Salte para o conteúdo principal

Fomentar o crescimento

Medir o retorno da inovação farmacêutica 2021

&Desde 2010, temos vindo a acompanhar os retornos do investimento em I&D que as maiores empresas biofarmacêuticas podem esperar obter a partir dos seus pipelines em fase avançada. A análise deste ano mostra uma grande melhoria na taxa interna média de retorno (TIR) da inovação farmacêutica para o nosso grupo combinado. Isto sugere que o ligeiro aumento registado no ano passado foi alimentado para proporcionar um crescimento mais tangível.

O nosso mais recente relatório analisa o estado atual dos retornos de I&D de 15 empresas biofarmacêuticas líderes, o impacto da pandemia nos pipelines de I&D durante 2021 e a forma como isto acelerou a adoção de soluções digitais e teve impacto na TIR. Isto deixou a indústria bem posicionada para aproveitar a dinâmica e as lições do que funcionou bem para otimizar os processos e mudar fundamentalmente o paradigma da investigação e desenvolvimento de medicamentos.

Descarregue o relatório completo >

Principais conclusões

Os retornos projetados da inovação mantêm a tendência ascendente

No ano passado, vimos as "sementes da mudança" a enraizarem-se após seis anos de declínio, embora tenha havido apenas um ligeiro aumento (de 1,5 para 2,7). Esta tendência mantém-se, com a coorte combinada a registar um grande aumento de 2020 para 2021 (de 2,7 para 7,0). A Figura 1 mostra a linha de tendência global para a TIR entre 2013 e 2021 para a coorte combinada, indicando que a TIR média regressou a um valor semelhante ao observado pela última vez em 2014. Se os activos aprovados para situações de emergência relacionadas com a COVID-19 forem excluídos, a TIR projectada é de 3,2%, o que mostra que o sector melhorou a sua produtividade de base

Leia mais.

O custo de colocação de um ativo no mercado diminuiu nos últimos três anos, à medida que aumentam as previsões de picos de vendas

O custo médio do grupo combinado para desenvolver um ativo foi de 2.006 milhões de dólares, uma diminuição de 370 milhões de dólares em relação a 2020 (mas, no entanto, um aumento de 710 milhões de dólares em relação a 2013). Esta diminuição em 2021, em comparação com 2020, deve-se principalmente ao aumento global do número de ativos na fase final do pipeline.

Em 2021, a previsão média do pico de vendas por ativo em preparação para a coorte combinada aumentou de 422 milhões de dólares em 2020 para 521 milhões de dólares em 2021. A variação no intervalo do pico de vendas previsto entre as empresas também aumentou, o que é impulsionado pelas previsões de vendas das vacinas contra a COVID-19.

Leia mais

As fontes de inovação são cada vez mais externas


Continuando a tendência a que temos assistido nos últimos anos, as fontes de inovação para o pipeline de fase final do nosso grupo combinado são cada vez mais externas. Este ano assistiu-se, nomeadamente, a um aumento dos ativos co-desenvolvidos, que passaram de 32% em 2020 para 46% em 2021, o que significa que quase metade dos ativos na fase final da cadeia de produção estão agora a ser desenvolvidos através de colaborações e parcerias científicas.

Leia mais

A duração do ciclo para o grupo combinado melhorou ligeiramente, mas continua acima dos níveis pré-pandémicos

Nos últimos anos, o aumento dos tempos de ciclo tem sido um desafio contínuo para a produtividade da I&D biofarmacêutica, mas a nossa análise de 2021 mostra uma melhoria para 6,9 anos. Durante o nosso período de análise, as interrupções na atividade de rotina de desenvolvimento de medicamentos devido à COVID-19 diminuíram de forma constante. No entanto, apesar da descida, o tempo de ciclo global para a coorte combinada continua a manter-se acima dos níveis de 2019, reforçando a necessidade de otimizar os processos ou de alterar fundamentalmente o paradigma do desenvolvimento de medicamentos.

Leia mais

Manter o momentum de mudança da COVID-19

Enfrentar o impacto da pandemia tem sido um desafio abrangente, único numa geração, para a indústria biofarmacêutica. Embora a indústria tenha estado à altura da ocasião, introduzindo alterações inovadoras no processo de I&D, chegou o momento de manter a dinâmica da mudança para se preparar para o futuro. O sucesso dependerá da capacidade da indústria para aprender as lições da utilização da conceção e implementação de ensaios transformadores, das colaborações entre indústrias e da adoção de soluções digitais, para manter e institucionalizar novas formas de trabalhar para o futuro.

Identificámos uma série de áreas abrangentes nas quais as empresas se devem concentrar para alimentar o crescimento identificado pela nossa análise de 2021 e criar um futuro mais produtivo para a I&D.

Leia mais

Aceda a versões anteriores do relatório:

2020: Sementes de mudança: Descarregue o relatório

2019: Dez anos depois: Descarregue o relatório

2018: Unlocking R&D productivity: Faça download do relatório

2017: Um novo futuro para a I&D: Descarregue o relatório

2016: Equilibre a equação da I&D: Descarregue o relatório

2015: Transforming R&D returns: Faça download do relatório

2014: Turning a corner? Faça download do relatório

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

Se quiser ajudar a melhorar o site Deloitte.com, por favor preencha um formulário Inquérito de 3 minutos