Skip to main content

Envolvimento comunitário "para o bem"

Melhorar o impacto social dos investimentos em infraestruturas através de uma participação significativa da comunidade

Em todo o mundo, há um reconhecimento crescente de que é necessário um envolvimento significativo da comunidade para melhorar o impacto social e comunitário dos investimentos em infraestruturas, ajudando a garantir que os benefícios são amplamente partilhados e promovendo uma maior participação democrática no processo. 

Em junho de 2023, o Economist Impact — em colaboração com o Duke Nicholas Institute for Energy, Environment and Sustainability e a Deloitte — lançou o Infrastructure for Good (IFG). Através desta análise comparativa dos ecossistemas de infraestruturas em 30 países, descobriram que as deficiências no planeamento das infraestruturas contribuem para um impacto social abaixo do ideal (ver imagem ao lado). Menos de um quarto dos países efetua avaliações sociais estratégicas ou obriga os novos projetos a avaliar o seu impacto social. Além disso, em mais de 60% dos países, as interações com as comunidades locais são conduzidas de forma ad hoc.

Além disso, embora o aumento do envolvimento da comunidade possa prolongar ainda mais um processo de participação pública já exigente, pode diminuir o risco dos projetos ao impedir que a opinião pública encerre o processo na fase de conceção. Uma consulta pública significativa deve ter lugar numa fase suficientemente precoce para que as alterações possam ser incorporadas. Se a consulta se destina a informar a comunidade sobre o que está a acontecer, limita-se a falar do processo e aumenta a probabilidade de objeções substanciais e de protestos públicos. 

Incorporar alterações no início do processo é, muitas vezes, mais barato do que esperar até mais tarde, e é por isso que é tão importante envolver a comunidade o mais cedo possível para iniciar uma participação ativa no planeamento. Isto pode ser tão simples como: 

  • Identificar precocemente os principais stakeholders afetados e solicitar feedback presencial ou em outros fóruns.
  • Fazer inquéritos e observar as reações (por exemplo, sentimentos, interpretações e receios) aos planos de infraestruturas e aos potenciais impactos.
  • Interpretar os dados para criar e informar as oportunidades de colaboração e mudança, de modo a relacioná-las com os impactos sociais e comunitários.
  • Analisar os dados e criar planos de colaboração que envolvam os stakeholders para construir melhores planos de infraestruturas que satisfaçam as necessidades sociais e comunitárias.

O programa Infrastructure for Good, uma iniciativa de investigação pioneira, compara os ecossistemas de infra-estruturas em 30 países de todo o mundo. Explora a sua capacidade de fornecer infraestruturas de qualidade de forma sustentável, e examina a forma como utilizam as infraestruturas para colmatar lacunas económicas, sociais e ambientais críticas.

O elemento central da investigação, o barómetro Infrastructure for Good, descreve os principais pilares dos ecossistemas de infraestruturas para comparar e identificar os desafios, as oportunidades e as prioridades de 30 países para futuras iniciativas de infraestruturas.

Os cinco pilares centrais do barómetro incluem

  1. Governança e planeamento
  2. Financiamento e investimento sustentáveis
  3. Impacto social e comunitário
  4. Benefícios económicos e capacitação
  5. Sustentabilidade ambiental e resiliência

Saiba mais sobre Infrastructure for Good

Figura 1: Visão geral do desempenho do IFG nos cinco pilares do barómetro.

A mudança nunca é fácil, mas envolver os stakeholders e criar conversas convincentes sobre "Porquê mudar?" ajuda no planeamento de qualquer iniciativa relacionada com a mudança. Ao planear uma mudança na tecnologia, nos processos ou noutro local, recomendamos que utilize as comunicações bidirecionais desde o início e com frequência para:

  • Estabeleça um entendimento mútuo,
  • Reúna perspetivas e 
  • Determine as prioridades dos stakeholders afectados. 

Este modelo permite que emissores e recetores tenham a mesma oportunidade de partilhar propostas de mudança e o respetivo feedback. As reações são recolhidas e servem de base a outras estratégias de comunicação para melhorar a experiência de ambas as partes. A criação de mensagens inclusivas, a oferta de oportunidades de feedback e a incorporação do mesmo nos planos de mudança podem apoiar a produtividade e aumentar a colaboração entre as partes.

