Pular para o conteúdo principal

Perspectivas globais para o setor de Saúde 2024

Navegando pela transformação que moldará o futuro da prestação de cuidados de saúde

Os efeitos persistentes da Covid-19 ainda contribuem para a escassez generalizada de mão de obra e para o aumento dos custos, enquanto a adoção da inteligência artificial (IA) apresenta soluções possíveis. Prevista para desempenhar um papel fundamental na racionalização dos processos de cuidados de saúde, a IA promete precisão e eficiência desde a administração, às operações, à cadeia de abastecimento e ao atendimento ao paciente. A sustentabilidade assume um papel central à medida que as organizações de saúde adotam práticas ecológicas, abordando tanto as preocupações ambientais como a redução de custos. As tecnologias remotas estão remodelando a prestação de cuidados, estendendo-se para além dos serviços médicos e chegando aos cuidados sociais holísticos, reconhecendo a ligação entre os determinantes sociais e o bem-estar. Em resposta ao aumento dos custos, as partes interessadas implementam estratégias inovadoras, desde modelos de cuidados baseados em valor até adaptações da força de trabalho, definindo o futuro do setor nesta conjuntura crítica.

O estudo “Perspectiva global para o setor de Saúde 2024”, da Deloitte, examina como o futuro dos cuidados de saúde globais poderá ser moldado por estas tendências, impulsionando a inovação, a sustentabilidade, a integração da assistência social, a gestão de custos e a adaptação da força de trabalho.

No Brasil, disparidades, envelhecimento populacional, impactos da pandemia e sinistralidade são alguns dos principais desafios do setor

 

O ano de 2023 foi marcado por desafios na saúde brasileira, com a persistência dos impactos da pandemia da Covid-19 e o surgimento de novas questões de saúde. O sistema de saúde no Brasil divide-se entre público e privado, com 25% da população (cerca de 50,9 milhões de pessoas) utilizando serviços privados regulamentados, enquanto o restante depende de serviços não regulamentados ou do Sistema Único de Saúde (SUS). O País gasta aproximadamente 9,3% de seu PIB (Produto Interno Bruto) em saúde, totalizando cerca de R$ 800 bilhões, distribuídos entre saúde pública e privada.

Disparidades regionais e desigualdades. O Brasil apresenta grandes disparidades regionais na oferta de serviços de saúde, evidenciadas pela variação no número de médicos por mil habitantes, chegando a diferenças de até cinco vezes entre regiões. Essas desigualdades refletem na expectativa de vida, com variações significativas entre cidades e bairros, destacando a desigualdade social existente no acesso à saúde.

Envelhecimento populacional e obesidade. O Brasil enfrenta um rápido envelhecimento populacional, prevendo-se uma das maiores taxas do mundo, o que representa um desafio adicional para o sistema de saúde. A taxa de obesidade, tanto em crianças quanto em adultos, é outra preocupação crescente, projetando-se que 41% dos adultos brasileiros serão considerados obesos até 2035.

Impactos da pandemia e aumento de beneficiários da Saúde Suplementar. A pandemia levou, inicialmente, a uma redução temporária no uso de serviços de saúde devido ao distanciamento social, mas posteriormente houve um aumento significativo, resultando no ingresso de 4 milhões de brasileiros no sistema de saúde suplementar nos últimos três anos. O aumento de casos de autismo, somado a fraudes e abusos, contribuiu para um aumento nos gastos com saúde, pressionando financeiramente hospitais e planos de saúde.

Sinistralidade e desafios financeiros. A sinistralidade, indicador importante do sistema de saúde, permanece elevada, atingindo até 90% em alguns momentos. A questão da sustentabilidade financeira no setor de saúde é agravada pelos altos custos operacionais, especialmente para hospitais, que enfrentam desafios mesmo com o aumento da demanda.

