Skip to main content

COVID-19 Outlook da Indústria Desportiva dos EUA

Recover: Insights do The US Center for Technology, Media, and Telecommunications

Há três questões estratégicas fundamentais que as organizações desportivas devem ter em conta para recuperar da crise e, ao mesmo tempo, apostar corajosamente num futuro próspero.

Posicionar as indústrias para um futuro mais forte

A crise contínua da COVID-19 está a criar uma enorme incerteza e mudança - e perguntas sem respostas óbvias: Que mudanças persistirão? Qual será o aspeto do novo mundo? Como é que as pessoas e as empresas se vão adaptar? Mesmo que as empresas de tecnologia, media e telecomunicações se concentrem em responder à pandemia global e às suas repercussões imediatas, em breve terão de orientar-se para a recuperação da crise e prepararem-se para prosperar na próxima era. Uma mudança súbita pode aligeirar as velhas fundações, criando oportunidades para um maior progresso. As empresas devem reavaliar o quê e como vendem, como funcionam e como podem forjar relações mais fortes e diretas com os clientes.

Esta série irá enquadrar um debate e explorar o que está a mudar, quais as questões estratégicas a considerar, os seus impactos, as principais acções a tomar e as perguntas a fazer. Existem muitos cenários diferentes e podemos não ter ainda todas as respostas, mas podemos agir com clarividência para nos posicionarmos melhor para um futuro mais forte e mais resiliente

Principais conclusões

Há três oportunidades estratégicas fundamentais que as organizações desportivas devem considerar, para recuperar da crise e, ao mesmo tempo, apostar corajosamente num futuro próspero:

  • Como ajudar os fãs a sentirem-se seguros quando regressam aos eventos ao vivo
  • Como tirar partido das ferramentas digitais para apoiar o envolvimento dos fãs durante todo o ano
  • Como estas ferramentas apoiam uma estratégia holística e assente em dados para a sua empresa

A mudança de cenário no desporto

Quando as ligas desportivas norte-americanas começaram a suspender as suas épocas no início de março de 2020, isso sublinhou a gravidade da COVID-19. O distanciamento social obrigatório afetou radicalmente a indústria de imediato. Os desportos ao vivo foram os mais afetados, com o encerramento dos jogos e o fim das transmissões para milhões de adeptos. As receitas dos jogos ao vivo — meios de comunicação social, patrocínios, venda de bilhetes e vendas no local — desapareceram e os colaboradores estão a sofrer cortes salariais ou a serem despedido.

Não se sabe ao certo quando e como regressarão. Não só jogadores e adeptos poderão hesitar em voltar a reunir-se nas quadras, campos e bancadas a curto prazo, como a paralisação económica poderá também trazer desafios financeiros às equipas e aos fãs. A previsão económica da Deloitte para os EUA prevê uma probabilidade de 50% de recessão e de 30% de crise financeira, dependendo da rapidez com que o vírus for contido. Uma recessão grave irá provavelmente perturbar a cadeia de valor do desporto, desde os adeptos aos investidores.

Como recuperar mais forte do que nunca

Uma recuperação bem pensada pode expandir as oportunidades estratégicas existentes que podem não ter sido prioritárias anteriormente, mas que são agora essenciais para manter a ligação com os adeptos que já não estão reunidos nos calendários das ligas e nos escalões dos torneios. Os franchisings podem tirar partido dos modernos serviços de comunicação social que chegam a mais pessoas e podem inovar em termos de conteúdos e de envolvimento dos adeptos enquanto os desportos em direto estão suspensos. Tudo isto pode ajudar a orientar as organizações desportivas para um futuro próspero e duradouro.

Como prosperar na próxima era

A fase de recuperação representa uma oportunidade para reconstruir a indústria do desporto - não apenas para a reconstruir tal como era, mas também para conceber a próxima fase da indústria que a pode ajudar a prosperar nas próximas décadas.

O desporto pode ajudar-nos a curar

A crise da COVID-19 não tem precedentes. Muitas coisas irão provavelmente mudar e as incertezas aumentam todos os dias. À medida que as organizações desportivas respondem e recuperam, têm uma oportunidade sem precedentes para reavaliar a forma como as coisas têm sido feitas e para construir um novo futuro no qual possam crescer e prosperar. Para tal, os líderes devem ser ousados e estar dispostos a experimentar ideias anteriormente consideradas demasiado difíceis. Esta disrupção oferece uma oportunidade para voltar à atividade e, ao mesmo tempo, mudar a atividade para melhor; para construir organizações com as competências e as mentalidades necessárias para avançar; e para reconstruir carteiras e processos que façam avançar a indústria, permitindo que as empresas desportivas absorvam os fracassos, resistam às mudanças e se adaptem aos próximos cisnes negros.

Quando os recintos desportivos reabrirem e as multidões regressarem, será provavelmente um grande sinal para o mundo de que a crise passou e que podemos voltar a unir-nos. Mas até lá, sob a sombra da COVID-19, será um mundo diferente, um mundo assolado por mudanças contínuas mesmo antes de a pandemia ter confinado os adeptos às suas casas e cancelado torneios inteiros. Esse mundo pode ser melhor enfrentado por empresas que tenham fortes ligações com os seus clientes, capacidades robustas de deteção e modelação e a capacidade de continuar a reinventar a forma como pensam e operam

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

If you would like to help improve Deloitte.com further, please complete a 3-minute survey

Recomendações

Filter by region:
All
  • All