Pular para o conteúdo principal

As implicações fiscais que os CFOs devem considerar ao alienar uma unidade de negócios

Executar e alcançar a prontidão do Dia Dois para não apenas proteger o valor, mas também criá-lo

Os líderes tributários e financeiros devem ter uma boa compreensão das implicações de um carve-out corporativo nas operações e nos modelos de negócios para desenvolver a estrutura de negócios mais eficaz. Um artigo da Harvard Business Review e da Deloitte descreve por que o Dia Dois precisa ser planejado desde o início.


O que é um carve-out corporativo?

Um "carve-out corporativo" é um método de reorganização corporativa no qual uma empresa matriz desinveste uma unidade de negócios—o foco principal da equipe de gerenciamento é a execução e a obtenção de prontidão para o primeiro dia. Embora a execução seja certamente fundamental, "não destruir valor" é muito diferente de "criar valor".

Uma maneira pela qual os CFOs podem criar mais valor para suas empresas durante um desmembramento corporativo é trabalhar intencionalmente com os líderes fiscais e financeiros para projetar o Dia Dois desde o início.

Quais são as implicações fiscais de um carve-out corporativo?

<br/>

As implicações fiscais de uma cisão corporativa podem ser enormes, não apenas na forma como a nova empresa ("NewCo") é estruturada, mas também na forma como ela irá operar. Novos acordos de serviços, contratos com fornecedores, instalações e modelos de negócios têm impactos fiscais. A divisão de uma empresa muitas vezes altera as realidades do negócio. Uma organização pode descobrir que a alocação de seus lucros tributáveis muda devido a alterações nos centros de atividade, onde estão os tomadores de decisão da NewCo ou onde o capital é investido. O mesmo vale para a parte restante da empresa ("RemainCo"). Por exemplo, se os seus cálculos de impostos foram baseados em determinados incentivos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) e agora você está separando sua divisão de P&D, suas premissas fiscais claramente mudarão.

Os líderes tributários e financeiros devem ter uma boa compreensão das implicações do carve-out corporativo nas operações e nos modelos de negócios para desenvolver a estrutura de negócios mais eficaz. Portanto, desde o início do processo de execução, eles devem entender como será o Dia Dois.

Dê prioridade ao planejamento do segundo dia

<br/>

Ao se concentrar demais na preparação para o primeiro dia, as empresas podem perder a oportunidade de criar o ambiente certo para o sucesso de ambas as organizações. O planejamento dos negócios após o desmembramento da empresa permite que os líderes tributários ofereçam uma melhor orientação aos CFOs sobre como os futuros negócios devem ser estruturados. E isso pode melhorar tanto o valor financeiro quanto a flexibilidade dos negócios. O planejamento do segundo dia consiste em alinhar a estrutura do negócio e o perfil de lucro para garantir que a NewCo maximize seu potencial benefício fiscal. Também se trata de criar maior flexibilidade tanto para a NewCo quanto para a RemainCo, pois o ambiente de negócios continuará a mudar após a extinção da empresa.

Quais são os benefícios do planejamento do Dia Dois?

Há muitos motivos pelos quais CFOs e líderes fiscais não devem adiar a reflexão sobre o Dia Dois. Talvez o maior deles seja o fato de que o planejamento para o Dia Dois influencia diretamente o financiamento que o negócio pode atrair e as fontes de financiamento terão um efeito direto sobre como o negócio será financiado. Ao mesmo tempo, os modelos operacionais tributários também mudarão. Os carve-outs corporativos podem fornecer uma folha em branco para projetar o modelo operacional tributário ideal tanto para a NewCo quanto para a RemainCo.

Preparar um desmembramento corporativo é um trabalho difícil. E, muitas vezes, os líderes fiscais e financeiros podem estar perdendo oportunidades - não apenas para proteger o valor, mas também para criá-lo.

Como a Deloitte pode ajudar

A Deloitte oferece soluções diferenciadas para ajudar as empresas a identificar oportunidades de M&A, avaliar riscos e exposições, entender as sinergias fiscais que podem ser capturadas nas transações e implantar estratégias ofensivas e defensivas de M&A para navegar na incerteza e reconstruir a lucratividade. Para saber mais sobre como a Deloitte pode oferecer suporte tributário e jurídico à sua organização durante todo o ciclo de vida da transação, explore Mergers & Acquisitions

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

Se você quiser ajudar a melhorar ainda mais o Deloitte.com, preencha o formulário Pesquisa de 3 minutos