Salte para o conteúdo principal

Estamos em 2030 e a economia europeia foi atingida por uma década de estagnação tecnológica.

O futuro do setor tecnológico europeu, 2030

A década de 2020 tinha começado de forma brilhante: A Europa estava a prosperar noutros continentes e muitas empresas europeias começavam a aparecer nas bolsas mundiais. Mas à medida que a década avançava, houve uma queda gradual no empreendedorismo tecnológico, incentivada, em grande parte, pela regulamentação excessiva introduzida no setor na área da privacidade e proteção de dados.

A intenção era a de proteger o consumidor, mas o resultado foi, na verdade, devastador para o setor. As grandes empresas conseguiram adaptar-se a estes novos regulamentos, no entanto, e em contraste, as médias e pequenas empresas tiveram muitas dificuldades no cumprimento atempado destes regulamentos. Uma maior regulamentação da tecnologia tornou-se uma barreira à entrada e um desincentivo para os empresários, que mudaram de setor, ou deixaram a região. Consequentemente, o consumidor europeu acabou por ter uma escolha restrita com os preços a ficarem, ocasionalmente, mais elevados.

Neste sentido, em 2030, a Europa era o que alguns apelidavam de "tech wasteland". O setor da tecnologia diminuiu e as empresas estrangeiras já não consideravam a Europa como um mercado prioritário para vender. As empresas europeias, de todas as indústrias, gastavam menos em tecnologia do que as suas congéneres globais. As universidades europeias, que tinham vindo a aumentar os seus departamentos de investigação tecnológica, viram esta corrente inverter-se.

A Tecnologia contribui para a estagnação generalizada da economia. Ao longo da década de 2020, o setor prosperou em todo o mundo, as empresas tornaram-se mais digitais, mais produtivas e mais competitivas. Esta onda de investimento digital, conhecida como os anos vinte transformadores, tinha sido catalisada pelo choque da pandemia provocada pelo vírus SARS-CoV-2 no início da década. Os choques existenciais que muitas empresas tinham enfrentado ajudaram a acelerar os seus planos de digitalização. Os fornecedores de tecnologia lutaram para acompanhar este aumento da procura; os que conseguiram, viram as suas avaliações disparar, com uma dúzia de empresas a registar um valor superior a um trilião de dólares nos meados da década.

A Europa foi a exceção, onde a nova regulamentação, particularmente em matéria de patentes, dados, privacidade, investimentos e sustentabilidade acabou por estrangular a oferta e a procura de tecnologia. A legislação era bem-intencionada, queria proteger as pessoas e o planeta, mas carecia de nuances e, por isso, acabou por marginalizar o bom ao tentar fazer desaparecer o mau.

O início do fim foi em 2024, com a criação de um cabo de carregador exclusivo para o mercado europeu. O resultado foi catastrófico, uma vez que esta medida obrigou vários fornecedores a redesenharem os seus dispositivos para incluir uma entrada adicional. A isto seguiu-se, em 2025, a lei de que qualquer smartphone vendido na Europa tinha de oferecer atualizações de segurança durante, pelo menos, seis anos. Tal levou os vendedores mais pequenos, incluindo os especializados em aplicações industriais, a sair do mercado. Não tinham condições para assumir este compromisso. A proposta de que todas as baterias, processadores e ecrãs devem ser substituíveis pelo utilizador até 2028, levou os vendedores premium a adiar o lançamento dos seus mais recentes produtos.

O setor dos videojogos móveis, que estava a prosperar na Europa, deslocou-se para fora da região, uma vez que se tornou cada vez mais difícil construir e testar aplicações para os dispositivos mais recentes.

Os retalhistas, que tinham vindo a desenvolver aplicações móveis cada vez mais atrativas, foram forçados a construir conteúdos otimizados para telemóveis cada vez mais antigos, levando à saída dos melhores criadores de aplicações que partiram para mercados onde podiam desenvolver conteúdos direcionados para a mais recente tecnologia.

À medida que as diversas empresas de tecnologia partiam, deixavam grandes falhas económicas para trás. O impacto de cada partida foi mínimo a nível europeu, mas doloroso e de grande visibilidade nas cidades e vilas que tinham sido abandonadas. Conforme mais e mais empresas tecnológicas foram mudando o seu foco para o estrangeiro, os líderes de países individuais começaram a questionar a política regional.

Em 2030, prevê-se ainda um investimento de 43 mil milhões de dólares em investigação e desenvolvimento, com um financiamento crescente proveniente de governos regionais e nacionais para compensar o declínio do investimento privado.

Este cenário corresponde a uma das quatro visões do futuro. As empresas são fictícias, mas a narrativa é baseada em factos, eventos e tecnologias reais.

 

 

Os drivers e impulsionadores do cenário
« Tech wasteland».

A Europa deixou de ter um papel ativo no desenvolvimento de fronteiras tecnológicas. Isto deve-se às restrições impostas aos fornecedores de tecnologia e às limitações à aplicação da tecnologia entre as empresas. O gasto significativo da Europa em I&D tecnológico é desperdiçado em tecnologias que podem nunca vir a ser comercialmente viáveis.

Lamentavelmente, mas sem surpresa, grande parte dos melhores talentos tecnológicos emigraram ou mudaram de indústria. A emigração incluiu gestores, financiadores e criadores tecnológicos.

A Europa ainda cria empresários, mas os que se concentram na tecnologia não se sentem bem-vindos na região, e os que têm as melhores ideias e experiência tendem a sair cedo ou a alterar as suas prioridades para fora da Europa. Alguns empresários regressam à Europa, mas frequentemente partem de novo ao fim de pouco tempo, frustrados com as condições difíceis. As empresas tecnológicas que ficam estão, na sua maioria, mais concentradas na captação de subsídios governamentais para investir em tecnologias para a Europa.

As ambiciosas start-ups começaram a procurar capital de risco fora da Europa, principalmente capital que estivesse disponível prontamente e que procurasse empresas que estivessem prontas para se mudarem.

A economia europeia contraiu-se em resultado das múltiplas restrições à utilização da tecnologia. O PIB da maioria dos países está estático ou em queda. Os trabalhadores mais produtivos já partiram.

Os governos culpam as empresas tecnológicas e obrigam a cumprir legislação cada vez mais rigorosa e complexa.

Há muito que os governos se têm sentido frustrados com a legislação europeia. Ironicamente, quanto mais a legislação tem limitado as empresas tecnológicas globais, mais a Europa se tornou dependente delas. O equilíbrio do poder está a mudar: o aumento da regulação terá de ser invertido.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

Se quiser ajudar a melhorar o site Deloitte.com, por favor preencha um formulário Inquérito de 3 minutos