Pular para o conteúdo principal

Perspectivas da Indústria Bancária 2024

Convicção e agilidade para prosperar

As escolhas estratégicas dos bancos serão testadas à medida que enfrentam múltiplos desafios fundamentais aos seus modelos de negócio

Os esforços recentes para combater a inflação têm mostrado sinais de sucesso em muitos países. Contudo, com a economia global em desaceleração, um cenário político divergente e os desafios para o setor bancário em 2024 complicarão o crescimento econômico em todo o mundo.

Neste contexto, o Fundo Monetário Internacional (FMI) espera que a economia mundial não cresça mais de 3% no próximo ano. Prevê-se que as economias avançadas – ou seja, os Estados Unidos, a área do euro, o Japão, o Reino Unido e o Canadá – experimentarão um crescimento morno de 1,4% no próximo ano. No entanto, muitas economias emergentes deverão registrar um crescimento mais elevado devido à forte procura dos consumidores, à demografia mais jovem e à melhoria das balanças comerciais. Em particular, espera-se que a Índia tenha uma das taxas de crescimento mais fortes: 6,3%.

Por outro lado, a China enfrenta um potencial abrandamento econômico, com fraca procura por parte dos consumidores locais e nas exportações e importações, o que enfraquecerá ainda mais a recuperação global. Os esforços recentes para reavivar a confiança dos consumidores e das empresas na China poderão influenciar o crescimento econômico em outros países, especialmente na Ásia.

A inflação global deverá cair para 5,2% em 2024, face a um máximo de 8,7% em 2022, de acordo com o FMI. Os bancos centrais irão ajustar as suas políticas monetárias até ano que vem. Em geral, as medidas de restrição quantitativa dos bancos centrais irão contrair a oferta monetária global.

Faça o download da pesquisa "Perspectivas da Indústria Bancária 2024" e acesse o artigo em inglês para conhecer os principais destaques desta edição. 

Mensagens-chave
 

  • Uma economia global em desaceleração, juntamente com um cenário econômico divergente, desafiará o setor bancário em 2024. A capacidade dos bancos em gerar receitas e gerir custos será testada de novas formas.
  • Múltiplas forças disruptivas estão remodelando a arquitetura fundamental da indústria bancária e dos mercados de capitais. Taxas de juro mais elevadas, redução da oferta monetária, regulamentações mais assertivas, alterações climáticas e tensões geopolíticas são os principais impulsionadores desta transformação.
  • O ritmo exponencial das novas tecnologias e a confluência de múltiplas tendências influenciam a forma como os bancos operam e satisfazem as necessidades dos clientes. O impacto da IA generativa, da convergência industrial, das finanças integradas, dos dados abertos, da digitalização do dinheiro, da descarbonização, da identidade digital e da fraude crescerá em 2024.
  • Os bancos, em geral, estão em uma base sólida, mas os modelos de receitas serão testados. O crescimento orgânico será modesto, forçando as instituições a procurar novas fontes de valor em um ambiente de escassez de capital.
  • Os negócios de banco de investimento, vendas e negociação precisarão de se adaptar às novas dinâmicas competitivas. Forças como o crescimento do capital privado desafiarão o setor a oferecer mais valor tanto para os clientes corporativos quanto para os compradores do lado da oferta.
  • Os choques iniciais de 2023 no setor bancário global estimularam a indústria a reavaliar as suas estratégias. Enquanto os líderes de banos se concentram nas alterações regulamentares de capital, liquidez e gestão de risco, ainda há muito a ser feito para evoluir nos modelos de negócio.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

Se você quiser ajudar a melhorar ainda mais o Deloitte.com, preencha o formulário Pesquisa de 3 minutos