Salte para o conteúdo principal

Women @ Work: A global outlook

Como podem as empresas apoiar as mulheres e criar culturas mais inclusivas e de elevada confiança durante e após a pandemia da COVID-19?

Um questionário global revela que 51% das mulheres estão menos optimistas em relação às suas perspectivas de carreira do que antes da pandemia.

Os inquiridos do nosso estudo são claros quanto ao que é necessário fazer para inverter os efeitos desproporcionados da pandemia nas mulheres trabalhadoras. À medida que as organizações procuram reconstruir os seus locais de trabalho, aquelas que dão prioridade à diversidade, à equidade e à inclusão nas suas políticas e cultura e que disponibilizam um apoio tangível às mulheres nos seus quadros serão mais resistentes a futuras perturbações. Além disso, vão estabelecer as bases necessárias para impulsionar as mulheres e a igualdade de género no local de trabalho.

- Michele Parmelee, Deloitte Global Deputy CEO and Chief People & Purpose Officer

A pandemia de COVID-19 continua a ter um impacto devastador e desproporcionado na vida e na carreira das mulheres

Questionamos 5.000 mulheres no mercado de trabalho em 10 países, para perceber o impacto da pandemia da COVID-19 e o estado da igualdade de género no local de trabalho. As participantes variaram entre grupos etários e os dados do questionário também permitiram uma análise intersectorial de raça e etnia, orientação sexual e identidade de género.

As mulheres indicaram que estão mais stressadas e desanimadas desde o início da pandemia, uma vez que assumem cada vez mais responsabilidades em casa e nas suas carreiras. As mulheres continuam a enfrentar ainda muitos comportamentos não inclusivos sem o apoio adequado das suas chefias directas e das empresas em geral. Muitas empresas têm políticas e procedimentos para denunciar preconceitos e discriminação, mas poucas cultivaram culturas de confiança em que as mulheres se sintam à vontade para expressar as suas preocupações sem receio de impactos negativos na carreira.

A pandemia e as respostas insatisfatórias das empresas às pressões abrangentes sobre as mulheres estão a forçar muitas mulheres a tomar decisões difíceis sobre a possibilidade de encontrarem outro emprego ou mesmo de abandonarem completamente o mercado de trabalho. Este é um momento crítico para as empresas compreenderem as mudanças que as mulheres querem e precisam, que aconteçam rapidamente. Esperamos que este relatório ajude as organizações a minimizar as consequências a longo prazo da pandemia e a reconstruir locais de trabalho com culturas mais inclusivas e de elevada confiança, preparadas para o futuro.

Leia a sinopse da Deloitte Insights

Principais conclusões

O nosso questionário global revela que as mulheres estão mais stressadas e pessimistas em relação às suas carreiras do que antes da pandemia. A pandemia teve um impacto negativo no bem-estar e na relação das mulheres com as empresas para as quais trabalham, mas as culturas de longa data não inclusivas no local de trabalho também continuam a impedir a progressão na carreira das mulheres.

Com a pandemia, as mulheres assumiram mais responsabilidades em casa e no trabalho, sem receberem o apoio adequado das empresas para as quais trabalham. Cerca de 80% das mulheres que participaram no relatório, indicam que a sua carga de trabalho aumentou em consequência da pandemia. Simultaneamente, 66% das mulheres afirmam ter a maioria das responsabilidades nas tarefas domésticas e mais de metade das mulheres com filhos afirmam que são elas que assumem a maior parte das tarefas de guarda das crianças. O aumento das responsabilidades está a afetar claramente a sua saúde física, o seu bem-estar mental e as suas ambições profissionais.

Desde comentários depreciativos sobre o seu género até ao questionamento do seu discernimento, as mulheres continuam a enfrentar um amplo espectro de comportamentos não inclusivos no trabalho. Mulheres de algumas raças e etnias, têm mais probabilidades de serem alvo de comentários sobre o seu estilo de comunicação, enquanto as mulheres LGBT+ têm quase quatro vezes mais probabilidades de serem alvo de piadas de carácter sexual do que as outras mulheres. As mulheres que foram vítimas de comportamentos não inclusivos são ainda mais susceptíveis de considerar a possibilidade de abandonar os seus postos de trabalho e o mercado de trabalho nesta época de grande stress e incerteza.

A maioria das mulheres sente-se desencorajada pelo empenho das empresas para as quais trabalham na igualdade de género. No entanto, cerca de quatro por cento das mulheres indicam que as suas organizações criaram culturas inclusivas, flexíveis e de elevada confiança que apoiam as mulheres. Este grupo de organizações, que considerámos "líderes em igualdade entre homens e mulheres", criou ambientes em que as mulheres se sentem confiantes para denunciar comportamentos não inclusivos, se sentem apoiadas pelas empresas para equilibrar os compromissos profissionais e domésticos, e acreditam que as suas carreiras estão a progredir tão rapidamente quanto gostariam. Os benefícios de uma cultura inclusiva são claros e inspiradores. As mulheres que trabalham em organizações "líderes" registam níveis mais elevados de produtividade, bem-estar mental e satisfação profissional do que as mulheres que trabalham em organizações "menos evoluídas".

As mulheres manifestaram a sua preocupação com as pressões que continuam a enfrentar em casa e no trabalho. As empresas devem agir agora, para cultivar locais de trabalho inclusivos "todos os dias", tendo em mente a igualdade de género. Ao normalizar o trabalho flexível, ao comprometer-se com a representação de géneros a nível superior e ao proporcionar às mulheres oportunidades de desenvolvimento satisfatórias, entre outras acções claras, as organizações têm a oportunidade de reconstruir locais de trabalho preparados para o futuro.

O relatório global revela que 51% das mulheres estão menos optimistas em relação às suas perspectivas de carreira do que antes da pandemia

Faça o download do relatório

Os progressos em matéria de igualdade entre homens e mulheres estão em risco durante a pandemia

O nosso relatório mostra como o bem-estar das mulheres foi gravemente afetado numa série de medidas, desde a saúde mental à satisfação profissional. A pandemia teve um impacto ainda maior nas carreiras das mulheres de grupos sub-representados. Um pequeno grupo de "líderes da igualdade de género" tomou medidas para criar culturas do "dia-a-dia" positivas para as mulheres, mas a maioria das empresas tem um longo caminho a percorrer para promover ambientes inclusivos, onde as mulheres possam prosperar e queiram ficar.

Clique em cada um dos separadores abaixo para ver as comparações entre as "organizações líderes em igualdade de género" e as "organizações menos evoluídas".

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

Se quiser ajudar a melhorar o site Deloitte.com, por favor preencha um formulário Inquérito de 3 minutos