Skip to main content

Os aspectos fiscais de ESG em fusões e aquisições

Entenda o cenário complexo dos temas ambientais, sociais e de governança em M&A

Receba nossos conteúdos

ESG está ganhando importância em fusões e aquisições

 

Nos últimos anos, assistiu-se a um foco crescente nos fatores ambientais, sociais e de governança na avaliação empresarial – tanto que o compromisso de uma empresa com o ESG e a eficácia dos seus programas de sustentabilidade se tornaram importantes fatores em fusões e aquisições (M&A), tornando-se cada vez mais comum que o tema esteja entre os principais motivos para uma transação.

À medida que as empresas se esforçam para dar prioridade à sustentabilidade, às práticas responsáveis e ao crescimento a longo prazo, a compreensão das implicações fiscais e jurídicas do ESG nas fusões e aquisições torna-se crucial. O resultado é uma série de novos desafios – e potenciais oportunidades para aqueles que possuem o conhecimento e as competências para enfrentá-los.

Artigo explora o impacto do ESG no ciclo de vida de M&A, incluindo due diligence, avaliação, negociação e integração pós-fusão, e a sua crescente influência na forma como os negócios são feitos. Em seguida, aborda os desafios associados do ponto de vista fiscal, incluindo aqueles relacionados com o processo de due diligence e o papel crítico das lideranças fiscais na gestão de métricas sustentáveis ao longo do ciclo de vida de fusões e aquisições.

Como o departamento tributário pode informar e orientar as negociações de M&A

 

Desde a avaliação da conformidade regulamentar, passando pela quantificação dos termos de financiamento atá a avaliação de fatores sociais e de governança, os profissionais da área podem facilitar a estruturação de acordos do ponto de vista fiscal, educar as partes interessadas, garantir a transparência e alinhar as estratégias fiscais com os objetivos ESG.

Estruturar um negócio de forma eficiente do ponto de vista fiscal pode gerar poupanças significativas, contribuindo diretamente para a rentabilidade de um empreendimento. Especialistas fiscais e jurídicos com experiência em ESG podem facilitar todas as fases de fusões e aquisições, desde a due diligence até a avaliação, negociação e integração pós-fusão. Um bom exemplo do valor do conhecimento fiscal especializado: a partir de 2023, ao abrigo das regras do Pilar Dois, as transações multinacionais podem desencadear custos fiscais e de conformidade relacionados. Embora os especialistas possam ajudar na estruturação de acordos que considerem e potencialmente minimizem a responsabilidade fiscal mínima global, todas as mudanças estruturais propostas devem ter uma substância comercial real por trás delas.

Os especialistas fiscais e jurídicos podem ajudar a educar as partes interessadas, identificar sinergias, evitar a dupla contagem ou omissão de ativos e alinhar as equipes em torno de iniciativas ESG promissoras. Em particular, os especialistas fiscais podem ajudar a otimizar a posição fiscal de uma empresa sob a forma de incentivos fiscais para investimentos em energias renováveis, créditos para práticas sustentáveis ​​e benefícios fiscais em I&D, e podem ajudar a decidir onde qualquer nova propriedade intelectual ou valor proveniente de práticas sustentáveis ​​deve basear-se. No entanto, estas ações devem integrar-se na estratégia empresarial mais ampla e não ser apenas um exercício orientado para os impostos.

No contexto dos requisitos de reporte que incluem a divulgação detalhada obrigatória do desempenho ESG, a forma como uma empresa lida com os seus assuntos fiscais e jurídicos pode ser vista como um indicador da sua abordagem a sustentabilidade. As equipes tributárias e jurídicas podem aproveitar uma fusão como uma oportunidade para instituir uma estratégia holística de dados que abrange funções ESG, tributárias, jurídicas, cadeia de suprimentos e outras funções.

Isso inclui o estabelecimento de um repositório de dados que possa funcionar como uma fonte única de verdade, documentação e relatórios ESG rigorosos e replicáveis, e gestão ativa do risco reputacional com foco na construção da confiança pública.

Ao integrar o ESG nos processos de avaliação de M&A com a ajuda de profissionais fiscais e jurídicos, as empresas podem avaliar e apresentar eficazmente os seus investimentos em sustentabilidade. Essa integração leva a benefícios como economia de custos, reputação aprimorada, conformidade com regulamentações e desenvolvimento sustentável duradouro. Adotar o ESG não só promove o sucesso a longo prazo, mas também abre novas e valiosas oportunidades para as empresas.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

If you would like to help improve Deloitte.com further, please complete a 3-minute survey