Skip to main content

O papel da ESG no processo de avaliação de crédito

Sandeep Sarkar

À medida que se intensifica o debate sobre as alterações climáticas e a necessidade de atuar neste domínio, os bancos e outras instituições financeiras enfrentam uma pressão cada vez maior no sentido de terem em conta as questões ambientais, sociais e Governance (ESG) ao tomarem decisões de investimento. A evolução do panorama regulamentar em torno deste tópico define ainda mais o contexto para a existência de um mecanismo que permita aos bancos incorporar fatores ESG nos seus quadros de risco. Este artigo analisa a forma como os fatores ESG podem ser incorporados no processo de avaliação do crédito.

O que é o ESG?

ESG é um acrónimo de Environmental, Social and (Corporate) Governance (Ambiente, Social e Governação (Empresarial)) - os três pilares que avaliam principalmente o empenho e o avanço de uma empresa em objetivos relacionados com a sustentabilidade e as alterações climáticas.

A figura seguinte descreve sucintamente o que constitui cada um destes pilares:

Capta o impacto das externalidades, como as alterações climáticas, as políticas relacionadas com o clima, a utilização de recursos naturais nas operações, etc.

Representa a forma como a organização se concentram em questões sociais, como as leis laborais e o bem-estar dos animais, dentro e fora da empresa

Aborda a estrutura e a responsabilidade dos quadros superiores em relação aos trabalhadores, acionistas, sociedade, etc.

Processo tradicional de avaliação de crédito

O processo de avaliação de crédito tem-se baseado tradicionalmente em duas avaliações fundamentais para estimar a qualidade do crédito: (i) financeira e (ii) não financeira.

A avaliação financeira envolve a análise das tendências financeiras históricas e previstas das principais métricas, como o crescimento das receitas, as margens de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA), a alavancagem e a capacidade de pagamento da dívida.

A análise não financeira envolve o estudo do negócio, da indústria, da gestão, etc. Estas avaliações ajudam o avaliador de crédito a compreender o risco inerente à proposta/transação, o que se traduz numa classificação interna adequada para o mutuário.

Evolução do ESG no processo de avaliação de crédito

O mundo tornou-se mais consciente do ponto de vista social e ambiental. Os intervenientes no mercado, incluindo os emitentes, os intermediários e os bancos, estão a enfrentar uma pressão significativa para avaliar a influência dos factores ESG nas suas actividades.

À medida que os fenómenos relacionados com as alterações climáticas se tornam mais frequentes, os riscos relacionados com o clima já não podem ser ignorados. Estes tendem a ter implicações financeiras e não financeiras para as organizações a nível mundial. Além disso, a inclusão da força de trabalho e outras questões relacionadas com o capital humano nas estratégias empresariais ganharam proeminência. Estes fatores têm potenciais implicações em termos de risco para a reputação se não forem devidamente abordados.

Os Princípios para o Investimento Responsável (UN-PRI), apoiados pelas Nações Unidas, também reconheceram que os fatores ESG podem afetar os fluxos de caixa dos mutuários e a probabilidade de incumprimento das obrigações de dívida. Por conseguinte, os fatores ESG surgiram como elementos importantes na avaliação da fiabilidade creditícia dos mutuários.

Para abordar plenamente os principais riscos de mercado e idiossincráticos nos mercados de capitais de dívida, os subscritores, as agências de notação de crédito e os investidores devem considerar a potencial materialidade financeira dos fatores ESG de uma forma estratégica e sistemática.

- ONU-PRI

Este ponto de vista foi ainda mais reforçado pelas principais entidades reguladoras mundiais que estão a insistir na divulgação obrigatória de informações de ESG.

Por exemplo, a Autoridade Bancária Europeia (ABE) emitiu orientações que exigem que os bancos avaliem os riscos associados aos factores ESG na estabilidade financeira dos mutuários - em particular, o impacto potencial dos factores ambientais e das alterações climáticas. Na Índia, o Securities and Exchange Board of India (SEBI) introduziu as orientações para o Relatório de Responsabilidade Empresarial e Sustentabilidade (BRSR) em maio de 2021. Estas directrizes baseiam-se nas orientações anteriormente emitidas para os relatórios de responsabilidade empresarial e obrigam as 1 000 principais entidades cotadas a comunicar as suas informações relacionadas com ESG num formato prescrito.

As normas contabilísticas aceites e disponíveis a nível mundial (prevendo-se a publicação de novas normas nos próximos anos) também permitem calcular vários parâmetros ESG fundamentais de uma forma científica. Isto ajudará a superar os desafios da indisponibilidade de tais dados.

Espera-se que a maior disponibilidade de dados relevantes atenue os desafios associados à inclusão da perspetiva ESG nos quadros de avaliação de risco das instituições financeiras, especialmente durante a avaliação do crédito. Isto ajudará a avaliar o risco de perda dos investimentos de crédito, que pode ser traduzido numa classificação interna dos mutuários afetados por factores ESG.

Sobreposição de ESG na avaliação de crédito

Uma abordagem racional para o fazer envolve a utilização de uma metodologia de pontuação para sobrepor uma visão ESG ao processo de avaliação do crédito. O scorecard pretende avaliar um mutuário em vários parâmetros dentro de cada pilar ESG, utilizando técnicas quantitativas e qualitativas para a avaliação do risco. A figura abaixo indica a estrutura que poderia ser utilizada num tal quadro de pontuação ESG:

O scorecard pode incluir uma abordagem setorial, em que o desempenho de cada mutuário é comparado com o de outros no mesmo sector. Podem ser atribuídos pesos adequados a cada parâmetro no âmbito dos três pilares, assegurando que as variações específicas do sector nos parâmetros também são captadas.

Com base na facilidade de disponibilidade dos dados de entrada, pode também ser atribuído um ajustamento/modificador de divulgação. Por exemplo, é atribuída uma pontuação mais elevada a uma empresa se os dados de entrada estiverem publicamente disponíveis.

Após o cálculo de uma pontuação em relação a cada pilar individual, pode ser utilizada uma técnica de normalização para obter uma pontuação ESG global para o mutuário. Esta pontuação pode então ser utilizada para sobrepor a classificação/pontuação do mutuário obtida através dos modelos de classificação existentes. Os bancos podem também escolher menos parâmetros de cada pilar que considerem mais relevantes no contexto das suas carteiras.

Conclusão

A integração de fatores de ESG na análise de crédito reforça a capacidade de uma instituição financeira para avaliar o risco de perda dos seus investimentos de crédito à luz da transição e dos riscos físicos associados às alterações climáticas.

Uma abordagem sobreposta às avaliações ESG é um primeiro passo importante para atingir este objetivo. Um scorecard é escalável e pode ser adaptado aos vários requisitos de um banco, sendo flexível para responder aos regulamentos aplicáveis à jurisdição em que cada banco opera.

Recomendado