Skip to main content

Working and commuting in the Great Toronto Area

Repensar as deslocações na GTA

O problema das deslocações ineficientes na GTA não tem apenas a ver com infraestruturas - tem também a ver com pessoas. Temos de reconhecer a diversidade que existe na experiência das deslocações se quisermos garantir que a GTA continua a ser um local inovador, vibrante e gratificante para viver e trabalhar.

Changing directions: Rethinking working and commuting in the GTA

 

As formas como as pessoas vivem e trabalham na Greater Toronto Area (GTA) estão a mudar a um ritmo exponencial. O novo mundo do trabalho, caracterizado pela capacitação individual, exigirá que as empresas abandonem os modelos de trabalho tradicionais em favor de operações flexíveis que possam ser adaptadas para responder às diversas necessidades dos indivíduos. Atualmente, porém, os nossos sistemas de transporte são construídos para acomodar fluxos pendulares que se alinham com modelos de trabalho padrão - maior capacidade de transporte público durante as 9 e as 17 horas, etc. Embora não conheçamos as implicações específicas que o futuro do trabalho terá nas deslocações pendulares, sabemos que aumentará a diversidade de necessidades no ecossistema de deslocações pendulares. Esta diversidade não está a ser abordada por um sistema de transportes que se concentra principalmente em projetos de capital de grande escala e plurianuais de "tamanho único". Os utilizadores pendulares da GTA precisam de soluções abrangentes e holísticas que comecem e acabem neles.

É por isso que o nosso último documento, Changing directions: Rethinking working and commuting in the GTA, coloca o foco diretamente nos trabalhadores pendulares, destilando a variada experiência de deslocação nesta cidade de classe mundial em cinco arquétipos distintos:

  • A agitação de 'Burbanite
  • O condutor multi-tarefas
  • O condutor de metro de uma linha
  • O evangelista ambiental
  • O viajante consciente dos custos

Estes arquétipos não são uma solução em si, mas sim uma forma de pensar sobre os utilizadores da GTA, para melhor compreender de onde vêm - e para onde vão. A ideia é chegar a uma apreciação holística das formas como os cidadãos tomam decisões sobre onde trabalham e vivem e como se deslocam.

Afinal de contas, a atividade comercial e o desenvolvimento habitacional têm vindo a espalhar-se por toda a GTA desde há anos, aumentando a diversidade das formas de vida e de trabalho das pessoas - uma tendência que só deverá acelerar. Será que os sistemas de transportes da GTA conseguem acompanhar esta mudança? Não, se continuarmos a discutir o assunto exclusivamente em termos de infraestruturas. O investimento em infraestruturas é, obviamente, fundamental, mas não podemos fazer investimentos sensatos e eficazes que funcionem como soluções genuínas se não conseguirmos compreender verdadeiramente a situação. As nossas soluções de transporte devem reconhecer a diversidade que existe na GTA e colocar as necessidades dos indivíduos em primeiro plano. Está na altura de mudar a conversa.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

If you would like to help improve Deloitte.com further, please complete a 3-minute survey