Salte para o conteúdo principal

Banking on climate neutrality: O papel da indústria bancária na transição para uma economia neutra em carbono

Um relatório da International Banking Federation e da Deloitte

Na COP 26, mais de 190 nações concordaram em aumentar a taxa dos cortes de emissões de gases com efeito de estufa. Ao mesmo tempo, as instituições financeiras comprometeram-se a alinhar 130 triliões de dólares de capital privado com os objetivos do Acordo de Paris de 2015 até 2050. O acordo de Paris apela à limitação do aquecimento global a 1,5ºC em relação aos níveis pré-industriais.

Um ano depois, qual é a posição da indústria bancária?
Para descobrir, a Federação Bancária Internacional e a Deloitte entrevistaram executivos e diretores de bancos de todo o mundo. Também entrevistámos representantes de bancos, associações bancárias e uma organização internacional. Os resultados estão refletidos neste relatório.

As questões ambientais, sociais e climáticas estão a ter um impacto material em todos os sectores da economia. Os sectores da economia real estão ocupados a encontrar formas de descarbonizar os seus negócios de acordo com os compromissos net-zero e planos de transição relacionados. Enquanto os governos, agências governamentais e indústrias emissoras de carbono precisam de impulsionar soluções eficazes para as alterações climáticas, os bancos - intermediários financeiros e atores centrais de qualquer economia - desempenham um papel importante no apoio à transição dos seus clientes em diferentes sectores da economia real.

De facto, nas suas estratégias de transição, os bancos devem considerar não só a transição das suas próprias operações, mas, mais importante ainda, as emissões das suas atividades financiadas. As emissões financiadas representam cerca de 75% da pegada de carbono dos bancos e são extremamente difíceis de medir. No entanto, são uma oportunidade para os bancos desempenharem um papel fulcral no alcance do net-zero em toda a economia.

Para cumprir o seu papel de intermediários financeiros que podem apoiar a transição para a neutralidade carbónica, os bancos estão cada vez mais a avaliar oportunidades de negócio, riscos e formas de apoiar e acompanhar os clientes nesta transição. Ao longo do caminho, estão a rever os seus próprios modelos operacionais e comerciais para assegurar que as questões relacionadas com o clima sejam adequadamente abordadas nas suas próprias operações, bem como nas suas atividades de financiamento e envolvimento com os clientes. Os bancos devem prestar muita atenção à forma como o capital é redirecionado e ao risco de ativos potencialmente irrecuperáveis que tenham ou venham a sofrer reduções de valor não antecipadas ou prematuras, desvalorização ou conversão para passivos. As considerações sobre os ativos que não terão valor no futuro (stranded) desempenharão um papel significativo na transição para a neutralidade carbónica das carteiras de empréstimos e investimentos.

O sucesso da transição depende de uma abordagem colaborativa, trans-sectorial e interinstitucional para soluções que possam beneficiar todos.

Principais conclusões
A nossa análise conduziu a sete conclusões-chave sobre os esforços de neutralidade carbónica da indústria bancária:

  1. Existe um acordo importante entre as jurisdições nacionais sobre a necessidade de uma transição justa para a neutralidade carbónica. 2050 é reconhecida pelo "Panel on Climate Change" e outros organismos científicos, como a data até à qual deverá ser atingido o net-zero, a fim de limitar o aumento da temperatura abaixo de 1,5ºC e de se alinhar com o Acordo de Paris. No entanto, os prazos para alcançar os objetivos intermediários e finais variam dependendo do país ou região. A maioria dos bancos conta com diferentes iniciativas internacionais e nacionais para orientar o seu trabalho na direção da neutralidade carbónica. Pode ser um desafio para os bancos atingirem metas de net-zero antes do que as economias em que operam estejam preparadas para o alcançar.
  2. A maioria dos bancos, impulsionados pela sua própria missão, mas também pela procura dos clientes, está a avançar com planos para apoiar objetivos de neutralidade carbónica, pois acreditam que desempenham um papel importante na transição para uma economia de baixo teor de carbono. Os bancos têm de o fazer enquanto gerem os riscos climáticos e ambientais, o risco de desvalorização dos seus ativos e as expetativas dos reguladores. Por esta razão, embora a maioria dos inquiridos em todas as geografias acreditem que devem desempenhar um papel central na transição para a neutralidade carbónica, alguns especificam que os bancos não devem ser considerados motores da transição, mas facilitadores. Isso inclui a concentração nas áreas que mais podem influenciar o alcance de um impacto positivo.
  3. Por muito importantes que sejam, os bancos são apenas um interveniente num ecossistema nacional e regional. Os sectores com elevado teor de carbono devem fazer a sua parte, inovando para reduzir a sua pegada de carbono. Entretanto, para enfrentar as incertezas (principalmente regulatórias) e questões específicas da região, os governos e outras indústrias devem responder com orientações mais claras, métodos harmonizados e coordenação.
  4. Em algumas jurisdições, as políticas de exclusão têm sido o principal instrumento para atenuar o impacto climático dos bancos. Estas já não são suficientes para alcançar os objetivos de neutralidade carbónica. No interesse de transformar em vez de desinvestir, outras ações de mitigação incluem programas de envolvimento de clientes e financiamento sustentável através da inovação de produtos e serviços.
  5. Embora a medição das emissões de GEE seja considerada fundamental para estabelecer metas e alinhar pela neutralidade carbónica, verificamos que a medição das emissões de âmbito 3 ainda é um desafio para a maioria dos bancos e empresas devido a limitações significativas de dados e à falta de metodologias harmonizadas (apesar do aparecimento de iniciativas como a Partnership for Carbon Accounting Financials, ou PCAF).
  6. A atual crise energética terá um impacto inegável na capacidade dos bancos de planearem e implementarem o seu trabalho de neutralidade carbónica, devido aos impactos inevitáveis em todo o ecossistema (tanto governos como clientes). A curto prazo, as escolhas energéticas podem reverter temporariamente para fontes de energia de maior emissão. Mas isto não altera a trajetória geral de sustentabilidade - em geral, os inquiridos dizem que continuam empenhados nos seus compromissos e prioridades anteriores. A médio e longo prazo a crise energética pode ser uma oportunidade estratégica para acelerar a produção de energia mais sustentável e reduzir a dependência de fontes de energia com emissões intensivas. Deste modo, o caminho para a neutralidade carbónica pode não ser linear e os bancos podem ter de adaptar o calendário dos seus objetivos e planos específicos para clientes específicos.
  7. Uma transição justa para a neutralidade carbónica é necessária para manter a coesão social. O nível certo de envolvimento social é fundamental para assegurar que a transição seja apoiada por todos os interessados. Os países em desenvolvimento necessitarão do apoio financeiro e tecnológico dos países desenvolvidos para alcançar uma transição justa.

Neste relatório analisamos cada uma destas conclusões-chave. Esperamos que ache interessante e útil ao considerar a forma como a sua empresa está a procurar abordar estas questões.

Se desejar ser contactado pela nossa equipa, preencha o questionário abaixo.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

Se quiser ajudar a melhorar o site Deloitte.com, por favor preencha um formulário Inquérito de 3 minutos