado: as mulheres. As mulheres trabalham na Deloitte e nas suas antecessoras há mais de um século. A primeira dactilógrafa juntou-se à Deloitte, Plender, Griffiths & Co. em 1902 e a Haskins & Sells contratou a sua primeira mulher CPA após a Primeira Guerra Mundial. A Touche Ross tornou-se a primeira grande empresa de contabilidade a ter uma sócia mulher, Dorothy Willard, após uma fusão em 1967 e, em 1969, foi a primeira a nomear uma sócia mulher, Mary J. McCann. No entanto, embora tenham sido feitos progressos ao longo dos anos, a paridade de género continua a ser um desafio e uma preocupação significativa.

Para enfrentar este desafio, a Deloitte lançou o ALL IN em 2019, com o objetivo de acelerar a promoção de mulheres a posições de liderança em todo o mundo. Os esforços de género e inclusão de todas as firmas-membro serão avaliados, desde a contratação e integração até à promoção e sucessão, para que a Deloitte do futuro tenha um pipeline constante e crescente de líderes femininas.