Pular para o conteúdo principal

Investimentos em Marketing, foco em sustentabilidade, criatividade e tecnologias emergentes são principais tendências para o marketing em 2023, aponta pesquisa da Deloitte

  • "Global Marketing Trends 2023" aponta quatro principais tendências para entender como as principais marcas estão atendendo às necessidades dos consumidores;
  • 75% dos profissionais de marketing estão respondendo a instabilidade econômica com investimentos e ampla maioria dos profissionais (85%) está implementando iniciativas de sustentabilidade voltadas para o mercado interno;
  • Cerca de metade das empresas criará experiências conectadas a tecnologia em 2023, mas a maioria (84%) planeja se engajar com tecnologias emergentes como metaverso e blockchain nos próximos dois anos;
  • No Brasil, ainda existem oportunidades relevantes de avanços em tecnologias de apoio a marketing, em dados, IA, gestão de campanhas, personalização e CRM. 

Em todo o mundo, as marcas têm respondido à instabilidade econômica com investimentos, em vez de recuar e cortar custos; a mentalidade de crescimento tem feito com que elas priorizem planos e inciativas para ajudar a proteger os negócios diante de um cenário de incertezas globais. Essa é uma das tendências que o estudo Global Marketing Trends 2023, elaborado pela Deloitte, organização com o portfólio de serviços profissionais mais diversificado do mundo, aponta para o ano. As outras tendências contempladas na pesquisa são: CMOs (Chief Marketing Officers) impulsionando o crescimento por meio de esforços internos de sustentabilidade; marcas priorizando a criatividade como força de crescimento e atenção a tecnologias em ascensão. 

“As pessoas de marketing estão cientes de que não é possível desacelerar mesmo em tempos de incertezas e instabilidade econômica, por isso seguem realizando investimentos. Em uma Era dinâmica como a que vivemos, com consumidores cada vez mais experientes do ponto de vista digital, as marcas entenderam que continuar investindo é a única forma de manter a competitividade. Há um olhar mais atento em relação à sustentabilidade, embora ainda sejam necessários avanços, para que ocorram verdadeiras transformações estratégicas, e já vemos apostas em tecnologias emergentes. As quatro tendências apontadas no estudo global são aplicáveis à realidade do mercado brasileiro, onde também temos oportunidades da aceleração de tecnologias de Dados, IA, gestão de campanhas, personalização em escala e CRM”, destaca Guilherme Evans, sócio da Deloitte e Líder da Deloitte Digital.  

A pesquisa ouviu 1.015 executivos globais e realizou 23 entrevistas executivas para melhor entender como as principais marcas estão atendendo às necessidades dos clientes de hoje. 

“Profissionais de marketing estão olhando para as novas tecnologias, como metaverso e blockchain, e estão corretos em fazer isso. É bom que se adote essas tecnologias, mas ainda há muitas dúvidas relacionadas a elas. O que é fundamental é questionar, primeiramente, quais são os reais benefícios da entrada no metaverso, por exemplo, e como isso se conecta com a estratégia de negócios da empresa. Não se pode entrar por entrar. No caso do blockchain, há uma maturidade um pouco maior, por estar há mais tempo disponível no mercado, principalmente no caso de marcas que atuam em ambientes regulatórios, mas o desafio também é entender como a tecnologia pode ajudar a atender as estratégias de negócios e habilitar novas oportunidades de diferenciação no mercado”, declara Maximiliano da Luz, sócio da Deloitte Digital.

Marcas respondem à instabilidade econômica com investimentos em marketing

A maior parte (75%) dos profissionais de marketing mais preocupados com a instabilidade econômica está respondendo a isso com uma mentalidade de investimento. As maiores preocupações citadas pelas marcas são com a economia e a inflação. Neste cenário de incerteza, a principal prioridade das marcas é acelerar a mudança para novas tecnologias e plataformas digitais. Isso porque clientes cada vez mais experientes digitalmente esperam canais digitais que facilitem a experiência do usuário. Plataformas e tecnologias digitais também simplificam as operações de back-end e facilitam o rastreamento das preferências e comportamentos do cliente. Para acelerar a mudança para novas tecnologias, CMOs podem desenvolver relações de trabalho próximas com parceiros-chave em toda a organização. 

Outra prioridade apontada pelos profissionais de marketing é a expansão para novos mercados, segmentos e geografias. Entre os fatores citados pelos entrevistados estão: a expansão de serviços para novas áreas, melhorar a conscientização do produto, aprimorar a experiência do cliente e direcionar consumidores para plataformas digitais. A expansão para novos mercados pode corresponder ao aumento de operações em plataformas digitais. No entanto, um cliente com uma experiência ruim pode desencorajar outros clientes a se envolverem com a marca. Testando cuidadosamente as plataformas para acomodar neceblockssidades reais e ajudar a facilitar uma experiência engajadora, podem desempenhar um papel importante na retenção e no crescimento do envolvimento do usuário. 

Em contraste com métodos menos complexos de personalização do cliente, Customer Data Platforms e algoritmos podem ajudar CMOs a descobrirem novos insights sobre o comportamento e preferências do cliente a partir de fontes maiores de dados. As marcas podem trabalhar para combinar dados com metodologias centradas no ser humano para criar uma imagem mais completa e cultivar conexões mais profundas. 

