This site uses cookies to provide you with a more responsive and personalized service. By using this site you agree to our use of cookies. Please read our cookie notice for more information on the cookies we use and how to delete or block them.

Bookmark Email Imprimir esta página

Artigo de opinião

"ANEOP e Deloitte desenvolvem nova abordagem do sector da construção"
por Dr. António Manzoni - ANEOP

O ponto de partida

A Associação Nacional de Empreiteiros de Obras Públicas (ANEOP) e a Deloitte estabeleceram uma parceria para estudar e perspectivar a evolução do sector nos próximos dois anos. Trata-se de uma colaboração entre entidades diferentes, a ANEOP agrupa e representa as maiores empresas do sector e a Deloitte é uma consultora de referência, mas estamos cientes que essa diversidade não deixará de contribuir para uma melhor avaliação do papel das empresas e da construção em Portugal.

As grandes empresas de construção, em Portugal e no Mundo, estão numa fase de grande transformação e a iniciar ou a consolidar processos de diversificação, de internacionalização e de concentração, pretendemos identificar com precisão estas mudanças e, para tal, começámos por recolher a opinião dos principais responsáveis das maiores empresas. O estudo ainda está em curso, estamos na fase do brainstorming e das incertezas cruciais, mas, ainda assim, existe a convicção generalizada que estamos a analisar um sector em “ebulição” e em rápida transformação, tanto em termos macro como micro, daí a necessidade de uma nova abordagem do conceito de construção. Efectivamente, como resultado das alterações profundas na sociedade, a actividade da construção mudou e está a evoluir muito rapidamente

Assim, o somatório dessas alterações quantitativas e qualitativas obriga a reequacionar a actividade, a redefinir o seu objecto e o posicionamento das empresas para permanecerem competitivas num sector tradicional em transformação.

A abordagem tradicional

As Nações Unidas classificam a construção como a actividade económica directamente envolvida na criação, renovação, reparação e extensão dos activos físicos em forma de edifícios, melhoramentos fundiários e obras de engenharia, tais como, entre outras, estradas, pontes. Esta definição clássica corresponde à visão tradicional e restrita da construção.

Nesta avaliação “restrita”, a construção deve ser considerada uma actividade industrial, na medida em que utiliza matérias-primas que transforma em produtos finais, edifícios e infra-estruturas. Mas sempre existiu a sensação e a convicção de que as fronteiras da construção extravasavam as da indústria. Efectivamente, as suas actividades atravessam o conjunto dos sectores, primário, secundário e terciário, e incluíam a extracção de matérias-primas, exclusivamente utilizadas na construção, a produção industrial de bens e os serviços indispensáveis à execução das obras, vendas, manutenção e utilização ao longo de toda a vida útil da estrutura.

No entanto, a forma tradicional de medição do sector só incorpora a componente industrial e, assim, deixa de lado o seu contributo directo para a qualidade de vida e o ambiente.

A perspectiva alargada

Ora, a construção é muito mais que o acto de construir em si. Desde logo, deve incluir o conjunto das actividades que a montante e a jusante são indispensáveis para a construção, ou seja, o conjunto de serviços e de produtos que só se comercializam porque estão integrados no processo construtivo, como acontece, por exemplo, com os estudos prévios e os projectos de arquitectura, engenharia, fiscalização, com os materiais de construção e todos os serviços associados à promoção imobiliária, ao marketing e às vendas. Mas, com a globalização e o novo paradigma económico do desenvolvimento sustentado, a actividade da construção não deve centrar-se, apenas, no produto da construção, mesmo que este seja considerado numa perspectiva mais ampla, que englobe o conjunto de actividades correlacionadas a montante e a jusante, mas deve expandir-se de forma incluir a “gestão do conjunto do stock edificado”.

Esta “nova visão” alargada da construção, também designada como abordagem “holística”, que inclui o acto de construir e o stock edificado, tem duas consequências. De um ponto de vista macroeconómico, a construção deixa de ser uma actividade industrial típica, um sector produtor de casas, de locais de trabalho ou de infra-estruturas, e transforma-se numa actividade multi-disciplinar criadora e gestora da riqueza imobiliária, ou seja, mantém as suas características produtivas de criação de novos activos, mas, simultaneamente, adquire a dimensão da gestão da riqueza imobiliária ao longo de todo o ciclo de vida dos produtos edificados.

Entretanto, do ponto de vista social, o objecto da construção centra-se na melhoria da qualidade de vida, logo os novos produtos construídos devem ser adequados às necessidades e integrar-se de forma eficiente no edificado existente. Numa perspectiva microeconómica, as empresas podem alargar o seu espectro de negócio e apostar na prestação de serviços associados ao edificado.

Na perspectiva alargada, a construção é, como referimos, muito mais do que o acto de construir propriamente dito, pode ser entendida como um conjunto alargado de actividades que contribuem para responder a um dos principais desafios da economia e da sociedade, a saber, a produção e a gestão dos modos de vida e das condições ambientais do conjunto da população. Assim, o objectivo principal da construção não é a mera produção de estruturas, de habitação, de locais de trabalho ou de obras de engenharia civil.

No essencial, trata-se de construir e garantir a eficiência dessas estruturas ao longo de todo o seu ciclo de vida, ou seja, a sua produção, fruição e conservação até à respectiva demolição.

Neste sentido, uma abordagem alargada da construção introduz uma outra visão temporal do sector e dos seus desafios e, simultaneamente, corresponde à terciarização da actividade, com a passagem da óptica estrita da produção para a prestação de serviços e a gestão de activos. Na realidade, o valor da construção para a economia resulta do facto de ela ser um motor do crescimento e um catalisador para que as outras actividades possam fazer bem. De facto, o funcionamento eficiente da construção assegura a “qualidade de vida”, garante uma boa envolvente para os negócios e as necessárias infra-estruturas para responder às necessidades quantitativas e qualitativas das famílias e das empresas.

Como se compreende, a construção não deve ser encarada, apenas, como uma actividade produtora de bens mas, também, como parte do processo de criação e manutenção da envolvente construída, “da qualidade e dos modos de vida” e, daí, a sua importância estratégica e o seu potencial de crescimento a prazo, porque o desenvolvimento implica, necessariamente, a melhoria da qualidade de vida e, logo, da envolvente edificada. Assim sendo, valorizar a construção, tendo em conta a sua importância no desenvolvimento sustentado, deve ser uma prioridade nas agendas governamentais nos próximos anos.