Este site utiliza cookies para oferecer um serviço mais ágil e personalizado. Ao acessar este site, você concorda com a nossa utilização de cookies. Por favor, leia mais informações sobre os cookies que utilizamos e como excluí-los ou bloqueá-los.

Favoritos E-mail Imprimir esta página

Mineradoras devem inovar e retomar os projetos de expansão para crescer em 2014

O desafio agora é inovar, intensificando medidas voltadas para a produtividade e para a gestão sustentável de custo

Belo Horizonte, 13 de dezembro de 2013 – A pesquisa “As tendências da mineração - As dez principais questões que as empresas enfrentarão em 2014”, realizada pela Deloitte, aponta para a necessidade das empresas em alterar suas abordagens à redução de custos por meio da adoção de práticas mais sustentáveis de gestão de custos. Elas devem adotar novas formas de tecnologia para ganhar maior percepção de suas métricas de desempenho subjacentes e abordagens mais inovadoras não somente da perspectiva operacional, mas também com relação a programas de gestão financeira, de talentos, saúde e segurança.

Em sua sexta edição, o estudo destaca ainda os principais indicadores da indústria de mineração e identifica as soluções para que as empresas consigam gerir melhor os negócios.  “O alto custo de fazer negócios superou a nossa lista de tendências de mineração nos últimos três anos, e continua a dominar o pensamento da indústria embora que muitos esforços estejam se voltando agora para o aumento da produtividade”, avalia o sócio-líder da Deloitte para o atendimento às empresas de mineração no Brasil, Eduardo Raffaini.

As dez principais questões que as empresas de mineração enfrentarão em 2014:

1. Custos elevados – O valor dos insumos e produção, desde mão de obra e energia até equipamentos e suprimentos, permanece alto. Para reduzir os custos de forma sustentável, as empresas devem melhorar a produtividade, adotando modelos operacionais e sistemas de gestão.

2. Adequar oferta e demanda – As oscilações de oferta e demanda e as quedas contínuas do preço das commodities afetaram o desempenho do setor. No entanto, indicadores de demanda em longo prazo permanecem robustos, principalmente pela urbanização contínua da China. Para lidar com a volatilidade, as empresas devem ser estratégicas com o portfólio de projetos, reconhecer o valor total de seus ativos em seus balanços patrimoniais resolvendo a desconexão entre valor e preço.

3. Busca pela inovação - As mineradoras por muito tempo dependeram de pesquisas e perfurações custosas e, não raro, ineficientes para descobrir novos depósitos de minerais. No entanto, ao replicar técnicas como simulação, modelamento técnico e sismologia 3D e 4D do setor de petróleo e gás, é possível identificar depósitos ricos em minerais de forma mais econômica. É preciso adotar tecnologias emergentes de forma mais estratégica.

4. Procura por financiamentos – O fraco retorno aos acionistas fechou o setor de mineração para o mercado de ações. Nesse cenário, as empresas buscam novas fontes de financiamento como fundos soberanos, private equity, mercados de ações não-tradicionais na Ásia, Estados Unidos e na Europa, além de fundos de pensão.

5. Melhoria da alocação de capital – Em resposta às demandas de investidores e analistas, empresas de mineração têm desenvolvido enormes reservas de projetos. No entanto, investir em projetos marginais, levou a empresa a registrar imparidades de ativos. Para virar o jogo, as empresas de mineração precisam de escopos de projetos mais robustos e de sistemas de governança e mecanismos de controle de riscos.

6. Poder às comunidades – À medida que as comunidades se tornam mais sofisticadas em suas negociações, as empresas mineradoras devem adotar estratégias para se aproximar mais das pessoas envolvidas, melhorando a comunicação, desenvolvendo programas personalizados de treinamento de trabalhadores e integrando fornecedores locais.

7. Nacionalismo de recursos – Na forma de impostos, royalties e outras concessões, as pressões dos governos sobre as mineradoras continuam. No entanto, elas devem melhorar o diálogo para desenvolvimento de políticas, coordenação de projetos de infraestrutura locais e envolvimento de todos os níveis do governo, que, por outro lado, deve promover maior estabilidade regulatória para as empresas.

8. Repressão à corrupção – A conscientização elevada de grupos civis e da comunidade local tende a elevar a atenção para os problemas de corrupção. Para evitar as armadilhas, as empresas devem intensificar seus processos de monitoramento anticorrupção, especialmente em regiões remotas, por meio de políticas e controles internos, auditorias de compliance, avaliações de riscos e atualizações de sistemas de prestação de contas.

9. Maior segurança – Fatalidades na indústria de mineração continuam altas. As empresas de mineração precisam de uma abordagem mais sofisticada para análise de segurança. As empresas devem re-examinar as práticas de trabalho e simular eventos de alto risco e combinar dados-padrão de segurança com fontes de dados não tradicionais, as empresas podem deduzir relacionamentos causais em incidentes externos de segurança.

10. Escassez de talentos – No tumultuado cenário econômico atual, as empresas de mineração estão divididas entre a redução dos custos de mão de obra e a retenção de talentos essenciais. Isso exige uma abordagem de duas vertentes focadas tanto na administração fiscal quanto no desenvolvimento de talentos. As estratégias a serem consideradas incluem: estratégia de aquisição e retenção de talentos focada especificamente em fechar todas as lacunas na experiência operacional e Adotar novos ambientes de treinamento.

Para acessar o relatório completo, visite: www.deloitte.com.br ou http://migre.me/gZ8kH

Última atualização: 

Contatos:

Nome:
In Press Porter Novelli
Companhia:
Assesoria de imprensa
Título do trabalho:
Telefone:
+55 (11) 3323-1581
E-mail
carla.marcondes@inpresspni.com.br

Links relacionados

Stay connected: