Salte para o conteúdo principal

As implicações jurídicas da AI generativa

Em colaboração com o Deloitte AI Institute, considerações sobre propriedade intelectual, proteção de dados, contratos para empresas e política de IA generativa.

O atual entusiasmo pela adoção da IA está a ser alimentado, em parte, pelo advento da Generative AI

Embora as definições possam variar, o EU AI Act define a IA generativa como "modelos de base utilizados em sistemas de IA especificamente destinados a gerar, com diferentes níveis de autonomia, conteúdos como texto, imagens, áudio ou vídeo complexos". (Art. 28b (4) Lei AI)

À medida que as empresas exploram como utilizar estas novas ferramentas, existem potenciais preocupações para os stakeholders da empresa, em particular para os profissionais da área jurídica e de compliance.

De forma geral, o papel de um executivo jurídico na análise da utilização da IA generativa consiste em aconselhar as partes interessadas (ou seja, os gestores de empresas, os pares executivos, o conselho de administração e outros) sobre os riscos associados à aplicação da IA generativa nas empresas. Para o efeito, é útil compreender como funciona a IA generativa e as implicações de risco que a tecnologia apresenta.

Aqui analisamos algumas questões jurídicas comuns que surgem no espaço Generative AI. Uma vez que os quadros regulamentares aplicáveis a Generative AI estão a emergir e a evoluir rapidamente, este artigo evita uma discussão exaustiva dos regulamentos existentes ou propostos, exceto nos casos em que um exemplo específico possa proporcionar uma melhor compreensão dos riscos relevantes. E há ainda mais no relatório completo.

Explore as implicações legais