Pular para o conteúdo principal

Da aceitação à inclusão

As firmas tradicionais da Deloitte têm um longo histórico de promoção da diversidade e da inclusão em todo o mundo. Hoje, para a Deloitte, a inclusão cultural continua sendo uma das principais prioridades, mesmo sabendo que ainda é um trabalho em andamento.

No final da década de 1950, a firma predecessora da Deloitte, Howard Pim & Hardy, contratou um novo contador. No entanto, a empresa teve que pedir permissão aos clientes antes de enviar Norman Song para uma auditoria, porque Norman Song era chinês e a Howard Pim & Hardy operava na África do Sul do Apartheid.

Howard Pim, fundador da empresa sul-africana de legados Howard Pim & Hardy e um ativista anti-apartheid.

A empresa tinha a reputação de desafiar o regime opressivo da África do Sul. O fundador Howard Pim lutou contra a segregação no início dos anos 1900 e direcionou seu foco filantrópico para os cidadãos negros do país.

A Deloitte & Co., que se uniria à empresa de Pim como parte da fusão da Deloitte & Touche em 1989, também foi líder na defesa dos direitos das minorias. Ela contratou seu primeiro funcionário negro em 1974. Dez anos depois, Vassi Naidoo foi nomeado sócio - o primeiro sócio negro de uma empresa sul-africana. Vassi Naidoo passou a trabalhar na Deloitte Southern Africa como CEO.

Membros do grupo de recursos Deloitte GLOBE marcham em uma parada do orgulho britânico em Londres.

A inclusão racial tem sido apenas uma das prioridades culturais da Deloitte. Em 1995, um grupo de seis funcionários LGBT nos EUA pressionou a liderança da Deloitte LLP, resultando na inclusão de pessoas LGBT no registro anual da Comissão de Oportunidades Iguais de Emprego da Deloitte LLP, bem como na criação do grupo de recursos de funcionários GLOBE. Esses esforços ajudaram a Deloitte LLP a alcançar uma pontuação perfeita no Índice de Igualdade Corporativa da Human Rights Campaign em 2006 - uma classificação que mantém desde então. Nos últimos anos, os Conselhos de Inclusão se juntaram ao esforço para aumentar a representação e reforçar a importância da diversidade em todo o mundo.

Além disso, a Deloitte deu uma nova ênfase ao maior grupo sub-representado: as mulheres. As mulheres trabalham na Deloitte e em suas antecessoras há mais de um século. A primeira datilógrafa entrou para a Deloitte, Plender, Griffiths & Co. em 1902 e a Haskins & Sells contratou sua primeira contadora após a Primeira Guerra Mundial. A Touche Ross tornou-se a primeira grande empresa de contabilidade a ter uma sócia mulher, Dorothy Willard, após uma fusão em 1967 e, em 1969, foi a primeira a nomear uma sócia mulher, Mary J. McCann. No entanto, embora tenha havido progresso ao longo dos anos, a paridade de gênero continua sendo um desafio e uma preocupação significativa atualmente.

Para enfrentar esse desafio, a Deloitte lançou o ALL IN em 2019, com foco na aceleração da promoção de mulheres a cargos de liderança em todo o mundo. Os esforços de gênero e inclusão de todas as firmas-membro serão avaliados, desde a contratação e a integração até a promoção e a sucessão, para que a Deloitte do futuro tenha um fluxo constante e crescente de mulheres líderes.

Quanto melhor entendermos uns aos outros, maior será a esperança de uma África do Sul pacífica e próspera. O progresso futuro da África do Sul está inseparavelmente ligado à prosperidade econômica de todos os setores da população sul-africana.

-Howard Pim, fundador, Howard Pim & Hardy, 1905