Skip to main content

O ponto de viragem da Ásia-Pacífico

Como a ação climática pode impulsionar o nosso futuro económico

O tempo está a esgotar-se para agir sobre as alterações climáticas. Mas, em vez de a ação climática ser um sorvedouro para a nossa economia, o nosso relatório sobre a Ásia-Pacífico mostra que irá aumentar significativamente o PIB e acelerar um crescimento fenomenal.

Com a descarbonização a funcionar como um novo motor económico, a Ásia-Pacífico desempenha um papel fundamental no fornecimento de competências, tecnologia, inovação e financiamento para esta transformação global.

Se agirmos rapidamente e com coragem, temos uma oportunidade única de criar um novo motor para a prosperidade económica sustentável e evitar os piores impactos de um clima alterado.

O ponto de viragem da Ásia-Pacífico

Como a ação climática pode impulsionar o nosso futuro económico

O ponto de viragem da Ásia-Pacífico

Como a ação climática pode impulsionar o nosso futuro económico

Descarregue o relatório | Descarregue o anexo técnico

Destaques da Ásia-Pacífico

Imperativo económico - o nosso ponto de viragem

O custo de não fazer nada é economicamente devastador

Perda de 96 biliões de dólares da economia da Ásia-Pacífico até 2070.

Isto representa uma perda de 16 biliões de dólares só em 2070, o equivalente a toda a economia da China atual.

Fonte: Deloitte Economics Institute, dados das contas nacionais do Banco Mundial e ficheiro de dados das contas nacionais da OCDE.

Dispomos de um curto espaço de tempo para mudar o futuro. É necessário tomar decisões na próxima década para combater o pior impacto e acelerar o crescimento económico.

Agir sobre as alterações climáticas é o novo motor económico

47 biliões de dólares acrescentados à economia da Ásia-Pacífico até 2070.

Um ganho de 11 biliões de dólares só em 2070 - equivalente ao acréscimo das economias do Japão, Índia, Coreia do Sul e Austrália à região.

Fonte: Banco Mundial. (2021). Crescimento anual do PIB em %. Dados seleccionados dos dados das contas nacionais do Banco Mundial e dos ficheiros de dados das contas nacionais da OCDE 1960-2020.

75% do PIB da Ásia-Pacífico está exposto a perturbações climáticas e 50% da força de trabalho mundial é afetada.

Fonte: Deloitte Economics Institute.

A Ásia-Pacífico é quem mais tem a ganhar com a ação

Através de uma ação concertada e coordenada ao longo da próxima década, podemos transformar os sistemas de produção subjacentes à nossa economia, através da tecnologia e do financiamento, e exportar a descarbonização a nível mundial. O setor industrial de produção crescerá três vezes mais depressa do que o resto do mundo e criará um novo motor de prosperidade.

Fonte: Deloitte Economics Institute.

  1. 2025-AP Acções climáticas arrojadas: As decisões começam a ter impacto na descarbonização
  2. 2035—Mudança coordenada: Ocorrem grandes mudanças económicas na política, na energia e nos consumidores.
  3. 2050 —Ponto de viragem: A descarbonização das indústrias com emissões elevadas está quase concluída. Os custos das tecnologias sustentáveis começam a diminuir e os ganhos económicos líquidos a aumentar.
  4. A partir de 2050 - Um futuro com baixas emissões: Transformação radical da estrutura económica. Economias da Ásia-Pacífico muito próximas de net-zero e a funcionar num mundo que mantém o aquecimento global a cerca de 1,5°C.

Conheça os dados

fallbackimage

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

If you would like to help improve Deloitte.com further, please complete a 3-minute survey