Este modelo simples, mas poderoso, torna-se ainda mais importante quando são tomadas decisões que afectam os constituintes. As agências governamentais podem utilizar comunicações bidireccionais para maximizar o impacto social e comunitário dos investimentos em infra-estruturas. Nos EUA, isto é particularmente oportuno, dados os investimentos de financiamento da American Rescue Plan Act (ARPA), do Infrastructure Investment and Jobs Act (IIJA) e do CHIPS and Science Act, entre outros. Estes proporcionam oportunidades de financiamento a nível federal, estatal e local para satisfazer as necessidades dos stakeholders, envolvendo as suas comunidades, desde cedo e com frequência, na elaboração de planos de grandes projectos. 

A criação de oportunidades intencionais para partilhar propostas, ouvir e aceitar o feedback dos stakeholders e reposicionar ajuda a garantir comunicações fluidas e promove a transparência. Seguem-se exemplos de acções tomadas para estabelecer oportunidades de comunicação nos dois sentidos.

Identifique oportunidades para conversas directas

As conversas presenciais oferecem a oportunidade de preparar o terreno, reunir e recolher feedback no local e fazer o acompanhamento com inquéritos/avaliações para o grupo. Esta é uma excelente altura para estabelecer relações, encorajar a partilha de opiniões e identificar especialistas na matéria e potenciais defensores da mudança.

Desenvolva inquéritos nos principais pontos de contacto

Utilize inquéritos para medir a experiência de ponta a ponta dos stakeholders em várias fases do planeamento, desenvolvimento e entrega do projeto. Os dados recolhidos a partir de inquéritos aos stakeholders fornecem frequentemente uma base para obter um impacto tangível - melhorando o envolvimento, criando confiança e reduzindo as queixas - ao planear iniciativas de mudança significativas.

 

Através destas oportunidades de feedback, as agências governamentais medem a experiência dos stakeholders para:

  • Identifique os objectivos dos stakeholders, os pontos fracos e os desafios relacionados com a iniciativa de mudança;
  • Ouça para compreender interações, relações e percursos críticos;
  • Interprete a experiência das partes interessadas através de mentalidades; e 
  • Actue com base no feedback recolhido para validar o percurso dos stakeholders e informar os planos do projeto.

O feedback recolhido junto dos stakeholders traduz-se em insights mais aprofundados para melhorar os planos para o futuro. Estes conhecimentos são interpretados para gerar mentalidades representativas dos grupos de stakeholders; as mentalidades descrevem o que os stakeholders estão a dizer, pensar e sentir e ajudam a transmitir a sua esfera de influência. A categorização dos grupos de stakeholders afectados por mentalidades ajuda os projectos a manterem-se organizados e fornece o contexto necessário para criar comunicações adaptadas a cada grupo.

Compreender as mentalidades e as oportunidades numa organização

As diferentes mentalidades presentes entre os <em>stakeholders</em> permitem que os planeadores tenham empatia para com os seus sentimentos, desafios e perspectivas variadas. Os <em>stakeholders</em> podem ser envolvidos através de acções e conceitos específicos para incentivar futuras mudanças.

Figura 2: Descrição da forma como as mentalidades nos ajudam a compreender melhor os grupos de partes interessadas.

A criação de oportunidades para comunicações back-and-forth dinâmicas pode criar confiança nas comunidades. Uma vez que a confiança é estabelecida desde o início e com frequência, são fomentadas relações a longo prazo para ajudar no planeamento e execução do projeto. 

Ao planear melhorias nas infra-estruturas, os governos devem consultar o Barómetro do IFG e as ferramentas de dados disponíveis publicamente para medir o impacto do envolvimento da comunidade.

As agências governamentais podem reforçar as suas pontuações de impacto social e comunitário, um pilar fundamental para avaliar o impacto do planeamento de infra-estruturas. Podem fazê-lo ao expandirem os esforços de comunicação bidirecional com as comunidades locais e incentivarem os stakeholders a desenvolver, questionar, avaliar e criar novas soluções que satisfaçam as necessidades mais significativas da comunidade. Ao fazê-lo, é provável que estimule a inclusão e uma maior colaboração e ajude a concretizar todo o potencial das melhorias nas infra-estruturas. 

Recomendações