Explore os principais destaques do estudo:

Como consequência da pandemia, os sistemas de saúde em todo o mundo estão adotando tecnologias emergentes para enfrentar os desafios atuais, incluindo a redução de custos, a melhoria do acesso aos cuidados de saúde e a escassez de trabalhadores qualificados. A IA e outras tecnologias oferecem o potencial para personalizar as interações com os pacientes, agilizar os processos administrativos e de atendimento, e liberar os médicos para se concentrarem em procedimentos complexos. Os investimentos sustentados em tecnologia são cruciais para aproveitar plenamente o seu potencial e transformar a prestação de cuidados de saúde.

Principais conclusões:
 
  • Os prestadores de saúde começaram a fazer parcerias com empresas tecnológicas para desenvolver ferramentas de IA que possam prever melhor os resultados clínicos, melhorar as imagens radiológicas e otimizar a monitorização do sono.
  • A IA tem potencial para transformar os cuidados de saúde, otimizando as funções administrativas e a prestação de cuidados. Terá benefícios financeiros e não financeiros, como melhoria da qualidade do atendimento, melhor experiência do paciente e maior satisfação do médico. Os prestadores privados podem obter os maiores benefícios com a otimização do atendimento, dos sinistros e da gestão do relacionamento com os prestadores.
  • A IA preditiva poderia prever volumes de pacientes e ajudar os hospitais a ajustar pessoal e recursos, prevendo necessidades futuras, analisando dados detalhados e identificando padrões e tendências de alto impacto.
  • A IA está rapidamente tornando-se uma necessidade competitiva no setor. No entanto, muitas organizações ainda estão compreendendo o que a IA pode significar para elas. A Deloitte criou o AI Dossier para fornecer aos líderes de diferentes setores resumos dos principais problemas e oportunidades, além de como a inteligência artificial pode ajudar a alcançá-los.

O aumento dos custos dos cuidados de saúde representa um desafio à qualidade, ao acesso e à acessibilidade em todo o mundo. A pandemia intensificou a escassez de pessoal, a inflação e os atrasos na procura, aumentando ainda mais os custos. Os modelos baseados na tecnologia oferecem soluções potenciais para uma prestação de cuidados mais eficiente e econômica. Para fazer face ao custo crescente dos cuidados de saúde e melhorar a acessibilidade, os países devem explorar soluções inovadoras que aproveitem a tecnologia para melhorar os modelos de prestação de cuidados. Isso inclui a utilização de telemedicina, monitoramento remoto e inteligência artificial para otimizar a alocação de recursos, agilizar processos e personalizar o atendimento ao paciente.

Principais conclusões:
 
  • Embora as despesas com a força de trabalho sejam um dos principais impulsionadores do aumento dos custos de saúde, outros fatores também contribuem. O custo de manutenção de instalações de cuidados é um fator.
  • As organizações de saúde em todo o mundo começam a implementar tecnologias inovadoras, como enfermarias virtuais e ferramentas de diagnóstico baseadas em IA, para reduzir os custos dos cuidados relacionados com a idade. Os prestadores também estão investindo em tecnologia para acelerar diagnósticos e reduzir custos de tratamento de doenças crônicas.
  • O turismo médico, particularmente para pacientes nos Estados Unidos,  tornou-se cada vez mais popular entre as empresas e seguradoras como forma de reduzir os custos dos cuidados de saúde. 
  • O atual ambiente de custos exige novas estratégias para transformar a organização. A redução de custos tradicional pode já não ser suficiente. Em vez disso, as organizações de saúde devem transformar-se por meio da construção de novas capacidades, relacionamentos e competências.

O setor global de saúde enfrenta uma grave escassez de trabalhadores, com projeções indicando um déficit de 10 milhões até 2030. Essa escassez é impulsionada por vários fatores, incluindo esgotamento, reservas limitadas de talentos, alterações demográficas e taxas de migração. Prevê-se que a procura de profissionais de saúde aumente 29% na próxima década, exigindo medidas transformadoras para enfrentar este desafio crítico. O desafio é profundo – e global, mas como pode a indústria trazer uma mudança nos seus modelos de cuidados?

