Skip to main content

IFRS S2 – Novos requisitos de divulgação relacionados ao clima

Por Corinne Braund e Jacques Voegeli, gerentes de ESG em Auditoria & Assurance da Deloitte Reino Unido

O International Sustainability Standards Board (ISSB) publicou seus tão esperados padrões de divulgação sobre sustentabilidade, iniciando pelas normas IFRS S1 – Requisitos Gerais para Divulgação de Informações Financeiras Relacionadas à Sustentabilidade (IFRS S1) e IFRS S2 – Divulgações relacionadas ao clima (IFRS S2). Divulgamos nossas análises gerais em um artigo separado – Os primeiros padrões de sustentabilidade do ISSB – possibilitando relatórios de sustentabilidade consistentes e comparáveis.

Neste artigo, analisamos especificamente a norma relacionada ao clima (IFRS S2) – o que ela é, como se compara e interage com os requisitos já existentes e quais são os aspectos a serem observados.

O cenário sobre as divulgações relacionadas ao clima

 

A nova norma IFRS S2 adota a mesma construção dos quatro pilares do Task Force on Climate Related Financial Disclosures (TCFD), significando que as empresas que já realizam divulgações de TCFD ou Contract For Difference (CFD) possuem uma base para a construção dos relatórios do IFRS S2. No entanto, existem algumas diferenças que foram destacadas abaixo – ao passar do TCFD para o IFRS S2, as divulgações devem fornecer mais detalhes, incluindo:

Governança

  • O papel do conselho e da administração, que foram agrupados em “órgão de governança”.
  • Os termos de referência/mandato do conselho/políticas do órgão de governança.
  • As habilidades e competências do corpo diretivo.
  • Quaisquer controles e procedimentos dedicados que sejam aplicados à gestão de riscos e oportunidades relacionados ao clima. Ao contrário do TCFD, não é especificada uma descrição da(s) estrutura(s) organizacional(is) associada(s).

 

Estratégia

  • Foco mais detalhado nos impactos dos riscos e oportunidades relacionados ao clima em toda a cadeia de valor da organização.
  • Os riscos e as oportunidades relacionados ao clima para os quais existe um risco significativo de ajuste material nos valores contábeis de ativos e passivos no próximo período de relatório anual.
  • Uma descrição dos planos de transição com requisitos explícitos sobre divulgação qualitativa e quantitativa das metas de redução de emissões e uso de compensações de carbono.
  • Como e quando a análise de cenários relacionados ao clima foi realizada, incluindo informações sobre os insumos utilizados e as principais suposições feitas. A abordagem de uma organização para a análise de cenário deve ser baseada em suas circunstâncias particulares, incluindo sua exposição a riscos e oportunidades relacionados ao clima e as habilidades, capacidades e recursos disponíveis para a análise desse cenário. Essas circunstâncias podem mudar com o passar do tempo e a organização deve reavaliá-las sempre que conduzir sua análise de cenário.

 

Gestão de riscos

  • Uma descrição do monitoramento e gerenciamento de riscos e oportunidades relacionados ao clima, incluindo as políticas relacionadas.
  • Detalhes dos parâmetros de entrada utilizados em riscos e oportunidades relacionados ao clima (por exemplo: fontes de dados, escopo das operações cobertas e detalhes usados nas suposições).
  • Quaisquer mudanças do processo em relação ao período de relatório anterior (se aplicável).
  • Até que ponto e como os processos de identificação, avaliação e gestão de oportunidades relacionadas ao clima são integrados ao processo geral de gestão da entidade.

 

Métricas e metas

  • Métricas relevantes entre os setores e específicas de cada um.
  • Emissões de escopo 1 e 2 para associados, joint ventures, subsidiárias não consolidadas ou associadas não inclusas no grupo contábil consolidado.
  • Informações sobre como as metas climáticas se comparam com as criadas no último acordo internacional sobre mudanças climáticas e se foi validado por terceiros, bem como se a meta foi derivada utilizando uma abordagem de descarbonização setorial.

 

Para uma visão geral da IFRS S2, produzimos um resumo que pode ser acessado neste link.

Próximos passos

 

Dada a escala das novas normas (IFRS S1 e IFRS S2), muitas organizações procuram obter uma vantagem inicial na adequação das normas, mas por onde começar?

As diferenças mais significativas – sobre o progresso do plano de transição e as métricas do setor – provavelmente serão abordadas pela Transition Plan Taskforce (TPT), enquanto a próxima revisão temática do Financial Reporting Council (FRC), sobre as métricas e as metas, fornecerá uma visão sobre a qualidade dos relatórios atuais.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

If you would like to help improve Deloitte.com further, please complete a 3-minute survey