CMOs impulsionam o crescimento por meio de esforços internos de sustentabilidade

Mais da metade das marcas estão investindo para conseguir colocar a casa em ordem quando se trata de sustentabilidade, um bom sinal de que estão procurando fazer um impacto autêntico e a longo prazo. Essas empresas estão planejando melhorar a sustentabilidade das práticas de marketing, promover produtos e serviços mais sustentáveis e estabelecer compromissos de sustentabilidade a longo prazo. Ainda assim, elas não estão priorizando a sustentabilidade tão prontamente como em anos anteriores. A ampla maioria dos profissionais de marketing (85%) está implementando iniciativas de sustentabilidade voltadas para o público e inciativas internas. 

A pesquisa aponta três formas de as marcas alavancarem suas iniciativas de sustentabilidade. A primeira é não recuar. Embora a redução dos investimentos em sustentabilidade possa parecer tentadora durante um tempo de incerteza econômica, manter um senso de perspectiva de longo prazo sobre as demandas em torno da sustentabilidade no horizonte podem ser vitais. Olhar para dentro é a segunda forma. Os profissionais de marketing podem incutir sustentabilidade ao longo de todo o ciclo de vida do produto para melhorar a eficiência, aumentar o valor da marca por meio do alinhamento com os valores do cliente e gerar um impulso contínuo para o crescimento. A terceira maneira é unificar a organização em torno deste propósito. O marketing pode e deve ter um papel preponderante nas questões de sustentabilidade dentro das organizações.  Profissionais de marketing se destacam em contar histórias e reunir pessoas por trás de seus esforços. Essas habilidades podem ser aproveitadas para liderar os esforços internos de sustentabilidade.

Criatividade como força de crescimento

As marcas de alto crescimento são mais propensas do que seus pares de crescimento menor a ter a mentalidade e os processos que permitam que a criatividade floresça. Uma visão simplista de crescimento às vezes leva ao declínio criativo na organização. Marcas de alto crescimento são mais propensas a criar um ambiente que apoie o pensamento criativo, incentivando a tomada de riscos e a colaboração multifuncional. Marcas com visão de futuro estão empregando a criatividade indo além das comunicações e publicidade da marca, como impulsionadora do crescimento. A maioria (89%) das empresas de alto crescimento concorda que seu sucesso de longo prazo depende da capacidade de promover a criatividade. Os CMOs entrevistados em todos os setores estão se voltando cada vez mais para os criadores de conteúdo como colaboradores criativos . Tanto as marcas quanto os criadores estão procurando parceiros com mais frequência. As marcas pesquisadas esperam praticamente dobrar suas parcerias nos próximos dois anos.

À medida que o espaço do criador se torna mais lotado, marcas e criadores podem encontrar valor mútuo em parcerias que destacam relevância, expectativas claras e liberdade criativa. De acordo com o estudo, as marcas podem promover uma cultura de criatividade que impulsiona o crescimento redefinindo o que a criatividade pode oferecer. A criatividade não está mais confinada na função de Marketing. Isso muda a prioridade dos CMOs de entregar projetos para a entrega consistente de produtos, serviços e experiências que permitem que uma marca se destaque. Outra forma de promover essa cultura é trazer o restante da organização para essa jornada. Enquanto CMOs e  profissionais de marketing podem desempenhar um papel de liderança em uma transformação de marca, todas as outras funções devem estar alinhadas com as aspirações empresariais. Por fim, inspirar a organização a pensar de forma diferente é um jeito de estimular a criatividade. Incentivar a tomada de riscos e dar espaço para o erro pode encorajar o pensamento criativo e gerar novas alavancas de resultados.

Metaverso e Blockchain são tecnologias em ascensão para os profissionais de marketing observarem

A pesquisa revela que há um interesse crescente das marcas pelo metaverso. Cerca de metade das empresas pesquisadas criará experiências do metaverso em 2023, mas a maioria (84%) planeja se engajar nisso nos próximos dois anos. As marcas relataram que a principal barreira para participar do metaverso é a dificuldade de implementação técnica. No entanto, 90% enxergam a entrada no metaverso como relevante para sua indústria. Já a pressão para abordar a privacidade pode estar alimentando o início da migração para blockchain; os CMOs que estão priorizando ambientes regulamentados já implementaram a ferramenta três vezes mais do que seus pares, sugerindo que blockchain tem alta relevância para este tipo de indústria. Quase metade (41%) dos CMOs entrevistados planejam apoiar suas estratégias de publicidade com blockchain. 

Em relação ao metaverso, o relatório sugere formas de as marcas começarem a adotar a tecnologia. Primeiro é importante definir os objetivos para criar experiências no metaverso e ficar atento aos primeiros adeptos que abrirão o caminho para uma adoção mais ampla em 2024 e nos anos seguintes. É fundamental considerar os desafios potenciais, incluindo cibersegurança, confiança, reputação da marca e gestão de direitos digitais. É necessário, ainda, pensar as prioridades da marca no desenvolvimento de suas estratégias de adoção. Os profissionais de marketing que falharem em definir uma estratégia com antecedência podem se ver tentando recuperar o atraso nos próximos anos. Quanto à adoção do blockchain é importante considerar cada indústria de atuação. Marcas que trabalham em ambientes regulatórios devem desenvolver estratégia para blockchain no próximo ano por motivos de privacidade de dados. Outras indústrias terão a oportunidade de construir a confiança do consumidor e fornecer uma experiência do cliente mais personalizada com blockchain. As marcas podem começar agora para estruturar as bases para a implementação da tecnologia esse ano.

Ideal H+K Strategies


Assessoria de imprensa
+55 (11) 4873-7632
deloitte@idealhks.com