Principais conclusões:
 
  • O esgotamento dos médicos é uma das principais causas da escassez de mão de obra no setor.
  • Para reter e atrair a força de trabalho clínica, as lideranças do setor têm a responsabilidade de reconstruir a sua confiança e restaurar o significado, o valor e o propósito da sua indústria. Ouvir os trabalhadores da linha da frente, reconhecer a sua autonomia clínica, elevar a sua voz à liderança e construir uma cultura inclusiva são algumas das formas pelas quais as organizações tentam alcançar este objetivo.
  • Além de construir confiança e pagar mais aos médicos, a tecnologia poderia aliviar alguns dos maiores contribuintes para o esgotamento, como as tarefas administrativas. A inteligência artificial tem o potencial de assumir a carga de documentação, lidar com fluxos de trabalho pré-operatórios e ajudar com reclamações de seguros.
  • Os prestadores que procuram ajudar a melhorar o seu recrutamento e retenção podem ter de considerar a transformação dos seus modelos de cuidados e a reformulação dos empregos.

O modelo tradicional de cuidados de saúde, centrado no tratamento das doenças depois destas ocorrerem, está mudando para uma abordagem holística que inclui os determinantes sociais da saúde. Este modelo integrado incorpora serviços sociais e de saúde para prevenir doenças e promover o bem-estar. Para fazer a transição para um sistema orientado pelos determinantes sociais, os governos e os prestadores de saúde devem investir na força de trabalho da assistência social e implementar modelos holísticos de prestação de serviços que priorizem a prevenção e atendam às necessidades das comunidades mal servidas.

Principais conclusões:
 
  • Vários países estão iniciando parcerias para construir uma lista mais resiliente de talentos na área da assistência social – e para aumentar a atratividade destas carreiras.
  • Outro foco dos governos é garantir que os investimentos nos determinantes sociais da saúde sejam distribuídos equitativamente pelas populações mal servidas.
  • A prestação de serviços de assistência social às populações carenciadas é um desafio perene que foi exacerbado durante a pandemia. A tecnologia pode ajudar. Numerosos exemplos mostram como a tecnologia pode apoiar a inclusão, ao mesmo tempo que serve uma vasta gama de populações.
  • Os prestadores que se esforçam por dar prioridade à assistência social como parte do seu compromisso de proporcionar uma saúde integral devem estabelecer quadros sustentáveis para o recrutamento e formação de mão de obra.

As alterações climáticas representam riscos significativos para a saúde, especialmente em zonas de baixos rendimentos com infraestruturas de saúde deficientes. O setor precisa se adaptar às suas práticas para mitigar o impacto das alterações climáticas nos cuidados aos pacientes e na prestação de cuidados. As organizações de saúde devem implementar medidas de sustentabilidade para reduzir o impacto ambiental e melhorar a resiliência às alterações climáticas. Além disso, devem trabalhar com os decisores políticos para desenvolver infraestruturas resistentes às alterações climáticas e colaborar com organizações comunitárias para abordar os determinantes sociais da saúde que são exacerbados pelas alterações climáticas.

Principais conclusões:
 
  • Existem graves crises de calor em regiões não habituadas a temperaturas perigosamente elevadas. Uma das formas como os hospitais abordam a insegurança energética aguda e que afeta a prestação de cuidados é por meio da construção de resiliência nas suas operações.
  • As regulamentações de sustentabilidade variam de região para região. Na ausência de um programa abrangente de envolvimento dos fornecedores, de padronização ou de mandatos claros, quebrar as barreiras entre compras e cuidados clínicos pode ser um desafio.
  • Medir o impacto ambiental e ser capaz de comparar e aprender com os pares sobre como minimizar o impacto é outra forma do setor construir sistemas mais sustentáveis.
  • O compromisso com a partilha de informação também pode influenciar os resultados de saúde para as populações desproporcionadamente afetadas pelos determinantes sociais da saúde.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

Se você quiser ajudar a melhorar ainda mais o Deloitte.com, preencha o formulário Pesquisa de 3 minutos