Ir para o conteúdo principal

Da validação à otimização: os desafios de uma perspetiva de modelos em crescimento

Inquérito de Gestão do Risco de Modelo

A gestão do Risco de Modelo continua a aumentar a sua importância, uma vez que os bancos dependem cada vez mais de modelos. Eventos globais recentes, como a pandemia de COVID-19, também revelaram as fraquezas dos modelos e das práticas de gestão de risco de modelo, quando expostos a alterações abruptas do panorama. Uma estrutura madura de gestão de risco de modelo permite definir com clareza o universo de modelos utilizados pelo banco e todas as etapas do ciclo de vida de cada modelo, e permite a sensibilização e mitigação do risco dentro dos bancos. Como são estas estruturas nos diferentes bancos e quais são os principais desafios e as próximas etapas?

 

Abordagem e Inventário de Modelos: A base para uma gestão eficiente do risco de modelo

O inventário de modelos é o repositório central para todos os modelos e a base para uma gestão eficiente do risco de modelo. Contém o âmbito da gestão de risco de modelo, mas é também a fonte de toda a informação sobre risco de modelo.

  • De acordo com o inquérito, a maioria dos bancos tem a definição de modelo devidamente documentada, e a maioria dos bancos utiliza uma série de árvores de decisão, scorecards e questionários para avaliar os candidatos à definição de modelos.
  • À medida que a dependência dos modelos aumenta nos bancos, o inventário de modelos e o âmbito do quadro de gestão do risco de também aumentaram. O número médio de modelos no inventário é de cerca de 90 modelos para pequenos bancos, 170 para bancos de média dimensão, e 650 para grandes bancos.

 

Governação e ciclo de vida do modelo

Uma governação mais forte do modelo ao longo de todo o seu ciclo de vida é um requisito fundamental para o quadro de gestão do risco de modelo.

  • O papel do proprietário é fundamental na governação do modelo, e 86% dos bancos indicam que definiram e documentaram claramente esse papel com clareza. No entanto, os bancos enfrentam vários desafios no que diz respeito à adoção desse papel. O principal desafio é garantir que as pessoas assumam as responsabilidades do papel do proprietário do modelo.
  • A estrutura de reporte utilizada pela maioria dos bancos - que também evolui como uma boa prática para os bancos – considera o reporte direto do responsável pela gestão do risco de modelo ao CRO.
  • À medida que o número de modelos aumenta, as responsabilidades do comité também aumentam. Mais de metade dos grandes bancos indicam que fazem uma distinção entre os comités de gestão de risco operacionais e estratégicos.
  • Um grande número de bancos indica que as equipas de desenvolvimento e validação de modelos não dispõem de recursos suficientes. Os bancos indicam, no inquérito, que as principais razões são o número crescente de modelos no âmbito da gestão de risco de modelo, o aumento dos requisitos regulamentares, a falta dos recursos quantitativos certos e as restrições orçamentais.

 

Tecnologia e ferramentas: Potencial de melhoria

As implementações bem-sucedidas do quadro de gestão de risco de modelo são frequentemente apoiadas por ferramentas de gestão de risco de modelo.

  • Embora o Excel seja a ferramenta mais utilizada pelos bancos de todas as dimensões, os grandes bancos utilizam com maior frequência soluções de fornecedores ou soluções desenvolvidas internamente.
  • O inventário de modelos é, de longe, a funcionalidade mais utilizada na gestão de ferramentas do risco de modelo. O armazenamento de resultados e análises e relatórios de risco são também bastante comuns.
  • Existe um grande potencial de melhoria na gestão de ferramentas do risco de modelo , relativamente à utilização eficaz da informação disponível. Na maioria dos bancos faltam frequentemente componentes analíticas e de reporte.

 

Mitigação do risco: Monitorização e reporte de modelos

A monitorização de modelos pode ajudar a aliviar as pressões de recursos tanto no desenvolvimento como na validação de modelos. Por exemplo, oferece informações mais frequentes e atualizadas sobre a qualidade e materialidade dos modelos, sem a realização validações manuais ou revisões da 1ª linha.

  • Os bancos indicam que o desempenho do modelo, os resultados do modelo e as características/estabilidade da carteira são monitorizados com frequência. 87% dos bancos indica que a monitorização do modelo é realizada para modelos de risco de crédito, enquanto apenas 64% a realiza para modelos de risco de mercado.
  • Quase dois terços dos bancos indicam que o processo de monitorização dos modelos não é automatizado. Se fosse, isto resultaria em formas mais inteligentes de trabalhar ao longo do ciclo de vida do modelo e numa utilização mais eficiente de recursos escassos.
  • 77% dos bancos indica que gera relatórios periódicos sobre os riscos de modelo à sua direção ou administração. Adicionalmente, 59% dos bancos indica que tem um apetite ao risco de modelos. Contudo, as atuais perceções do mercado indicam que estas declarações de apetite ao risco são muitas vezes simples e centradas nos resultados da validação dos modelos.

 

O futuro da gestão do risco de modelo

A maioria dos bancos indicou que pretende melhorar o seu quadro de gestão em várias áreas dentro dos próximos dois anos. Pelo menos mais de metade dos bancos tenciona implementar melhorias nas áreas de analytics e reporte, alargamento do âmbito dos modelos considerados no quadro de gestão de risco de modelo, governação do risco de modelo, políticas e normas de risco de modelo e padronização dos processos. Destas áreas, as políticas e normas de risco de modelo e a padronização de processos são consideradas como as áreas mais difíceis de melhorar.

 

Inquérito de Gestão do Risco de Modelo

As respostas às perguntas deste artigo estão incluídas na primeira edição do Inquérito de Gestão do Risco de Modelo da Deloitte. Este inquérito apresenta os nossos conhecimentos sobre as atuais práticas e desafios de gestão do risco de modelo dos bancos em toda a Europa, Médio Oriente e África do Sul (EMEA). Foi realizado entre novembro 2020 e fevereiro de 2021. Participaram um total de 80 bancos em toda a EMEA. O inquérito abrange todos os elementos-chave da gestão de risco de modelo em quatro temas: governação, abrangência e inventário de modelos, tecnologia e ferramentas, e monitorização e reporte. O inquérito apresenta informações valiosas sobre gestão de risco de modelo, que visam ajudar os bancos a tornarem-se instituições mais responsáveis.

Did you find this useful?

Thanks for your feedback

Se quiser ajudar a melhorar o site Deloitte.com, por favor preencha um formulário Inquérito de 3 minutos