Salte para o conteúdo principal

King Living | Cultura e Compromisso

Uma cultura de desenvolvimento de talentos impulsiona o fabricante de móveis

A lista de funcionários da King Living, na Austrália, é a prova do compromisso da empresa em cultivar talentos promissores, independentemente da sua experiência ou posição. Muitos dos líderes seniores do fabricante de mobiliário para salas de estar vieram dos escalões mais baixos, beneficiando dos investimentos que a empresa tem feito ao longo dos anos em iniciativas de melhoria de competências. A Directora Executiva da King Living, Anna Carrabs, afirma que estes investimentos ajudaram a tornar os funcionários da King Living tão resistentes como as peças que fabrica.

A King Living começou como um negócio caseiro. No final da década de 1970, o fundador e presidente David King e a sua mãe fabricavam assentos de espuma, esticavam o tecido sobre as almofadas e vendiam os modelos a partir de uma banca no Paddy's Market, um marco local em Sydney. Pouco tempo depois, a empresa introduziu os seus sofás patenteados com estrutura de aço e passou as duas décadas seguintes a abrir showrooms nacionais e a expandir a sua produção, incluindo a sua primeira fábrica de metal em Xangai, em 1995.

Embora a empresa tenha recebido elogios, faltava-lhe a estrutura organizacional necessária para crescer como uma marca global no estrangeiro. Carrabs, que já tinha trabalhado como consultor da empresa, aceitou a oferta pessoal de David King para se tornar CEO em 2015. King deu a Carrabs o mandato de mudar a cultura da empresa para a preparar para o sucesso global. Fora da Austrália, a King Living tem showrooms no Canadá, China, Malásia, Nova Zelândia e Singapura. Carrabs afirma que as medidas tomadas para nivelar a estrutura de reporte da empresa e introduzir uma política de porta aberta que encoraja os empregados a envolverem-se ativamente com os executivos consolidaram a reputação da empresa como um lugar para criar e crescer.

"Queremos que as pessoas melhorem as suas competências, queremos incentivá-las e queremos que se destaquem."

"O recrutamento para funções é fácil porque as pessoas são atraídas pela nossa marca", afirma Carrabs. As fileiras da empresa estão repletas de histórias de sucesso resultantes desta abordagem, incluindo Jack Broughton, que começou como empregado de armazém, tornou-se Diretor de IT e foi recentemente premiado pela The CEO Magazine como "CIO do Ano" em 2020.

A cultura da King Living de desenvolvimento incansável de talentos estende-se às suas actividades de expansão internacional. Para os seus showrooms no estrangeiro, a empresa incentivou os funcionários a mudarem-se para trabalharem com as equipas locais - e encontrou muitos voluntários dispostos. "Garante que não só adquirem as competências técnicas, mas também o ADN, porque estão a levar a nossa cultura com eles e a incorporá-la nesses outros países", afirma Carrabs.

A pandemia de COVID-19 alterou algumas das actividades da empresa, como os almoços periódicos com o CEO. As reuniões continuam, embora sejam agora eventos virtuais, organizados pela empresa, em que os funcionários têm a oportunidade de pedir apoio adicional para fazer o seu trabalho, partilhar quando os sistemas não estão a funcionar ou dar outros comentários diretamente a Carrabs.

Uma nova iniciativa com a qual Carrabs está entusiasmado é mais um programa para ajudar a identificar talentos em ascensão. Os líderes seniores podem nomear um líder emergente e defender a sua causa. Se forem votados pelos outros líderes seniores, os candidatos são expostos a competências de gestão e propostos para oportunidades de promoção. "Assim que tiver as pessoas certas, tem de as apoiar e capacitar", afirma Carrabs.