Skip to main content

Caminhos para a descarbonização | Alimentos

Ao contrário de alguns outros setores difíceis de serem eliminados, o setor de alimentos tem a oportunidade de atingir emissões líquidas zero e desempenhar um papel fundamental para alcançar as metas climáticas globais.

Como um grande poluidor de emissões, o sistema alimentar atual é responsável por 25% das emissões globaisde CO2. Para reverter esse quadro, todo o ecossistema alimentar deve se esforçar para uma transformação completa da fazenda ao garfo. Nesta parte de nossa série Pathways to decarbonisation (Caminhos para a descarbonização ), exploramos uma série de alavancas de descarbonização que poderiam ajudar o setor de alimentos a reduzir as emissões em até 90%.

 

O estado do jogo

O sistema alimentar atual não é sustentável. Ele é responsável por 25% das emissões globaisde CO2 ,1 44% das emissões globais demetano2 e 80% das emissões globais de nitrogênio.3 Apesar disso, é um setor essencial para alimentar o mundo, produzindo uma grande parte do PIB global e proporcionando cerca de 40% dos empregos globais. O modelo de produção atual é baseado em práticas altamente produtivas, mas insustentáveis. No entanto, a mudança para práticas agrícolas de baixo carbono leva a rendimentos mais baixos e custos mais altos. Os rendimentos mais baixos são problemáticos, já que a demanda global por alimentos deve aumentar, enquanto os custos mais altos são difíceis de serem repassados para a cadeia de valor, pois os consumidores geralmente não querem ou não podem pagar preços mais altos.

O caminho a seguir

Apesar desses desafios, o setor de alimentos tem o potencial de se tornar não apenas zero líquido, mas também positivo líquido, atuando como um sumidouro de carbono significativo por meio do armazenamento natural de carbono. Isso é muito promissor, mas implica investimentos significativos e uma reformulação fundamental do sistema alimentar. A boa notícia é que a maioria das alavancas necessárias já está disponível. Mudar a forma como usamos a terra - e tratamos o solo em terras agrícolas - poderia levar o setor a quase metade do caminho para o zero líquido. Práticas agrícolas com baixo teor de carbono, redução do desperdício de alimentos, mudança para energia renovável e mudanças nas dietas poderiam potencialmente completar a jornada. No entanto, todo o ecossistema alimentar precisará trabalhar em uníssono para tornar realidade um sistema alimentar líquido zero ou líquido positivo. A formação de coalizões será fundamental para estabelecer padrões comuns, realizar o monitoramento e acelerar as mudanças no sistema. O setor de processamento e varejo de alimentos definirá o ritmo, impulsionado pelos consumidores e pela percepção da marca. Os órgãos reguladores devem estabelecer padrões para impor a transparência de ponta a ponta. As habilidades de dados e análise ajudarão a concretizar isso. A inovação, o aprimoramento e o desenvolvimento de novas tecnologias serão facilitadores essenciais para a obtenção do zero líquido.

Leia o relatório completo para saber mais sobre as recomendações da Deloitte.

Sobre a série "Caminhos para a descarbonização"

A série Caminhos para a descarbonização é uma coletânea de insights sobre os desafios, as oportunidades e os caminhos viáveis para a descarbonização em setores de alta emissão e difíceis de serem eliminados. Cada uma das perspectivas setoriais oferece um ponto de partida fundamental para os líderes que gostariam de entender melhor o cenário desses setores críticos.

Explore as "Recomendações" abaixo para obter relatórios mais detalhados sobre alimentos, cadeia de suprimentos e clima.

Referências:



  1. Poore, Joseph e Nemecek, Thomas. "Reduzindo os impactos ambientais dos alimentos por meio de produtores e consumidores". Science 360 (2018): pp. 987-992.
  2. Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, "Key facts and findings".
  3. Michigan State University, "How much fertiliser is too much for the climate?" (Quantofertilizante é demais para o clima?)

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

If you would like to help improve Deloitte.com further, please complete a 3-minute survey