This site uses cookies to provide you with a more responsive and personalized service. By using this site you agree to our use of cookies. Please read our cookie notice for more information on the cookies we use and how to delete or block them.

Bookmark Email Imprimir esta página

Banca em Análise Angola 2012

Solidez, dinamismo e confiança


Por favor proceda ao download dos anexos  

É com muito gosto que apresentamos a 7.ª edição do estudo Banca em Análise. Esta iniciativa anual da Deloitte Angola resulta da compilação e análise de informações financeiras dos bancos que operam no país. O objectivo é proporcionar a todos os agentes económicos uma visão integrada e consolidada do sector bancário e da sua evolução.

Em 2011, a economia angolana apresentou uma taxa de crescimento real moderada, tendo a componente não-petrolífera evoluído fortemente. Também o sistema financeiro continuou a demonstrar uma enorme capacidade de crescimento – em volume de depósitos captados, em crédito concedido ao sector privado e em volume de activos. As taxas de crescimento em todos estes indicadores foram significativamente mais expressivas do que as do ano anterior. Esta evolução é demonstrativa da preponderância do sistema financeiro enquanto facilitador do crescimento económico, sobretudo nos sectores não-petrolíferos.

O crescimento sustentado do sector financeiro é ainda um factor essencial para o acesso do país aos mercados financeiros internacionais. Mas não basta crescer. É fundamental transmitir aos investidores credibilidade, transparência e confiança. Várias alterações legislativas e outras normas regulamentares e de supervisão têm evoluído neste sentido. A melhoria verificada na notação da economia angolana pelas agências externas de rating mostra que este é o caminho certo.

Vários estudos avançam com previsões de fortíssimo crescimento da banca angolana até 2020, sendo expectável que o volume total de activos no sistema venha, no mínimo, a quintuplicar. Neste cenário, é fundamental que as organizações apostem continuamente no reforço das suas estruturas – na optimização dos seus processos, na adaptação dos seus modelos de governance e gestão de risco, na qualificação das suas pessoas, no desenvolvimento da sua oferta de produtos e serviços, na maior proximidade com os seus clientes. São estes os alicerces do futuro.

 

Rui Santos Silva
Country Managing Partner

 

 

 

 

 

Media Partner

Conteúdos relacionados